Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A solução passa pela família

Um assunto que diz respeito a todos nós, independente de cor, credo ou condição social é alvo, neste momento, de dois projetos de lei: um na Câmara Federal – PL 6583/13 – e outro, no Senado Federal – PL 470/13 – ambos em processo de avaliação dessas casas e que, curiosamente, carregam o mesmo título: Estatuto da Família. Embora seus conteúdos sigam caminhos diferentes, eles são, por assim dizer, possivelmente complementares quanto aos seus objetivos precípuos.

O projeto de lei que tramita no Senado pretende fazer uma grande revisão e atualização acerca dos aspectos legais que normatizam a organização das variadas formações familiares e que envolvem questões quanto ao casamento, divórcio, união estável, reconhecimento de filhos, além de outros temas importantes.

Já o projeto em tramitação na Câmara não se atém ao aspecto da reforma dos atuais estatutos legais que regem a unidade familiar, e prefere priorizar as questões sociais de proteção à família mediante políticas públicas. O destaque fica por conta de temas educacionais e formacionais da entidade familiar, com a criação de dispositivos de assistência e suporte a fim de atuarem de forma preventiva contra mazelas que, em seu curso, são agentes destruidores dessa milenar instituição. Reassegura direitos já previstos noutros documentos legais tais como a saúde, alimentação, educação, cultura, esporte, lazer, etc.

O mérito deste último projeto reside, a meu ver, em duas questões que se destacam pelo enorme impacto que ocasionam nas unidades familiares, independente da classe (mas sem sombra de dúvida, com muito maior poder destrutivo naquelas de baixa renda): trata-se da questão álcool e drogas e da gravidez adolescente.

Indubitavelmente, são problemas querepercutem em toda a sociedade, seja no aumento da criminalidade – visceralmente unida à questão das drogas e ao desperdício de vidas – seja pela violência ou pela destruição de vidas escravizadas pela adicção. Até o momento, para além do noticiário relatando ações açodadas e pouco eficazes nas chamadas cracolândias e os debates jurídico-legais que provocam (ou ainda promessas dos agentes públicos do aumento dos investimentos na área), continuamos sem uma solução orgânica ou mesmo sistemática que atenda a este flagelo. A visão do dependente deve se alargar para além de sua condição e incluir as famílias no processo de recuperação, estas mesmas que, na condição de codependentes, sofrem os efeitos devastadores decorrentes da adicção de seu familiar.

A outra questão que o projeto destaca, tão grave e importante quanto a primeira, é a gravidez na adolescência. Um relatório da ONU, publicado em outubro de 2013, estima que o Brasil perde, por ano, cerca de 3,5 bilhões de dólares com a gravidez adolescente. Este valor não inclui os custos com a assistência médico-hospitalar, tampouco inclui as perdas com a paralisação dos estudos das adolescentes, aumentando o número de pessoas subformadas e, provavelmente, candidatas ao auxílio do Estado.

Outro dado inquietante é que nos países em desenvolvimento, a cada ano, mais de 7 milhões de adolescentes dão à luz. Todas abaixo dos 18 anos de idade. Deste enorme contingente, 2 milhões de meninas têm 14 anos ou menos. Os danos à saúde e à formação psicoemocional destas jovens são irreparáveis. O relatório alerta que meninas antes dos 15 anos, residentes em nações de renda média e baixa, tem o dobro de risco de morte materna e fístula obstétrica do que mulheres mais velhas.

Nos EUA, nação que tem registros detalhados sobre o tema, percebe-se o custo social deste enorme problema que, normalmente, é fruto da vulnerabilidade das adolescentes e suas famílias. Em cuidados com saúde, assistência social e o aumento do encarceramento dos filhos de pais adolescentes, o país americano gasta cerca de 13 bilhões de dólares por ano. No caso do Brasil, onde boa parte desse custo ao contribuinte é fruto da pobreza, falta de acesso à educação de qualidade, lazer e ainda pela desestruturação familiar, a situação é bastante similar. Ainda estudos realizados nos EUA revelam realidade igual em nosso país. Filhos de mães adolescentes tendem a ter baixo rendimento escolar, saúde mais comprometida e a terem filhos também na fase adolescente.

Não exatamente por estas questões que aqui destaco, o Estatuto da Família na proposta da Câmara quando submetido a uma enquete pela internet, suscitou um amplo debate e um número recorde de participações: mais de 400 mil pessoas se manifestaram. Este grande interesse da sociedade revela a importância da iniciativa e coloca na ordem do dia a discussão dos temas drogadição e gravidez adolescente em termos não policiais, mas na perspectiva de se encontrar soluções, estas certamente complexas, desafiadoras e que ensejarão a participação de um numero maior de atores sociais.

Não é possível dissociar a família das medidas viáveis para a resolução das questões aqui elencadas. Ela representa o início de uma história que pode sim, ter um final feliz.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML

Publicado no site da Andifes em 02/03/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento