Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Necessita-se de realistas

Ao iniciar este texto, duas frases célebres me ocorrem: a história se repete como tragédia ou como farsa e um povo que não conhece sua história está fadado a repeti-la.  A primeira é da lavra de Karl Marx, em seu livro “O 18 de Brumário de Luís Bonaparte” e a segunda é atribuída ao filósofo inglês, do século XVIII, Edmund Burke. Parece que se vive um momento em que as duas frases se atualizam. Porque a ignorância nos leva a (re)viver a história, repetindo-a na forma trágica e com seus tons enganosos. De novidade mesmo, só o perfil dos fatos.

A propósito, trato das notícias alvissareiras das primeiras pessoas imunizadas no mundo com a vacina contra a Covid-19. O que causa espécie é como a polêmica contemporânea pode ser comparada com a da Revolta da Vacina de 1904. Trata-se de um episódio que beira o bizarro, pois, com a grande quantidade de mortos e com os hospitais entrando em colapso, o jovem médico Oswaldo Cruz pediu ao Congresso que revalidasse a obrigatoriedade da vacina contra varíola. E, se digo revalidar, é porque, desde o século anterior, a vacinação era obrigatória, porém ninguém se importava com a lei e o governo não a fazia valer.

A solicitação de Cruz foi o mote para a politização no Congresso a que, de um lado, opunham-se militares, monarquistas, republicanos e radicais das forças operárias que desejavam depor o presidente Rodrigues Alves e, de outro lado, havia a crença do povo de que a vacina era feita com o líquido das pústulas de vacas doentes. O terreno era propício para todo tipo de teoria conspiratória, diante de uma lei draconiana que permitia a invasão das casas e a vacinação à força.

Num mar de muitas versões sobre a vacina, havia o desamparo dos pobres, as mortes em multidão, a ausência de coveiros nos cemitérios e os caixões deixados ao relento.  Era tempo de caos estabelecido: 1904 – 2020, pouco mais de cem anos. Espanta-me hoje o debate ser, em natureza, exatamente o mesmo. Observem:

Naquela época, coube a Oswaldo Cruz, jovem médico, o papel de Dom Quixote, numa cruzada pela adoção de um protocolo de enfrentamento sanitário. No lugar dos imaginários moinhos de vento da literatura de Cervantes, Cruz se deparou com os reais moinhos de revoltas e resistências de toda sorte. Mas os visionários são, por natureza, indesistíveis. Mutatis mutandis, hoje estamos à mercê de uma sorte de teorias conspiratórias de vários matizes. Nunca estivemos tão carentes de homens realistas que, pés no chão e olhos no futuro, consigam guiar um imenso mar de cegos numa senda escura, cheia de vozes discordantes e abismos de ambos os lados.

Pertinente invocar ainda o cenário kafkiano de Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago, uma parábola moderna do nosso mundo tão convulsionado pela pandemia. Já escrevi sobre o assunto quando de uma jornada literária pela Academia Nacional de Medicina. Chamou-me a atenção a frase que emerge da obra: “Se decides não ver, cegarás”. A jornada dos personagens daquela obra, que se tornam cegos, é, por assim dizer, um caminho para enxergar de verdade. 

Sim, este é o cenário: escuridão e cegueira, vozes conflitantes e conflituosas. O caos é o que os cientistas atravessam entre um abismo e outro. Mas enxergar, muitas vezes, nasce de uma decisão. Não à toa, nos Evangelhos, Jesus, antes de curar o cego, questionava-o sobre o que queria que lhe fosse feito. “Senhor, que eu veja”. Essa era a resposta. Um posicionamento de deixar certezas equivocadas e abraçar a verdade. Já se passaram mais de 2000 anos. Se hoje Jesus nos interrogasse de novo, eu penso que a nossa resposta deveria ser a mesma: que nós vejamos.

Que nós percebamos que a vacinação contra a Covid-19 já começou ao redor do mundo, a despeito daqueles que continuam se empenhando ferozmente em cercar esse dado de estórias fantasiosas e burlescas. Que nós não repitamos, em 2020, as mesmas cegas reações que ofuscaram o real entendimento que exigia coerência e respeito à vida, em 1904. Que nós entendamos, com sobriedade e realismo, as informações verídicas e necessárias, para que, mais uma vez, abracemos a ciência com fé em Deus.

 

Natalino Salgado Filho

Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, Academia de Letras do MA e da Academia Maranhense de Medicina.

Publicado em O Estado do MA, em 19/12/2020

Mais opções
Copiar url

Necessita-se de realistas

Palavras não encobrem fatos

Acordes para o tratamento renal

As lições das cicatrizes

Sobre o insubstituível

A ciência e o impossível

A luta continua

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento