Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Em defesa dos nobres valores

Domingo passado, 26, à hora do Ângelus, momento em que milhares de pessoas se reuniam na Praça São Pedro, no Vaticano, para ouvir o Papa Francisco, uma cena carregada de simbolismo foi assistida pelos presentes. Em sua mensagem, Francisco rezou pelas vítimas das recentes manifestações na Ucrânia e pediu por paz naquele país, como já o fizera outras vezes pela Síria. Ao final da cerimônia, as duas crianças que o acompanhavam soltaram cada qual uma pomba branca. Essas aves, assim que levantaram voo, foram imediatamente atacadas.

Um corvo e uma gaivota, ambos considerados aves de rapina, se lançaram sobre as pombas com bicadas agressivas e assassinas e, por muito pouco, segundo relatos, não as mataram, somente algumas penas lhes foram arrancadas. Tal episódio causou espanto e horror e nos impregna certa aversão. Esse nosso sentimento se explica não pela simples questão de ter conhecimento de um fato visto como natural dentro de uma relação ecológica, na qual predadores procuram suas presas para a sua alimentação, mas pela infeliz coincidência do ataque naquele momento. Esse evento, casual ou não, nos leva a fazer uma analogia entre os dois países mencionados, nos quais, em que pese haver algum movimento de diálogo em busca da pacificação, não existe nenhuma solução definitiva à vista. O mundo cambaleia entre milhões que sofrem com o analfabetismo, com os afogados no Mediterrâneo, com a fome, com as guerras fratricidas e com os milhares que vivem em campos de refugiados, quase abandonados à própria sorte, frente à pujança e à concentração de riqueza produtora da indiferença.

O Papa Francisco trouxe um novo sopro à Igreja, tanto no sentido de sua organização administrativa como – e isso é até mais importante – na vivência da fé pelos fiéis que sentem, com sua postura simples e alegre, um novo fervor na prática cristã católica. Por outro lado, o Santo Padre, a despeito de algumas posições recebidas pela sociedade secularizada como moderadas – vide as declarações sobre os gays e a participação das mulheres na Igreja –, também tem defendido, com firmeza e coragem, valores importantes sobre a sacralidade da vida e tem clamado contra a insistente sobrevalorização da riqueza material em desfavor do homem e ainda contra o sistema econômico-financeiro mundial, que, apenas no afã de atender aos interesses de acionistas e dos ricos, esquece princípios, os quais, ausentes, desenham um mundo onde não haverá riqueza para ser desfrutada. Esquecer aqueles princípios norteadores será uma forma de preparar o mundo para a primazia exclusiva da lei do mais forte e do dinheiro – que lhe confere esse poder.

Não se trata somente de esquecer os mais pobres, tema que o Papa Francisco tem questionado constantemente, mas, sobretudo, em razão desse esquecimento, de semear o campo da violência, da pobreza e até mesmo da subversão da sociedade. Talvez por abraçar temas que estavam relegados, por retomar o estilo da voz, que clama no deserto em favor da paz, do amor e de tudo que pode nos conferir a exata dignidade dada por Deus quando nos fez à Sua imagem e semelhança, Francisco tem conduzido o rebanho católico ao apego de valores universais, que evitaram a destruição da própria humanidade.

Ao mesmo tempo que forças contrárias, semelhantes à ação das  gaivotas e dos corvos relatada no início deste artigo, se levantam, por meio de críticas e de demonstrações de frustração, contra as atitudes e opiniões do pontífice, o mundo está ansioso por uma voz ou vozes que relembrem quem somos e qual é o caminho a ser persistentemente trilhado por uma sociedade menos injusta e mais solidária, por exemplo. Em 2013, o Papa foi a “celebridade” mais comentada na internet, mas os chamados formadores de opinião se encontram divididos. Ora festejam as falas ditas moderadas, ora criticam o que entendem ser o cerceio de uma tal liberdade humana imposta, segundo creem, pela religião. Ao partirem desse ponto de vista, querem tão somente a ascensão do subjetivo pessoal ao status de dogma sem qualquer contestação.

Num muro, nas proximidades do Vaticano, alguém pintou o Papa Francisco no clássico voo do super-homem, com um rosto sorridente e uma pasta na qual se lê a palavra “valores”. Essa imagem nos remete a um super-homem que não se confunde com o modelo nietzschiano, que é movido por sua vontade de potência, desprezando tudo que lhe possa enfraquecer, seja amor, seja felicidade. O “além-homem”, criado por Nietzsche, sacode sua dependência de Deus, mostrando que é o seu próprio senhor, superior a tudo e a todos, transvalora e segue num processo de superação permanente, diferenciando-se dos demais, fracos e dependentes, escravos das comezinhas necessidades humanas. Este homem, na visão desse filósofo, prescinde de Deus. Nada mais distante das necessidades das multidões que vagam, como, diria o Senhor, ovelhas sem pastor. O novo homem se faz a partir da humildade, do reconhecimento de sua fragilidade, carência e, também, da capacidade de realizar coisas incríveis, como a história nos revela com tantos luminares que nos antecederam e alguns dos quais se encontram entre nós.

Assim como as pombas, o Papa ao alçar voo encontrará sempre aves de rapina prontas para o ataque. Porém, nada disso lhe será estranho. O próprio Cristo advertiu seus seguidores de que o mundo os rejeitaria, como o fez com Ele mesmo. Sua mensagem, todavia, é de esperança: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Evangelho de João 16.33). 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 02/01/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento