Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Casa do Estudante será entregue no segundo semestre de 2014, afirma reitor da UFMA

A Casa do Estudante no Campus do Bacanga da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) deverá ser entregue aos estudantes em meados do segundo semestre de 2014. Isso é o que afirma o reitor da UFMA, professor Natalino Salgado.

A questão da residência estudantil, que originou o impasse e os protestos de estudantes, que duraram mais de 10 dias e que teve como ações, interdições da Avenida dos Portugueses e da entrada da universidade, além de três alunos que se acorrentaram e fizeram greve de fome, foi o principal assunto abordado pelo reitor em entrevista concedida à reportagem de O Imparcial.

De acordo com Natalino Salgado, a construção de uma Casa do Estudante nas dependências do Campus do Bacanga, que foi o principal ponto do acordo feito entre a reitoria e os estudantes que deflagraram os protestos, já está garantida e o projeto do prédio já está em fase de elaboração pelo departamento de Arquitetura da universidade e deverá ser entregue aos universitários ainda no segundo semestre de 2014.

Além da questão da residência estudantil, Natalino Salgado falou também sobre as várias obras que foram ou estão sendo feitas na Cidade Universitária. As prioridades para os últimos dois anos de gestão à frente da universidade, também foram abordados pelo reitor.

O Imparcial   A reclamação dos estudantes era que o prédio que está sendo preparado para ser a Centro de Assistência Estudantil, deveria ser a Casa do Estudante dentro do campus. Em algum momento, foi anunciado que o prédio seria destinado à residência estudantil?
 
Natalino Salgado – Havia uma proposta da gestão anterior de construir uma casa universitária nas dependências do campus. Essa construção até foi iniciada, mas quando assumi, detectamos irregularidades no projeto, uma delas, era a não autorização pelo Conselho Universitário e por nenhuma outra instância administrativa. Foi então, que decidimos fazer um Centro de Assistência Estudantil Multidisciplinar, onde o estudante teria assistência médica, odontológica, psicossocial, além do laboratório de línguas, de informática e até espaço para a criação de núcleos religiosos. Como o prédio, antes pensado pela gestão anterior para uma residência estudantil, não estava oficialmente destinada para esse fim, ela foi aprovada no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e no Conselho Universitário e foi destinada para ser a sede do Centro de Assistência Estudantil Multidisciplinar.

Quantas moradias universitárias são disponibilizadas aos estudantes da UFMA e qual a situação delas?
São três casas estudantis: Luragb (feminina) e Ceuma e Reufma (masculinas), localizadas no Centro Histórico de São Luís, ocupadas atualmente por 84 estudantes. Quando assumimos a reitoria em 2008, nós encontramos estas duas últimas, literalmente destruídas. Foi gasto R$ 500 mil em reforma e adaptações. Criamos um ambiente agradável, climatizamos, fizemos salas de estudo e de informática. Já na residência feminina, os problemas são mais complicados, porque o prédio é antigo e requer manutenções com mais frequências. Mesmo assim, fizemos várias intervenções. O problema é que, nem todos os alunos contribuem para a conservação dos prédios. Hoje temos um edital com fluxo contínuo, que foi construído com os próprios estudantes, onde o aluno pode se inscrever e há um processo de seleção. Nesse processo é analisado se o estudante se enquadra nos critérios do edital. Esse mesmo sistema continuará sendo utilizado para a Casa que será construída no campus.

Como será o processo de construção da Casa do Estudante dentro do Campus do Bacanga? 
A casa será construída dentro da legalidade. A primeira providência foi baixar a Resolução 191 de 03 de dezembro de 2013, que cria um órgão suplementar dentro da estrutura da universidade, ligado à reitoria, que vai atuar na questão da moradia estudantil na UFMA. Como é um órgão suplementar, ele pode receber recursos específicos. Por meio dessa resolução é determinada a construção da Casa do Estudante dentro do campus. Enquanto a residência tiver sendo construída, foi acordado que os estudantes ocuparão o prédio onde funcionará o Centro de Assistência Estudantil, porém isso apenas ocorrerá quando ela for concluída, isso em três ou quatro meses. A respeito do processo de construção, já foi delegado ao Departamento de Arquitetura da universidade, a elaboração de um projeto que atenda 120 alunos, 60 homens e 60 mulheres, dentro dos padrões de moradia estudantil. No prazo de 90 dias, o edital de concorrência pública, será publicado. Depois teremos mais 45 dias para formalizar o contrato com a empresa que ganhar a concorrência. Já acertei com o Ministério da Educação, a liberação de recursos para a construção e após isso, serão mais seis ou oito meses para concluir o prédio. Isso quer dizer, que a Casa do Estudante será entregue ainda no segundo semestre do ano que vem.

Uma residência estudantil dentro do campus vai mudar a rotina da universidade?
Hoje já temos um fluxo intenso de pessoas dentro do campus da universidade, tanto que ela virou uma Cidade Universitária e é um espaço aberto. Como todas as atividades são encerradas às 23h e às 6h já tem pessoas circulando pelas dependências do campus, nós teremos apenas um período noturno livre de atividades, e eu espero que nesse período, os alunos estejam dormindo. Dessa forma, não acredito que a Casa do Estudante não vá interferir na rotina do campus, até porque, para essa casa funcionar, ela vai ter regras rigorosíssimas, de uso, de conservação, com a proibição de drogas, de bebidas. Serão regras rígidas para a seleção e para uso da residência.

Várias obras estão em andamento hoje no Campus do Bacanga. Que obras são essas, quais já foram concluídas e quais ainda estão sendo construídas? 
Nós já concluímos cerca de 90% das obras que planejamos. Temos hoje uma grande estrutura física, com avenidas, iluminação, anfiteatro, laboratórios, uma biblioteca, que mesmo sendo improvisada, foi ampliada e com a duplicação do acervo, que hoje conta com mais de 330 mil livros, isso além da nossa biblioteca virtual, com 1 bilhão de exemplares. Mas estamos construindo a maior e melhor biblioteca das instituições federais da região Nordeste, que será inaugurada ano que vem. Outra grande obra já concluída, foi a urbanização da Cidade Universitária, que já está em mais de 90% pronta. Temos ainda o Centro Pedagógico Paulo Freire e o Centro de Convenções, que faltam apenas ser para ser inaugurados.

O que o senhor destacaria como prioridades para os dois últimos anos da sua gestão a frente da reitoria da UFMA?
A principal prioridade é consolidar a estruturação dos campi do interior do estado e implantar os novos cursos. São 12 cursos novos que precisam ser implantados na nossa universidade, a maioria deles, estão inseridos no interior, como por exemplo, em Bacabal, onde temos hoje duas licenciaturas, Ciências Humanas e Ciências Naturais, mas será implantado um curso que já existia, mas não era permanente e passará a ser, que Pedagogia do Campo. Ainda em Bacabal, teremos Nutrição e Enfermagem e ainda estamos vendo com o MEC, a possibilidade de em 2015, implantarmos o curso de Medicina. Já em Pinheiro, o curso de Medicina já será implantado em março de 2014, o que também ocorrerá no campus de Imperatriz. Ainda em Pinheiro, serão implantados os cursos de Enfermagem e de Engenharia da Pesca, que terá as práticas na cidade de Cururupu. Outra grande prioridade é a consolidação do campus de Balsas, que foi iniciado agora em setembro. E por fim, queremos consolidar essa transformação, que não é apenas física, de ambiente acadêmico e laboratório, mas de produção do conhecimento, de inovação, de qualidade e, sobretudo de ética e transparência

Publicado em 09/12/2013 no jornal O Imparcial
Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento