Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Diversidade local como solução global

O Brasil está servindo de cenário para um dos mais importantes eventos deste início de século: a conferência Rio + 20, realizada na cidade do Rio de Janeiro, reunindo representantes de 194 nações. Essa conferência acontece exatos 20 anos mais tarde, após a realização da ECO 92, que foi  o primeiro grande evento das sociedades contemporâneas a pensar o meio ambiente como um assunto totalmente global. As centenas de atividades do evento estão abordando temas que nortearão o futuro do planeta e, por consequência, da humanidade, e que deverão fundamentar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável, baseado no conceito de economia verde, que envolve a preocupação com a redução dos índices de pobreza. 

São temas atuais, que despertam calorosas discussões entre as nações pobres e ricas, pela diversidade de opiniões sobre a tradicional relação entre o capital e o trabalho. Temas estes que pretendem trazer soluções para problemas, que envolvem todas as nações, como o aquecimento global, escassez de água, produção de alimentos, explosão demográfica e, ainda, o aumento do padrão de consumo material e energético dos países emergentes como o Brasil. O que está em jogo, em todas essas questões, é como manter o crescimento do planeta, com a consequente qualidade de vida das pessoas, e, ao mesmo tempo, garantir o desenvolvimento econômico dos países.

Atendendo a esse chamado de oferecer soluções, é que a Universidade Federal do Maranhão se insere no contexto de incentivo à produção e disseminação de conhecimentos, em especial a partir do estudo da diversidade natural em nosso Estado. Poderia apontar inúmeros exemplos, mas quero destacar, neste artigo, o papel desempenhado pelo Campus Universitário da UFMA em Chapadinha, que, por meio do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), oferece os cursos de Agronomia, Ciências Biológicas e Zootecnia. O Campus de Chapadinha está estrategicamente localizado numa região que faz parte do cerrado maranhense, segundo maior bioma que se espalha por oito estados e ocupa cerca de 24 %  da superfície do nosso país. 

Essa área representa, por suas características climáticas, topográficas e de solo, a mais explorada pela agricultura nacional ou o chamado agrobusiness.  Em particular no município de Chapadinha e região, essa área vem apresentando um desenvolvimento acelerado nos últimos anos, com a implantação de grandes lavouras de soja e milho, além do incremento da produção agropecuária. Isso reforça a decisão acertada de interiorização da Universidade Federal do Maranhão de ocupar estrategicamente as microrregiões que possuem grande potencial, mas que, até há pouco tempo, careciam de conhecimento técnico especializado para sua exploração.  

Foi a partir da constatação da diversidade e da riqueza natural da região que a pesquisadora Maria da Cruz Chaves Lima Moura, do curso de Agronomia, do CCAA, elegeu como fonte importante de pesquisa uma fruta tipicamente maranhense, o bacuri (Platonia insignis  Mart,  Clusiaceae), que tem sido fonte de sustento para muitas famílias que dela sobrevivem pela coleta extrativista e processamento da polpa, principalmente. Esse esforço de catalogação de informações sobre o Bacuri permite, por exemplo, antever um grande potencial econômico que pode vir a ser explorado pela economia verde.

 A pesquisa da professora informa que das sementes é possível extrair o óleo para fins medicinais, fabricação de sabão com características antifúngicas e antibactericidas; da casca dos frutos, é possível a produção de doces, geleias, sucos, licores, sorvetes e outros produtos que já possuem valor de mercado no Brasil e em outros países; da madeira, é possível extrair material para obras hidráulicas e carpintaria. Além disso, há um grande potencial para uso do produto na fabricação de cosméticos e, possivelmente, uso farmacêutico ainda inexplorado. Tudo isso está sendo pensado, tendo como base a manutenção das áreas nas quais a planta surge naturalmente como mata nativa, o que, portanto, diminui o desmatamento, combate a pobreza e fortalece a pequena agricultura familiar ou cooperativista.  

Essa pesquisa alia, evidentemente, o conhecimento tradicional ao científico, agora registrado na pesquisa mencionada, já que aponta para uma multiplicidade de usos dessa planta, que se sobrepõe à sua principal utilidade, isto é, uma fruta de consumo extrativista. Esse conhecimento é outro patrimônio que precisa ser ainda mais valorizado para que dele se possa partir para novas descobertas científicas, sem o desmerecimento do conhecimento tradicional. Nesse sentido, uma pesquisa americana aponta que a utilização do conhecimento das comunidades nativas economiza em 400 % o tempo entre a pesquisa, os testes, as matérias, os equipamentos e os salários de cientistas envolvidos.  

A geração de novas oportunidades de emprego, o desenvolvimento e as divisas para o Brasil passa, necessariamente, por esse tipo de conhecimento catalogado com repercussões importantes para o debate sobre a nossa biodiversidade, uma das maiores do mundo. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estima que esse patrimônio genético valha cerca de U$$ 2 trilhões. Outras nações e a rica indústria cosmética e farmacêutica têm se utilizado de plantas e animais de várias partes do mundo, inclusive do Brasil, na produção de diversos produtos que movimentam um mercado de bilhões de dólares por ano. 

Guardando-se as devidas proporções, pode-se afirmar que o estudo do Bacuri e de dezenas de outras plantas com igual potencial pode ajudar a realizar as metas de um desenvolvimento sustentável – à semelhança daquelas discutidas na Rio + 20 –  e  contribuir para soluções que afetarão positivamente não somente nossas comunidades, como também outras similares em nosso país. Afinal, uma terra só pode ser considerada próspera se aqueles que nela habitam forem igualmente prósperos. O equilíbrio entre os tipos de conhecimentos – o tradicional e o científico – é o que pretendemos debater à exaustão na 64ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, que acontecerá de 22 a 27 de julho de 2012, na UFMA.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 17/06/2012

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento