Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A ética como aliada da ciência

No Brasil, apesar de estarmos 20 anos em atraso, ainda reverbera forte o debate sobre a experimentação em laboratório com animais desde que ativistas invadiram o laboratório Royal, em São Roque (SP), e sequestraram 178 cães da raça beagle que serviam de cobaias em diversas experiências, inclusive em pesquisa sobre o câncer.

Aristóteles, em sua célebre obra “Ética a Nicômaco”, se propõe a tecer conselhos para a vida, bem como elege bens em escala de valores, dispondo sobre uma forma ética de lidar com pessoas e coisas. O texto é atualíssimo: vive-se um momento em que a discussão sensata, a obediência às regras democráticas, que representam a base das sociedades civilizadas, estão sendo trocadas pelo grito, pelas posições extremas e pela intolerância. Sem regras, voltamos ao estado de natureza que Thomas Hobbes definiu como um estado no qual “o homem é o lobo do próprio homem”.

Entendemos que cães e outras espécies de animais afetivamente muito próximos do homem causem reações de estranhamento quando são objetos de pesquisa. Todavia, ao longo da história científica, particularmente na área da saúde – em que avulta a exigência de intervenções por novas técnicas cirúrgicas, medicamentos eficientes e modernos equipamentos –, foram utilizados animais (fato que tem contribuído imensamente para importantes descobertas), tendo em vista que, por razões éticas e morais, alguns experimentos não poderiam ser realizados em humanos.

Não são novidades os movimentos em favor dos animais. Em 1876, a Inglaterra já havia instituído a Cruelty to Animals Act. Nesse país, a lei mais recente que regula a utilização de animais em laboratório é denominada de Animals (Scientific Procedures) Act 1986. Convém dizer que os defensores dos animais – com destaque àqueles que com espírito aberto e no intuito de ponderar valores – contribuíram para o progresso da ciência com sugestões e, efetivamente, provocaram mudanças em favor desses seres. Assim, excluindo-se aqueles que seguem à margem da legalidade e, portanto, são passíveis de punição, todos os países ocidentais têm regras rígidas à experimentação.

A Lei nº 6.638/79 – datada em 8 de maio e já revogada pela Lei nº 11.794 de outubro de 2008 – foi a primeira que contemplou esse tema. Atualmente, conta-se também com a nova lei de crimes ambientais (Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de 1998), regulamentada pelo Decreto nº 3.179, de 21 de setembro de 1999, que diz expressamente: “experiências dolorosas ou cruéis em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, são consideradas crimes, quando existirem recursos alternativos”.

A legislação brasileira, contudo, ainda não abrange os dispositivos presentes em ordenamentos de outros países, os chamados “3 R’s”: to reduce – reduzir, sempre que possível, o uso de animais em laboratório; to replace – substituir, sempre que possível, o uso de animais por outra alternativa (ou seja, o uso de células, tecidos ou ainda simulação em computador); to refine – refinar, sempre que possível, a forma como a pesquisa é feita (que pode ser  por meio de um ambiente confortável e estimulante para os animais, e através de aplicação de anestésicos e de analgésicos, quando o desconforto for previsto).

Em nosso país, a fase de testes em que se usam animais mais complexos é a que antecede a aplicação em humanos. Esse argumento, alardeado pelos autointitulados defensores dos animais, sem as necessárias ponderações de valor, está eivado de emoção, promove comoção, menos a racionalidade. Há de se defender que homens ocupem o lugar que, por ora, está sendo ocupado por animais?

Nesse contexto, ante a perda da razoabilidade e do respeito ao Estado de Direito, como demonstra a manifestação dos ativistas, tomamos emprestado o exemplo do cientista brasileiro Esper Kallás – da Faculdade de Medicina da USP, que lidera uma pesquisa de descoberta de uma vacina contra a Aids, a qual está na fase de testes em macacos rhesus –, pois cabe questionar: deve-se suspender o teste em nome do bem-estar dos animais, mesmo que não exista outra possibilidade?

O mesmo cientista, em artigo publicado, ressalta que o pesquisador brasileiro se encontra esmagado entre duas pressões poderosas: de um lado, a burocracia para liberar pesquisas com seres vivos; de outro, a cobrança da sociedade marcada pelo debate em defesa dos animais sem análise aprofundada. Dessa forma, perde a ciência, perde o pesquisador, que, nos dias atuais, demora pelo menos um ano e meio para liberar qualquer teste clínico.

A verdade é que ainda nem toda pesquisa pode prescindir de animais. De qualquer modo, a ciência deu enormes saltos nos últimos anos. Hoje, grande parte da pesquisa é realizada in vitro – que manipula células animais e humanas. Uma geração de programas está permitindo pesquisa in silico e os computadores têm substituído a pesquisa in vivo

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 09/11/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento