Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A UFMA e o ENEM (parte II)

No artigo intitulado “UFMA e o ENEM (parte I)”, publicado no último domingo, analisávamos sobre a adesão das Instituições ao Exame Nacional do Ensino Médio. Agora, versaremos sobre os benefícios que esse processo de avaliação trouxe para todo o sistema educacional, especificamente para a nossa Universidade Federal do Maranhão.                            

Que benefícios são esses? Um deles, dentre vários outros, é a transformação de um vestibular local em uma seleção nacional, na qual se abrem possibilidades reais de participação para estudantes de todo o país. Essa forma de fazer contempla candidatos não só do próprio Estado, mas também de outras localidades, sobretudo, aqueles do interior desses Estados (a maioria, em particular, os de grande extensão como o Maranhão) em que o acesso à educação superior pública se restringia à capital e a poucos municípios. No caso da UFMA, quando estávamos nas diferentes fases de consolidação desse novo método de ingresso, conseguimos alcançar a marca de nove campi. Atualmente, já bem estruturado, atingimos todas as mesorregiões geográficas do Estado, pois, em 2009, eram apenas seis campi.

Ora, uma coisa é aplicar exames em seis ou sete municípios, como se costumava fazer até então com nosso vestibular tradicional; outra é receber inscrições de praticamente todas as cidades do Maranhão e realizar exames em quase noventa delas, o que passou a acontecer com o Enem. O resultado foi o salto gigantesco no número de inscrições, que chegou aproximadamente a 25 mil, em 2008, e ultrapassou os 145 mil, em 2009, número que segue crescendo.

A UFMA passou a economizar o que gastava com a formulação e a aplicação da prova, com uma abrangência muito menor. E por mais que esse tempo, felizmente, já se tenha ido, cabe recordar que, sobre os nossos vestibulares, pesavam suspeitas, críticas e acusações graves de falta de lisura, de compra de provas e de todo tipo de irregularidades. Portanto, ao iniciarmos a gestão da Universidade, era importante assumirmos o compromisso com a transparência dos nossos processos seletivos.

Além disso, em que pesem aspectos positivos nas experiências de processos seletivos seriados, como chegaram a ocorrer na UFMA há pouco tempo, a sua proposta global não chegava a alterar, de maneira significativa, a lógica da memorização e do conteudismo, apenas a diluía ao longo dos três anos do Ensino Médio. Logo, as avaliações seriadas também não constituíam uma alternativa válida ao Enem. 

Por último, nossa comunidade universitária tinha o receio de que, com o Enem, a UFMA pudesse retroceder diante das recentes conquistas, ao definir sua política de cotas para estudantes de escolas públicas, negros, índios e deficientes (o que chega a pouco mais de 50% do total). Na nossa proposta de adesão, aprovada por quase unanimidade pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), ficou patente que não apenas mantínhamos a política de cotas, incomparavelmente a mais inclusiva do Brasil, como também condicionávamos nossa adesão a essa manutenção (mais tarde, o Congresso definiu uma política nacional de cotas que é, de certo modo, menos inclusiva do que a que já tínhamos, mas isto é assunto para outra ocasião).

No momento em que praticamente se encerra o ciclo de adesões das IFES brasileiras ao Enem, a UFMA merece um voto especial de louvor, por sua capacidade de se antecipar aos movimentos político-educacionais de maior envergadura e de aderir, com efetiva autonomia universitária, às opções que se mostram, antes mesmo de comprovação a posteriori, como sendo as melhores possíveis. Entendemos que essas opções são as melhores devido à sua concepção, às suas características indutoras de melhoria, à sua razoabilidade como soluções sistêmicas a crises que, de outro modo, não seriam superadas.

A partir da nossa perspectiva, esse movimento não caracteriza imprudência, muito pelo contrário, caracteriza, sobretudo, a responsabilidade de quem precisa, por força do cargo, dar respostas rápidas e eficazes à educação e à sociedade brasileiras. Vivíamos um momento delicado e cada vez mais a gestão acadêmica dos hospitais universitários se avizinhava do caos, e foi esse motivo que, assim como no caso do Enem, levou-nos a decidir com coragem pela adesão da UFMA à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). A única diferença é que a adesão ao Enem pressupunha a aprovação institucional colegiada dos Conselhos Superiores, e a adesão à EBSERH era vinculada à competência privada do gestor maior da Instituição. Contudo, independente disso, as decisões atuais estarão sempre confrontadas com seus resultados no futuro, à vista de todos.

Assim, como no caso do Enem e do Programa de Apoio ao Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI, temos absoluta segurança de que os resultados justificarão integralmente a escolha feita, e a UFMA terá ainda muito mais motivos para se orgulhar de seus êxitos, todos em prol do Maranhão e do Brasil.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

 Publicado em O Estado do Maranhão em 27/10/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento