Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Voto e democracia, simbiose perfeita

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA) teve a honra de sediar, esta semana, nas dependências da Cidade Universitária, o Congresso de Direito Eleitoral, realizado pela Escola Judiciária Eleitoral do Maranhão, em comemoração aos seus 10 anos. Na noite da abertura, diversos estudantes e profissionais do Direito lotaram o Auditório Central dessa Instituição para ouvir a palestra proferida pelo Ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Henrique Neves, que discorreu sobre o voto limpo como base fundamental da democracia brasileira.

De antemão, quero parabenizar a iniciativa da Escola, na pessoa do seu diretor, o juiz federal Nelson Loureiro dos Santos, e também o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, o desembargador José Bernardo Silva Rodrigues, pelo brilhantismo do evento e pela parceria já consolidada com a UFMA, que tem proporcionado a concretização do curso de pós-graduação em Direito Eleitoral, o qual já se encontra na segunda turma.

O acontecimento desse congresso, nesta ocasião, não poderia ser mais propício, pois nesta mesma semana o Senado concluiu, após a aprovação de algumas emendas, uma nova minirreforma eleitoral. O texto seguiu para a Câmara, onde se espera que seja votado e sancionado até 4 de outubro de 2013 para poder entrar em vigência e surtir seus efeitos nas eleições do ano que vem. Entre os pontos mais importantes, destacam-se a limitação da contratação dos chamados cabos eleitorais, a proibição de troca de candidatos na véspera da eleição e algumas regras mais rígidas para a propaganda eleitoral. 

Essas são medidas que visam aperfeiçoar um dos momentos mais importantes do exercício da cidadania de todos nós, quando diante das urnas, depositamos nossos votos naqueles em que acreditamos que possam ser a esperança de dias melhores para esta imensa nação.

Diante da rica e diversificada temática das palestras abordadas durante o congresso – encerrado na sexta-feira –, inúmeras reflexões foram suscitadas entre os participantes, dentre as quais, a ideia de democracia. Sobre esse assunto, não resta dúvida de que o Brasil muito já avançou. Basta lembrarmos a Lei da Ficha Limpa; o Voto Limpo; a Responsabilidade Eleitoral ou a Reforma Política na perspectiva do eleitor.

Entretanto, cada cidadão deve ser consciente de que seu papel não encerra após digitar seu voto. Este momento de exercer a cidadania é apenas o começo de uma nova história que precisa ser acompanhada com atenção e interesse. Como bem lembra Kant, a principal faculdade do agir é a razão. Para esse filósofo, nós só podemos sair da menoridade da razão e alcançar a maioridade se conseguirmos fazer um uso da razão pública, isto é, se pudermos usar com liberdade e responsabilidade aquilo que nos é dado pela natureza, tendo como base o seguinte imperativo categórico: “Age como se a máxima de tua ação devesse tornar-se, através da tua vontade, uma lei universal”.

A democracia já não se contenta mais somente em ser representativa, mas exige a argumentação dialógica do cidadão nas tomadas de decisão política. Até há pouco tempo, a atuação do cidadão era manifestada apenas pelo voto ou pela representatividade indireta. Agora, também se dá pelas redes sociais, pelos protestos de rua, pelas pressões contra os representantes do campo político e do campo judiciário, pela vontade que a toda hora se manifesta das mais diversas formas, nos mais diferentes contextos. Pensar esses temas, portanto, exige de cada um de nós o exercício constante da nossa tolerância para respeitar o que nos torna iguais e diferentes ao mesmo tempo. Essas exigências insistem no uso público da nossa razão – sistematizada que deve ser pela sociedade multicultural em que vivemos.

Nada mais democrático do que cada um ter a oportunidade, com liberdade e consciência, de escolher quem o represente. Nesse sentido, o escritor Fernando Sabino afirma que a “Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida”. 

P.S. Não poderia deixar de registrar a alegria de presenciar mais uma solenidade de formatura, que ocorreu no mesmo dia de abertura do Congresso Eleitoral, quando centenas de alunos da Universidade Federal do Maranhão chegaram ao fim de seus cursos de graduação na busca do tão sonhado diploma. A todos e todas, deixo os meus parabéns e o meu desejo de uma carreira bem-sucedida. E que Deus os abençoe em cada passo dessa nova jornada! 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 22/09/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento