Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Pausa para equilíbrio e reflexão

Uma das mais famosas obras de Aristóteles é Ética a Nicômaco, um tratado atualíssimo sobre felicidade, equilíbrio e hábito ou sobre a ética como virtude e como prudência. A certa altura, o filósofo diz que todas as ações dos seres humanos se destinam ao Sumo Bem e que, fatalmente, fazer o bem trará a felicidade. Aristóteles propõe um modelo de ética que concilia o modo de ser e de agir, pois o que se espera de um homem virtuoso é que ele faça bem a si mesmo e aos seus semelhantes, com os quais convive em sociedade.

A leitura dessa obra não é só necessária como adequada para o momento que atravessamos, quando o programa Mais Médicos, do governo federal, começou a dar seus primeiros passos em meio a uma série de polêmicas. Além das opiniões de vários colegas – as mais díspares possíveis, todas merecedoras de destaque por uma série de razões –, chamou-me a atenção o artigo publicado na edição do último domingo pela escritora Arlete Nogueira da Cruz. Sem entrar no mérito da narrativa, tem razão a escritora: não há médicos suficientes para atender a demanda da nação brasileira. E, aliado a isso, também concordo que não há infraestrutura suficiente adequada na maioria dos municípios brasileiros para atender os cidadãos.

A situação do Maranhão é peculiar por ser o último Estado da federação em distribuição de médicos em relação à população. Só há 0,58 médico para cada mil pessoas. Este quadro tende a mudar nos próximos anos com o início das atividades das faculdades de medicina de Pinheiro e Imperatriz, mas para agora é necessária uma solução urgente. É inegável que a história da medicina no Brasil tem capítulos especiais de homens e mulheres que abraçaram a carreira médica como um sacerdócio, mas também como um compromisso acima de qualquer interesse.

Foram e são eles (as) que, nos mais diversos fronts do país, fizeram e ainda fazem a diferença contra uma estrutura que pouco oferece de recursos físicos e materiais para a prática da boa medicina. Muitos, como Carlos Chagas e Oswaldo Cruz – este último teve que enfrentar a ira da população no famoso episódio da Revolta da Vacina –, doaram a vida e o talento em prol do bem comum. Aqui no Maranhão, tivemos os médicos Tarquínio Lopes Filho, Clementino Moura, Aquiles Lisboa, Antonio Jorge Dino e tantos outros que nos inspiraram com seus exemplos e, que nas suas épocas, tiveram que transgredir as regras estabelecidas pela área.

Todavia, as cidades cresceram e os problemas se complexificaram e a população diversificou seus costumes. E, após anos de ações pontuais, o resultado não poderia ser outro: má distribuição de profissionais e concentração de serviços, resultando numa brutal desigualdade entre as regiões do país. Como médico e professor do curso de Medicina, eu entendo os anseios e as resistências dos meus colegas. Conheço de perto suas justificativas, pois enfrentei situações semelhantes às relatadas. Fui um dos fundadores do Sindicato dos Médicos do Maranhão. No começo da década de 1980, implantei a primeira residência médica no antigo hospital do INAMPS, Presidente Dutra, do qual tive a honra de ser mais tarde o diretor. Atualmente, há 200 residentes nas mais diversas especialidades, e já formamos cerca de 1.200 médicos residentes no Complexo Hospitalar Universitário (que compreende os hospitais Presidente Dutra e Materno-Infantil), que hoje é referência nacional em diversas áreas. Devido à minha atuação na área de nefrologia, trouxe, em 1978, o primeiro rim artificial para o Maranhão, o que inaugurou um novo capítulo da nossa história no tocante ao tratamento da doença renal crônica. Sou escoltado por uma trajetória de compromisso à causa médica neste Estado.

Pesquisa realizada pela CNT neste início de mês aponta que 74% da população aprova o programa Mais Médicos. É coerente então criticar a contratação de médicos estrangeiros que serão enviados aos lugares que nossos médicos não desejam ir? Como querer que uma população carente que grassa a completa desassistência não aceite essa solução? Sou solidário à questão de que se dignifique ainda mais a carreira médica. Nunca disse o contrário. O embate está no Congresso Nacional, e as reivindicações da classe são justas: o fortalecimento do currículo médico; a criação de uma carreira de estado para os profissionais; a obrigatoriedade da residência médica a partir de 2017; e o estabelecimento da obrigação do ensino de seis anos. Esses são desafios a serem superados, e este momento de tanta ebulição deve ser utilizado como catapulta para instaurarmos novos paradigmas também na organização do sistema de saúde e na formação de profissionais, fatores fundamentais para que os recursos advindos do Pré-Sal, recentemente destinados em lei para a educação e para a saúde, sejam bem aplicados. E este não é um discurso solitário. Na ocasião do meu pronunciamento acerca do programa Mais Médicos na Câmara Federal, não estava sozinho: estava respaldado pela Andifes, que congrega 63 instituições federais de ensino superior.

Acredito que é hora de apaziguar os ânimos e procurar o bom caminho do equilíbrio, o bom senso e a tolerância à semelhança do que propõe Aristóteles, citado no início deste texto. O profissional médico tem lugar cativo no coração da população. Acima de tudo, é um humanista que tem a nobre missão de proporcionar conforto e aliviar as dores do corpo e da alma. Espero que os colegas não percam sua dignidade protagonizando cenas de agressões aos colegas estrangeiros. Que todos tenhamos de Deus o discernimento de saber que, nesse momento, o interesse maior é o da sociedade brasileira.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

 

Publicado em O Estado do Maranhão em 15/09/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento