Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Um presente à altura de São Luís

A capital maranhense celebra hoje 401 anos. Essa comemoração nos lembra dos versos do poeta José Chagas: São Luís ainda brilha/ como o fez antigamente/ Em nosso mar, é uma ilha/ na cultura, é um continente. E é nesse espírito de celebração que a UFMA se irmana com cada filho e filha desta Terra – e mesmo com aqueles que a elegeram como seu segundo lar.

Quis o destino, numa coincidência feliz, que a comemoração pelo aniversário da cidade encontrasse a todos nós que fazemos da UFMA um momento auspicioso: na última sexta-feira, eu juntamente com o ministro do Turismo, Gastão Vieira, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior e a superintendente do IPHAN Kátia Bogéa estivemos visitando as obras de recuperação do complexo arquitetônico da antiga Fábrica Santa Amélia, integrado por oito prédios, à altura da rua Cândido Ribeiro, no Centro Histórico de São Luís.

Autoridades, convidados e profissionais da imprensa ficaram impressionados com o trabalho que, por meio do IPHAN, está sendo realizado com recursos dos Ministérios do Turismo, Educação e Cultura. Os prédios, antes esquecidos e abandonados, aos poucos se revelam em todo o seu esplendor: uma belíssima escadaria de ferro, os antigos motores e chaminés da fábrica foram recuperados, além de tesouros arquitetônicos que estavam escondidos nas ruínas; os azulejos e as paredes foram restaurados, trazendo de volta histórias seculares, assim como estão sendo feitas obras de recuperação e adaptação em cada um daqueles prédios. Estamos planejando também abrir um acesso para a Fonte das Pedras, que fica ao lado do complexo, e assim fazer daquele local não apenas um espaço de aprendizagem e impulsão de conhecimento, mas de imersão na memória cultural para os moradores e visitantes de São Luís.

O espaço aqui não nos permite detalhar uma a uma todas as obras que estão sendo realizadas naquele complexo, mas, em breve, a população vai poder conferir que, mais do que a recuperação de um passado glorioso, aquele local vai disponibilizar salas inteiramente equipadas para abrigar os cursos de Turismo e Hotelaria da UFMA, a partir de 2014, pois a conclusão das obras está prevista para os próximos seis meses. Teremos um prédio central de ensino, uma empresa júnior de hotelaria e turismo, laboratórios, uma biblioteca, um hotel-escola e um grande auditório, que, juntos, somam 5.496 metros quadrados de construção.

Ao vermos o grande trabalho que está sendo realizado, lembramo-nos do brilhante poeta Ferreira Gullar, que, em seu poema Volta a São Luís, exclama parafraseando Gonçalves Dias: “Meu coração diz pra si:/ as aves que lá gorjeiam/ não gorjeiam como aqui”.

Como se não bastasse o que já foi exposto, é com orgulho que informamos que quatro outras obras incorporantes do patrimônio arquitetônico da UFMA estão sendo realizadas como integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas.

A primeira é o prédio do Fórum Universitário, localizado na Rua do Sol, que está recebendo investimentos na ordem de R$ 3 milhões e 307 mil, cujo objetivo é recuperar integralmente aquele espaço, que passará a abrigar a pós-graduação do curso de Direito. A segunda está sendo realizada no Palácio Cristo Rei, localizado na Praça Gonçalves Dias, onde estão sendo investidos, numa segunda etapa de uma grande reforma já iniciada, quase R$ 2 milhões. Depois de concluído, será instalado, em seu mirante, o memorial Gonçalves Dias.

A terceira é o Palácio das Lágrimas, em frente à Igreja de São João, que está sendo reformado para abrigar o Museu da Ciência da UFMA. Para se ter uma ideia, essa obra está recebendo do PAC, através do IPHAN, o valor de R$ 2 milhões e 129 mil. A quarta – cujo edital de licitação para a contratação da empresa que se responsabilizará pela recuperação será publicado nesta semana que se inicia – é a recuperação do Palacete Gentil Braga, situado no início da rua Grande, onde funciona o Departamento de Assuntos Culturais da Universidade. A obra está orçada em R$ 3 milhões e 453 mil, financiada pelo Ministério de Turismo.

Também estamos trabalhando em projetos que vão resgatar a dignidade do secular prédio do Serviço de Obras Gráficas do Estado (SIOGE), onde deverá funcionar um museu de arqueologia, juntamente com os cursos de graduação e pós-graduação de História. Os recursos para essa obra são de responsabilidade da Petrobrás, que, em decorrência dos trabalhos de construção da Refinaria em Bacabeira, coletou mais de 60 mil peças arqueológicas encontradas durante as escavações e que serão destinadas para esse museu. 

Acredito que fiel à sua missão de ser incentivadora e propulsora do conhecimento, da pesquisa e da extensão e por ser hoje a instituição de ensino que mais cresce em inclusão social, a UFMA oferece esses grandes presentes à São Luís – senhora quatrocentenária, cheia de mistérios, encantos, cultura e história –, que não se traduzem apenas na restauração, ampliação e construção de obras físicas. São mais do que isso: são espaços em que as pessoas construirão novas histórias, realizarão sonhos e legarão para as futuras gerações uma cidade melhor. 

Lembramo-nos ainda do herói grego Ulisses, que, rejeitando as promessas de Calipso para a juventude e imortalidade, enfrenta toda sorte de infortúnios para retornar à Ítaca. Esse seu regresso é para o lar que ele conhece, para as pessoas que ele ama, para a trajetória que o tornou quem ele é. Ir ao encontro do passado desta São Luís para resgatá-lo e valorizá-lo é pensar em nós mesmos como amantes de nossa Terra. Que nossos descendentes não esqueçam a responsabilidade de zelar e ampliar o trabalho que já está sendo feito. Deus abençoe a cidade de São Luís e a todos os filhos desta Ilha.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 08/09/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento