Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Educação que liberta e transforma

Educar é crescer. E crescer é viver. Educação é vida no sentido mais autêntico da palavra. Essas palavras são de Anísio Teixeira, um dos maiores educadores que este país já teve.

Quando se analisa o “segredo” de crescimentos espetaculares de alguns países nos últimos 40 anos (alguns deles equiparados, à época, ao Brasil em termos de estágio de desenvolvimento e também em termos de organização econômica, de democracia e de estratégias agressivas de exportação), saltam aos olhos as suas políticas educacionais. Neste ponto, não há exceção. A lição parece autoexplicativa: não há desenvolvimento de um país sem instrução de seu povo.

Tomo como exemplo a Coréia do Sul, que, nos anos 1960, apresentava índices de pobreza e subdesenvolvimento similares aos do Brasil (com PIB inferior ao nosso, renda per capita duas vezes menor, índices de analfabetismo rondando os 35% e, àquela época, recém-saída de uma guerra civil que matou mais de um milhão de seus cidadãos), pois esse país decidiu assumir a educação como plataforma de ascensão. Nesse meio-tempo, essa renda por pessoa cresceu 19 vezes, o analfabetismo foi erradicado e 82% de seus jovens estão nas universidades. Enquanto isso, nosso país amarga ainda 13% de sua população na escuridão do analfabetismo e apenas 19% de seus jovens (18 a 24 anos) estão no Ensino Superior. Sem contar que nosso rendimento é menos da metade da coreana.

No entanto, há esperanças: no Brasil, houve um longo período de paralização das políticas educacionais, porém temos assistido a um significativo crescimento de universidades públicas e a um assomo de esforços para que o maior número possível de estudantes ocupem os bancos das faculdades. Desde os anos 1990, o número de matriculados nas universidades aumentou três vezes.

Várias causas poderiam ser atribuídas a esse aumento, todavia uma preponderante é, sem dúvida, o ProUni. Este, um dos maiores programas de acesso ao Ensino Superior no Brasil, criado em 2004, disponibiliza bolsas integrais e de 50% para alunos de baixa renda que podem cursar em faculdades particulares os cursos de sua preferência. Sobre esse ingresso nessas instituições, vale dizer que o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), além dos critérios socioeconômicos que qualificam os ingressantes, serve como elemento classificatório entre os que concorrem a essas bolsas. Uma das principais condições é que o aluno deve fazer pelo menos 450 pontos e não tirar zero em redação.

Certamente, o ProUni se configura como um instrumento de democratização do acesso ao Ensino Superior, pois alunos que, por razões estruturais na formação do ensino público fundamental e médio, não obtiveram pontuação suficiente para ingressar nas faculdades públicas ainda assim terão acesso à universidade.

Mesmo diante desse quadro de deficiências da formação escolar, o mais surpreendente, segundo um comparativo de dados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), publicado no ano de 2009, na Folha de São Paulo, é que os alunos que entram nas faculdades por meio desse programa apresentam melhor resultado acadêmico. 

No início do programa, críticos chegaram a acusar o ProUni de favorecer o ensino universitário privado; entretanto, os resultados obtidos até o momento indicam que esse ponto de vista não se confirmou. Um fato, além dos aqui abordados, serve como argumento incontestável. Reportagem de “O Estado de São Paulo”, publicada em 2013 e baseada em dados do IBGE, atesta que a renda média do trabalhador brasileiro é 25% superior à renda da trabalhadora brasileira. O que nivela ambos é a instrução. A mesma pesquisa constata: trabalhador, homem ou mulher, com curso universitário, ganha 220% mais que aqueles sem a formação superior.

Não poderia deixar de falar de outra forma importante de acesso ao Ensino Superior, que é o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). Inclusive, este pode ser associado ao ProUni, por exemplo, no caso de o estudante ser contemplado com bolsa parcial e, ainda assim, não dispuser de recursos para pagar a metade restante. Também cabe neste espaço mencionar o Sistema S, que inclui dezenove instituições – entre as mais conhecidas estão o SESI, SENAI, SESC –, sistema esse que, com mais de 60 anos de existência, é outra grande porta de acesso à capacitação e formação profissional no Brasil. Atualmente, essas instituições contam com uma rede de escolas, laboratórios, faculdades e centros tecnológicos espalhados em todo o território nacional, alcançando desse modo uma grande expertise na formação técnica em diversas áreas.

Vale lembrar também que o MEC, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), destinou 405 milhões de reais para a formação de técnicos em parceria com várias instituições do sistema. O objetivo é propiciar educação profissional técnica de nível médio e cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional. Esse mesmo programa oferta, só em 2013, um total de 32 mil vagas nesses cursos, mas a meta é atingir 8 milhões de estudantes e trabalhadores em 2014.

Iniciativas como essas reforçam a ideia de que apenas está começando essa gigantesca revolução, que é a inclusão do maior número de pessoas no Ensino Superior. Isto justifica a recente votação no Congresso, na qual se destinou 75% dos royalties do Pré-Sal para a educação. Os outros 25% restantes serão destinados à saúde. Por essa divisão, no período de 2013 a 2022, os recursos das áreas contempladas saltarão dos atuais 25,8 bilhões de reais para 335,8 bilhões.

Temos, à nossa frente, um enorme desafio. O caminho é árduo, mas cheio de recompensas. Talvez por isso Aristóteles tenha dito: “A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces”. É um processo lento e demorado que requer pessoas comprometidas e apaixonadas pela causa. Mas, sem dúvida nenhuma, vale a pena. Como lembra o filósofo Immanuel Kant: “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele”.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 01/09/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento