Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

À espera de reforços

Estava com um texto pronto sobre o ProUni, que seguiria em sequência ao artigo anterior sobre a educação, publicado no último domingo, no qual o tema abordado foi o Enem. Entretanto, resolvi falar agora – para alegria de milhares de pessoas que aguardavam com ansiedade – sobre a publicação dos editais da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), que vai prover o quadro de pessoal do Complexo Hospital Universitário (Unidade Presidente Dutra e Unidade Materno-Infantil). A alegria não é apenas dessas pessoas: é minha também e de toda a equipe que faz a gestão do Hospital Universitário. Vejo o concurso como uma oportunidade de reforçar o quadro de profissionais do Complexo e oferecer à sociedade nossos serviços de forma mais ampliada.

Estão sendo ofertadas mais de 1.800 vagas do quadro permanente do hospital (podendo chegar a 2.500 em 2 anos), sem contar com a formação de um cadastro de reserva para atender as necessidades que ainda surgirão. A previsão é que os aprovados sejam chamados no primeiro trimestre de 2014. Há vagas para as mais diversas profissões da área médica, como também para profissionais da área do Direito, Comunicação, Engenharia, etc. Ademais, foram contempladas vagas para quem tem ainda apenas o Ensino Médio, como é o caso dos cargos de assistente administrativo e técnicos de diversas formações.

Posso afirmar com certeza que o concurso aberto esta semana supera em muito o número de vagas ofertado nos concursos já realizados pelos hospitais universitários do Piauí e de Brasília. O regime dos empregados será o da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a exemplo de outras empresas públicas, assegurados todos os pressupostos e garantias previstas nas leis trabalhistas do país. É o modelo ideal, pois é unânime a opinião, entre especialistas, que o Regime Jurídico Único não acompanha os salários do mercado, o que gera uma rotatividade muito alta de profissionais, e isso não é adequado para o tipo de serviço desenvolvido no âmbito das unidades hospitalares.

A boa notícia do concurso é consequência natural do contrato que a UFMA já havia assinado com a EBSERH, em 17 de janeiro deste ano, o qual formalizou a parceria na administração do Complexo Hospital Universitário. A adesão do HUUFMA à EBSERH, por sua vez, foi aprovada, em 23 de março de 2012, por unanimidade, pelo Conselho de Administração e Finanças do HUUFMA. 

E o que vem a ser a EBSERH? Nas diversas entrevistas que já concedi sobre esse assunto, faço questão de explicar que se trata de uma empresa pública unipessoal, 100% SUS, vinculada ao Ministério da Educação, e que foi criada, em 2011, com o propósito de modernizar a gestão dos hospitais universitários federais. A própria lei que a instituiu dispõe da participação da sociedade através do Conselho Consultivo, órgão permanente dessa empresa, que, além de prestar apoio à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração da EBSERH, tem como uma de suas finalidades o controle social.

A partir de sua criação, a EBSERH passou a coordenar o Programa de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF), criado em 2010.Os resultados não demoraram a aparecer: matéria publicada pelo Valor Econômico, na última quarta-feira, dia 21, informou que o novo modelo adotado pela empresa para a compra de remédios, equipamentos médicos e outros produtos trouxe uma economia de R$ 477 milhões aos cofres da União. A economia é fruto de diversos pregões eletrônicos efetuados em dois anos de forma centralizada e, em larga escala, reduziu em até 35% o valor do preço de mercado daqueles produtos. A EBSERH executa atualmente 147 obras e tem previsão de abertura de cinco novos hospitais até 2018.

Cabe ressaltar que o Complexo Hospital Universitário continua e continuará subordinado à UFMA, e a oferta de serviços de assistência à saúde permanece integralmente no âmbito do SUS. A EBSERH também tem como finalidade o apoio ao ensino, à pesquisa, à extensão e à formação de pessoas no campo da saúde pública, respeitada a autonomia universitária, prevista no artigo 207 da Constituição Federal.

A realização do concurso que ora está com as inscrições abertas veio atender uma das metas mais importantes da EBSERH, que é a reativação de leitos em hospitais universitários que atualmente se encontram desativados em decorrência da falta de pessoal. Entre outras razões, o Complexo Hospital Universitário aderiu a essa empresa porque está focado em ampliar a qualidade de seus serviços, adequar-se a um novo paradigma em saúde pública, que pede agilidade, presteza no serviço, humanização, técnicos capacitados, em quantidade suficiente, para atender a crescente demanda que os hospitais universitários vêm recebendo. Temos hoje um fluxo de 1,5 mil pacientes por mês num complexo que abriga 1,9 mil funcionários, o que representa uma média de 3,3 funcionários por leito, quando o Ministério da Saúde recomenda o mínimo de 5 a 7 profissionais por leito.

O Complexo Hospital Universitário, que se destaca como referência regional (Norte, Nordeste e Centro-Oeste), só tem a ganhar com essa adesão, a exemplo de 34 outros hospitais que também seguiram o mesmo caminho. Com a criação da EBSERH e a efetivação dos convênios, os hospitais universitários e federais iniciam uma nova era com a garantia de um programa permanente de aperfeiçoamento na gestão e financiamento. Isso incide no fortalecimento do SUS, no aumento da oferta de emprego para profissionais que suprirão a ampliação desses serviços.

Neste momento auspicioso para o HUUFMA, quero desejar aos profissionais que participarão do concurso – a forma mais democrática e justa de acesso ao serviço público – que se dediquem ao nobre propósito, e como resultado terão a oportunidade de trabalhar num dos melhores complexos hospitalares universitários do país, contribuindo ainda mais para sua excelência. Essa é uma nova história que está apenas começando.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 26/08/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento