Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A benção de ser pai

Se, no domingo passado, discorri sobre a metáfora da igreja como mãe, nada mais oportuno do que dissertar hoje sobre a figura do pai, dada a ocasião propícia.

Quanto àqueles que – como eu – alcançaram a graça de já ter atravessado uma boa parte da vida, uma constatação é certa: pai envelhece, mas nunca morre. Os pais são o nosso primeiro modelo. Anos depois, experientes, calejados, muitas voltas dadas pelo mundo, parece que voltamos no tempo entendendo, percebendo as porções que nosso pai deixou em nós. Pegamo-nos repetindo falas, movimentos, para rir de nós mesmos pela imitação involuntária. Pai tem um lugar em nossa construção pessoal que, se ausente, deixará um vazio que só a muito custo se preenche. O lugar é espiritual, mental, emocional, físico. Estamos matizados pela sua lembrança, sua voz e pela sensação de que ele sim sabia tudo e como era bom descansar nessa doce ilusão.

Gosto muito da figura que Mário Quintana lembra em seu poema “As mãos de meu pai”, no qual discorre sobre a imagem inteira do homem, cujas mãos envelhecidas são prova de sua dura jornada no mundo e da qual ele, o poeta, era fruto. Em certo momento, Quintana desenha com palavras a imagem daquele homem sentado na cadeira de balanço com as mãos apoiadas, das quais emanam luz. As mãos que lhe guiaram, vibraram, fremiram, ficaram encaliçadas, enrugadas e depois débeis. Uma cena que ficou na mente do poeta e emociona com certeza tantos quantos tiveram a benção de ver seus próprios pais velhinhos.

Tenho comigo ainda um trecho do poema de Ivone Boechat, que vejo como se eu mesmo tivesse escrito: “O pai não morre / ele corre na frente / pra levantar o segredo do véu / e guardar pra gente / o lugar mais estrelado do céu”. Se, já amadurecidos, tivermos a bendita sorte de tê-lo, não na saudade, mas fisicamente, certamente nosso olhar de meninos e meninas já não será mais o mesmo, e assim o veremos redimensionado: ele, nessa condição, se torna humano, mas tão parecido a nós, que nos irmanamos também, especialmente se nos tornamos pais. Lembro ainda de outra bonita metáfora que foi produzida pelo padre Fábio de Melo, que, em sua famosa canção “Deus é pai”, chega a confundir seu próprio pai com Deus ao confirmar: “... Mas aquele homem não era Deus. Aquele homem era o meu pai. E foi assim que descobri que o meu pai, com seu jeito finito de ser deus, revelava-me Deus com seu jeito infinito de ser homem”.

A despeito das poesias que já comentei, evoco também uma das passagens bíblicas mais comentadas de todos os tempos, em que o amor de um pai pelo seu filho subverte qualquer lógica. Trata-se da conhecida parábola do filho pródigo, narrada no Evangelho de São Lucas (cap.15). É uma das histórias universais que contam o drama e a beleza dessa relação tão singular. Ao pedir a herança, é como se o filho mais jovem dissesse ao pai, face a face, que ele estava morto. Não há herança de pai vivo, ela é inegociável nesse sentido. Os estudiosos do Direito a isso chamam de pacta corvina. Contudo, de forma inacreditável, o pai cede ao desejo do filho. Este vai pelo mundo e gasta com todos os prazeres que seus olhos e corpo cobiçaram. Ao final de um tempo, estava pobre, mendigando a própria comida. Os amigos desapareceram. Estava só e maltrapilho num país estrangeiro. Foi humilhado num serviço que feria sua dignidade, história, cultura e religião. Desejava a comida que era dada aos porcos que vigiava. Ali, ele cai em si. Arrepende-se. Diz para si mesmo: “Voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti, não sou mais digno de ser chamado teu filho. Trate-me como um dos teus empregados”. De onde aquele jovem retirou a confiança de obter perdão, mesmo na condição em que se inferiorizava?

O retorno é dramático. Um dia o filho pródigo, com roupas aos frangalhos, dentro da propriedade da família, aparece a uma certa distância. O pai, em algum posto de vigia, como se velasse pela vida do filho considerado perdido para sempre, mas que, ao mesmo tempo, teimava em crer que um dia o veria outra vez, avista aquele homem trôpego. Sem um segundo de dúvida, ele disse: “É meu filho!”. Arrebatado pela alegria, ele corre em direção ao filho e o alcança no caminho. Abraça e beija-o. O filho diz então as palavras que ao longo do caminho repetiu incontáveis vezes, antecipando as reações, preparado para o rechaço, para a recriminação e até, quem sabe, para o desprezo. Todavia o pai chama os empregados e pede que o ajudem. Manda lhe trazer roupas, ordena uma grande festa. Põe o anel de autoridade como o símbolo de sua restauração à posição de filho. É para o filho mais velho que este pai diz: como não haveríamos de nos alegrar? Este meu filho, teu irmão, estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. A história termina com essas palavras do pai. Elas ecoam e reverberam em cada pai até hoje, mesmo naqueles que a desconhecem. O próprio Deus se identifica com ela.

Mais que uma história de cunho religioso ou de ordem moral, descreve um tipo de amor que não pode ser medido por qualquer métrica. Relata a rebeldia que tantas vezes nos acomete na condição de filhos, revela o encontro que sempre começa quando uma das partes percebe que cometeu um grave erro. Segue-se a decisão de voltar no caminho percorrido, reconstruir-se em humildade, fazer o certo porque é bom e produz alegria.

A história fala de perdão, mas sobretudo de um amor sem limites, desses que um verdadeiro pai está sempre disposto a dar aos seus filhos. O próprio Deus encarna esse amor no dizer de São João, quando afirma que Aquele amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito para que todo aquele que Nele crê não morra, mas tenha a vida eterna.

A todos os pais, em especial ao meu – exemplo de dedicação, amor e cuidado –, eu desejo um dia dos pais abençoado e que recebam de Deus a graça de formar filhos felizes e realizados.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

 Publicado em O Estado do Maranhão em 11/08/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento