Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Sinal de alerta

Esta semana, as notícias sobre o Brasil nos jornais internacionais impressionaram aqueles acostumados a ler histórias pitorescas e exóticas, que é como normalmente o país é retratado lá fora. De uma hora para outra, cenas de confronto com a polícia e uma multidão de pessoas segurando cartazes e gritando palavras de ordem invadiram o noticiário. Afinal de contas, qual o porquê de todos esses eventos que irmanaram a nação num uníssono grito de basta?

Antes de tentar encontrar algumas respostas, uma digressão se faz necessária: já se distancia o tempo no Brasil em que futebol, carnaval e outras coisas - ingredientes atualizados do velho panis et circenses dos políticos romanos que numa genialidade maquiavélica o inventaram - serviam para anestesiar a população, fazê-la mergulhar numa fantasia de grandeza ou de um tipo de satisfação megalomaníaca que a impede de ver a realidade. O que se viu nestes últimos dias é que, mesmo em plena Copa das Confederações, as manifestações populares cresceram exponencialmente. Homens, mulheres, jovens, idosos de diferentes raças e credos, não só se vestiram de verde e amarelo nos estádios para gritar seu orgulho pela seleção, mas também invadiram as ruas clamando por mudanças.

Embora pareça cedo para definições categóricas, uma alternativa para responder a origem de tamanha indignação popular pode vir do próprio cotidiano do brasileiro. O enorme descontentamento é generalizado, de norte ao sul do país. Não há estado brasileiro que não se ressinta com o descaso e a má gestão. Nesse sentido, as passeatas reivindicatórias demonstram, em atos e palavras, a exaustão do cidadão, humilhado e cansado de promessas vazias. É a explosão da energia reprimida diante do massacre diário que eclode dos escândalos sem conta.

A multiplicidade de reclamos que começou com o aumento das passagens do transporte urbano em São Paulo – um estopim causado pelo acréscimo de vinte centavos - catalisou a insatisfação latente de uma multidão. É o descortinar de um cenário onde protagonizam antigas questões (ou velhos problemas) da educação, saúde, moradia, corrupção política...

A educação brasileira, por exemplo, já galgou diversas conquistas. Mas todos aqueles que nela militam sabem que ainda há um longo caminho a ser percorrido para que ela possa, de fato, atender a padrões de qualidade capazes de retirar nosso país da indigência acadêmica, do analfabetismo funcional e da baixa formação de um corpo técnico indispensável ao crescimento econômico e social. Recentemente, o Senado aprovou o Plano Nacional de Educação (PNE), que contém entre os seus objetivos, o de investir cerca de 10% do PIB brasileiro em educação. Também foi acrescido ao PNE parte do projeto que destina 100% dos royalties do petróleo e mais 50% do Fundo Social extraído da camada do pré-sal para a educação. É uma notícia alvíssara e caso  torne-se realidade, terá o mérito de dotar o Brasil de nova feição, para o bem desta e das futuras gerações.

A saúde brasileira também sofre da doença crônica da escassez de recursos para fazer frente a tantas demandas, e por isso mesmo ostenta uma situação alarmante em infraestrutura, corpo técnico e equipamentos. As pessoas entendem que não basta ter a disponibilidade do serviço, se este continua precário e de baixíssima resolutividade. O SUS, que possui mais de 20 anos, ainda não consegue atender ao que está proposto na legislação. É outro problema que necessita de urgenteintervenção.

Outras situações que demandam a adoção de soluções dizem respeito à infraestrutura de comunicação, o transporte em todos os modais, a mobilidade urbana, a segurança. A lista é extensa. Sofremos com a falta da expansão de ferrovias, estradas, portos; doenças de terceiro mundo (muitas delas há muito exterminadas em países não tão distantes); sem contar que o consumo de drogas é alarmante, o efetivo policial que precisa urgentemente de reforços e a não efetivação de uma política de gestão de resíduos sólidos que traga ao mesmo tempo respeito maior ao nosso meio ambiente e oportunize geração de emprego e renda. Falta espaço para falar da modernização da justiça (para que cumpra a celeridade prevista na Constituição, esta mesma cheia de normas ainda não regulamentadas por leis ordinárias e complementares), do planejamento urbano, da moradia...

O que querem os cidadãos que saem de suas casas a empunham bandeiras e cartazes? Desejam, além de todas as questões suscitadas, qualidade nos serviços públicos pelos quais pagam caro. O país bate recordes anuais seguidos em arrecadação de impostos e em 2013, diz o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), o brasileiro trabalhará 150 dias para pagar os impostos devidos aos governos nos três níveis: municipal, estadual e federal. Cerca de 42% da renda bruta do trabalhador estará comprometida com os impostos.

O movimento é legítimo e, percebe-se, cada vez mais tem o cidadão comum, cumpridor de suas obrigações, que sonha com uma nação mais justa, equânime, democrática na prática, nas fileiras das passeatas. É compreensívelque o movimento rejeite de forma agressiva os partidos que, no limite, representam um estado de coisas que precisa mudar.

Vivemos uma nova era. As novas formas de comunicação reproduzem à velocidade da luz as reivindicações de cada um. Que cada passo dado nestes últimos dias sirva para moldar o país com o qual  todos sonhamos,  ético, justo e democrático.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 16/06/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento