Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Discurso em Pinheiro: Título de Cidadão Pinheirense
Em 24/05/2013
Senhoras e senhores, 

Bom dia!
 
Aprouve a Deus reservar tão feliz momento a esta altura de minha vida em que, na condição de reitor da Universidade Federal do Maranhão, chego à Casa do Povo de Pinheiro, reverente e agradecido, para aqui me irmanar aos filhos desta terra.

Não chego sozinho. Venho acompanhado de uma trajetória de dedicação ao ensino, à pesquisa, à extensão, iniciada desde os meus tenros anos quando sequer imaginava um dia galgar o mais alto degrau da maior e melhor universidade pública de nosso Estado. Assim como o autor do livro bíblico de Provérbios, chamei de minha irmã a sabedoria e me faço diariamente discípulo do conhecimento. Quando recebo uma dessas distinções (como título de cidadão, por exemplo) com a qual hoje sou agraciado, sinto-me profundamente recompensado pela devoção que dedico à causa que abracei, pois, como disse Fernando Pessoa, “tudo vale a pena se alma não é pequena”.

Admirável mundo é este o do saber. Desde a primeira Academia de Platão, por volta de 387 a.C., onde o ensino se dava em aprazíveis caminhadas e as palestras eram provocadas pela natureza ao redor, o mundo do ensino experimentou revoluções. Naquele tempo, assim se estabelecia o vínculo entre um mestre e seus discípulos. 

A escola formal tem sido a principal referência de desenvolvimento, liberdade, civilização e cultura dos povos. Na época do autor de “O Banquete” e de “ A República”, o ensino era uma relação viva e íntima entre um mestre e seus discípulos. O conhecimento aprendido implicava o aluno num comprometimento pessoal, pois era mais que acúmulo de conhecimento que era apreendido. É curioso que, passados milênios, ainda busquemos este mesmo espírito na relação de ensino. 

A academia consistia em uma biblioteca, uma casa e um jardim que pertenceu a Academus, herói ateniense da batalha de Tróia. Essa é a explicação etimológica da palavra Academia. Hoje, nesta cidade, a Universidade Federal do Maranhão é, sem dúvida, parte de sua história, pois já se encontra bem alinhavada com a existência do campus V da UFMA e agora dá um salto quantitativo e qualitativo, cujos resultados futuros podemos tatear não somente para Pinheiro, mas para toda a baixada maranhense. Nesta região, existem dezenas de cidades, com as quais a Princesa da Baixada mantém laços, não de vassalagem, mas de profícua troca econômica, social e de identidade cultural. Este mesmo campus universitário, que por décadas sofreu com o abandono e esquecimento, agora renasce para sua vocação de ser grande: recentemente chegou a abrigar uma reunião da Controladoria - Geral da União e um encontro do Ministério do Turismo. 

Tenho tido muitas alegrias como Reitor, quando testemunho o avanço de nossa universidade, mas confesso: esta é particularmente feliz por estar entre os protagonistas desse momento histórico de oficializar a instalação do curso de Medicina em Pinheiro, também implantado na cidade de Imperatriz, bem como outros cursos nas áreas de ciências humanas e naturais.

A partir de 2014, quarenta estudantes iniciarão uma longa jornada de conhecimento de um dos mais fascinantes ramos do saber humano e males do corpo. Trata-se do sagrado sacerdócio do qual eu, modestamente, faço parte. E aqui já anuncio que estamos trabalhando arduamente para que esse número de vagas venha dobrar em breve.

Com a instalação do curso de Medicina, a interiorização da UFMA alcança outro patamar de intervenção positiva na realidade do Estado do Maranhão. Como grande fábrica que demanda outras em seu suporte, precisaremos de enfermeiros, farmacêuticos e outras formações afins do campo da saúde, todos aqui preparados. Mais adiante, também instalaremos o curso de Engenharia de Pesca na cidade de Cururupu e assim atenderemos à rica vocação desta região, tão abençoada por Deus com bela geografia e seu povo agradável e acolhedor. 

Acreditem, senhoras e senhores: a Universidade Federal do Maranhão tem um firme propósito de ser uma mola propulsora do desenvolvimento de nosso Estado. Chegamos ao patamar de 14 mil alunos, além de dezenas de novos cursos que foram incluídos na grade de ensino, bem como ampliação dos cursos de pós-graduação e abertura de novos mestrados e doutorados. Este é um legado para esta geração e para as que hão de vir. Um marco inamovível foi instalado: crescimento com inclusão social. Não há meio mais eficaz e poderoso de promovê-lo do que o ensino. 

Costumo dizer que uma obra de tal envergadura não pode ser fruto de um solitário laborador e é, com justiça, o fruto de inúmeras pessoas. Algumas delas, com seu exemplo pioneiro, seu amor pelo conhecimento, e outras quase anônimas em seu mister de trabalhar com dedicação e alegria. Destaco o doutor Aymoré de Castro Alvim, filho desta terra, médico, pesquisador, escritor e professor aposentado da UFMA, meu confrade no Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM); o meu colega, professor doutor José Márcio Soares Leite, também confrade do IHGM e da Academia Maranhense de Medicina; e ainda o doutor César Augusto Castro, membro da Academia Pinheirense de Letras, atual diretor do Centro de Ciências Sociais da UFMA.
 
Faço especial menção à bancada maranhense na Câmara e no Senado Federal, cujos esforços e solícita atenção à causa da UFMA têm favorecido inúmeros pleitos junto aos órgãos federais. Ao prefeito de Pinheiro, Filuca Mendes, que, de pronto, abraçou esta causa e assinará convênio entre a UFMA e os serviços públicos de saúde do município que servirão, inicialmente, para a prática dos acadêmicos de Medicina.
 
Olho para as imensas planícies que arrodeiam a cidade de Pinheiro, chamada pantanal maranhense, inundado de esperança. O curso vem ao encontro de uma região com grande potencial humano e econômico, sendo esta mesma instalação catalizadora de um impulso a um futuro promissor e desafiador.
 
Como numa canoa que navega na mansa correnteza do Pericumã em busca do pescado, do sustento e da vida, deixo-me embevecer pela beleza dos lagos formados e pela flora aquática. Um rio que desce em sua incoercível marcha à baía de Cumã para seu grande encontro com o mar. Atrás de si, deixou um rastro fértil e útil à vida dos ribeirinhos e desta cidade, que se amolda às suas cheias e vazantes. Espero assim mesmo que o curso de Medicina deixe marcas indeléveis de uma história que começa agora, da qual nós somos apenas seu prefácio.
 
E como dizem os versos do hino desta cidade: "Vive Pinheiro, ainda\ Nos séculos, Rainha, Rica, gloriosa e linda\ Em teu verde esplendor\Triunfa sempre altiva\ No pelejar da vida\E na tua gente viva\Nobre e fecundado amor!
 
Que Deus abençoe o povo de Pinheiro. Que Deus abençoe esta casa. Que Deus abençoe a Universidade Federal do Maranhão nesta terra onde milhares poderão realizar seus sonhos. Muito obrigado!
Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento