Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Mais que um homem: uma lenda

Cururupu, terra de belas paisagens e cenário de tantas histórias, também testemunhou o nascimento de um homem que inscreveu seu nome na história e que motiva todos que dele ouvem falar (bem como aqueles que com ele conviveram): Antonio Jorge Dino, um médico cuja vida inteira representou o compromisso com o próximo. Parafraseando Carlos Drummond de Andrade, “... um anjo torto, desses que vivem na sombra...” deve ter dito: Vai, Antonio, vai ser GRANDE na vida!

Tive oportunidade de conhecê-lo por breve período – em companhia do seu amigo, meu pai – e sobre ele asseguro: era um desses homens que superaram enormes dificuldades e delas fizeram o barro que modelaram com denodo e extrema determinação uma herança que, por sorte de nossa e das futuras gerações, ainda está viva e útil à sociedade. Trata-se do Hospital Aldenora Bello, referência no Maranhão para o tratamento do câncer. Outro Antonio – o padre Vieira – já vaticinara: “Nem todos os anos que passam se vivem: uma coisa é contar os anos, outra é vivê-los...”. Antonio Jorge Dino sabia disso e imprimiu à sua existência o desprezo ao desperdício de tempo e a valorização de cada momento, de cada pessoa, de cada aprendizado.

Imaginem o longínquo ano de 1934. Antonio tinha 21 anos. Depois de cursar o primário, formou-se professor ainda em sua cidade natal, Cururupu. Contam-nos relatos familiares que houve oposição familiar ao seu desejo de estudar medicina no Rio de Janeiro. Seu pai, um imigrante libanês, temia perder o único filho. Naquela época, nada se parecia com esta de agora, em que simples comandos no computador nos permitem interagir até com quem está do outro lado do planeta. Mas, como lembra mais um Antonio (Antoine de Saint-Exupéry): “O verdadeiro homem mede a sua força quando se defronta com o obstáculo”.

O sonho do jovem cururupuense de estudar medicina na capital do país – o qual à época era uma nação extremamente precária, recém-saída de duas revoluções fratricidas e também com escassos recursos financeiros – denotava que, de fato, havia algo de muito especial em sua atitude.  À maneira do herói grego Ulisses, que enfrentou e venceu Cila e Caríbde, Antonio também desafiou os monstros do atraso, da impotência; corajoso, singrou o mar, deixando para trás uma vida “normal”, previsível e segura, aventurando-se no incerto e distante Rio de Janeiro, tão longe do Maranhão. Havia que atender ao chamado de Hipócrates. Lembro a música “Como nossos pais”, de Belchior, imortalizada na voz de Elis Regina, que a certa altura diz: “Quero lhe contar como eu vivi e tudo que aconteceu comigo. Viver é melhor que sonhar...”. Quantos são chamados ao desafio de viver a vida plena com todos os sins e nãos que ela contém?

Toda a travessia (a chegada ao cais do porto do Rio, o sonho de entrar na faculdade até o exercício profissional reconhecido, engajado) consumiu-lhe cerca de trinta anos. Lá, deixou saudades, amigos queridos e um exemplo de perseverança e obstinação em conquistar o tão sonhado diploma de medicina. Mas, da mesma forma que o filho pródigo descrito nos evangelhos, havia que voltar ao Maranhão. Ao contrário do personagem bíblico que vivera experiências funestas, o cururupuense retorna com a sensação de gratidão à terra que o viu nascer. Um homem formado, um coração disposto a servir.

Aqui, desenvolveu uma bem-sucedida vida política – foi deputado federal por dois mandatos (1954 e 1958) – e, como membro da Comissão de Educação e Cultura e de Orçamento, por muito pouco não escreveu seu nome como fundador da Universidade Federal do Maranhão. Por uma dessas ironias da vida, mesmo tendo acalentado com outros companheiros a fundação de uma Universidade no Maranhão, sua proposta, ao chegar à comissão responsável do Ministério de Educação, deparou-se com outra proposta semelhante. Era um político que valorizava o ensino na mais exata lição de Antonio Guijarro: “A educação é um seguro para a vida e um passaporte para a eternidade”.

Havia mais: em 1965, integrou-se como candidato a vice-governador à chapa do então candidato ao governo do Maranhão, José Sarney. Depois da vitória nas eleições daquele ano, assumiu definitivamente o comando do Estado em 1970. Sua mãe, uma cearense, e seu pai, um libanês, pais honrados e bons, talvez nunca tivessem sonhado que o filho chegaria tão longe. Cururupu disto se orgulha até hoje.

Antonio Jorge Dino também foi inovador e pioneiro em sua determinação de construir no Maranhão um hospital voltado para os cuidados das pessoas com câncer. Os relatos que se colhem, associados a uma dedicação sacerdotal da medicina, configuram um êxito digno de nota, considerando a época o débil apoio de que dispôs. É certo que, em momentos de grave crise durante a existência do hospital, pessoas comuns fizeram a diferença e, entre essas, algumas que, naquele momento, ocupavam cargos públicos administrativos. Uma saga, por bem dizer, descreve melhor o contingente caminho do hospital, hoje sob a administração da Fundação que leva seu nome.

Em 1976, aos 63 anos, com uma vida ativa e rica, encontrou-se com sua fronteira última. O coração que viveu mais que sua idade cronológica parou de bater. Mas sua partida não foi o fim: apenas a passagem para o começo de uma nova história, escrita com paixão por D. Enide Dino e seus filhos.

Em memória ao centenário desse grande homem, tomo emprestado o título do livro do famoso escritor americano Ernest Hemingway “Por quem os sinos dobram”, a fim de dizer que, para mim, os sinos dobram por Antonio Jorge Dino.

 Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 12/05/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento