Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Uma reivindicação justa e necessária

Uma luta encampada por pessoas que trabalham diuturnamente e que são essenciais para os serviços da saúde em todas as esferas. Esse é o cenário atual da batalha que vem sendo travada há mais de uma década pelos Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem pela aprovação do Projeto de Lei do Senado 2.295/2000, mais conhecido como PL 30 Horas, que estabelece a jornada máxima, como o próprio nome sugere, de 30 horas semanais para os profissionais da área.

Apesar da tenacidade – inspiração do modelo maior da categoria: Florence Nightingale, enfermeira britânica que enfrentou adversidades de toda a sorte para realizar seu ideal de servir ao próximo –, a mobilização dos profissionais, que conta com o apoio de alguns poucos parlamentares, até agora infelizmente não surtiu o efeito esperado.

A reivindicação dos profissionais da Enfermagem vai ao encontro das diretrizes apontadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e também é ratificada por uma Nota Técnica da Secretaria das Relações de Trabalho, órgão do Ministério do Trabalho. Diversas manifestações, inclusive do último relator do projeto de lei, são favoráveis à sua aprovação. Entretanto, o projeto segue em tramitação pelos escaninhos do Congresso Nacional, ainda que – mais recentemente, como resultado das manifestações dos movimentos representativos da categoria – exista a promessa do presidente da Câmara Federal de que colocará em votação tão logo haja consenso entre os líderes partidários.

Argumentos econômicos têm sido apresentados por parte daqueles que se posicionam contra o projeto de lei e, sem dúvida, são importantes, pois levam em consideração o impacto financeiro que ocasionará aos sistemas de saúde público e privado a contratação de mais profissionais. Outro ponto de vista nesse mesmo diapasão sustenta que a adoção das trinta horas não melhora a saúde pública, considerando que os recursos são limitados e que a aprovação do projeto de lei não afetará para melhor a infraestrutura da rede hospitalar e de serviços ambulatoriais.

O debate está posto e os argumentos, aparentemente, têm negligenciado algumas questões importantes. Talvez o momento seja não de invalidar as proposições favoráveis ou contra a lei, visto que cada lado apresenta razões fundamentadas. Mas a questão paira acima de validar as propostas pelo peso da estrutura da saúde ou de seus custos: trata-se da saúde e qualidade de vida dos principais interessados, que são os trabalhadores da Enfermagem.

Segundo o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), há hoje cerca de um milhão e oitocentos mil profissionais dessa área atuando no Brasil. Destes, 95% são mulheres que, paralelamente ao desempenho laboral, acumulam a jornada dos cuidados com a família. Sem dúvida, outras categorias com profissionais femininas também vivenciam situação semelhante. Contudo, a característica dos cuidados de saúde realizados em turnos exaustivos pelo enfermeiro, aliada à intensa carga emocional que essa atividade acarreta, exige que se analise a questão num plano mais amplo.

Diversas pesquisas no Brasil têm mostrado que o profissional de enfermagem está entre os grupos que mais sofrem com transtornos característicos do excesso de demanda de atividade. Destaca-se como a principal manifestação a síndrome de burnout. Esta síndrome se apresenta por meio de sintomas tais como a exaustão emocional e a insatisfação profissional. Isto se deve porque os enfermeiros lidam com mais intensidade e mantêm proximidade maior com os pacientes e familiares, muitas vezes em situações cambiantes, nas quais a exigência de lidar com a frustração de quadros mais difíceis requer demasiado esforço tanto físico quanto psíquico do profissional.

Outros profissionais também estão sujeitos ao burnout, mas a quantidade de estudos realizados com a classe de enfermagem revela um quadro preocupante com consequências reais danosas não somente para o profissional da área, mas também para as instituições de saúde públicas e privadas, para o próprio usuário e, por fim, para a sociedade como todo.

A redução da jornada laboral não será uma solução mágica para as questões apresentadas, mas certamente contribuirá com a qualidade de vida da classe dos enfermeiros, inclusive possibilitará que estes disponham de melhores condições à sua formação científica.

Como médico, tenho o prazer de conviver com diversos profissionais dessa área, responsáveis e comprometidos com o bem-estar do ser humano. Na condição de atual reitor da Universidade Federal do Maranhão, partilho da alegria de centenas de estudantes e professores do curso de Enfermagem que têm em comum a paixão pelas novas descobertas da área.

E, mais uma vez, lembro Florence Nightingale, que afirmou ser a Enfermagem a mais bela das artes: oxalá nossos nobres representantes saibam apreciá-la e valorizar esses verdadeiros artesãos da saúde.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 21/04/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento