Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

9º Congresso Internacional de Nefrologia

Em 23/11/2011

A Universidade Federal do Maranhão se sente honrada com a realização da 9ª Conferência sobre a Prevenção da Doença Renal em Populações Desfavorecidas na América do Sul e Caribe e o 7º Encontro Brasileiro de Prevenção da Doença Renal Crônica. Desde 2006, quando aconteceu o I Encontro Nacional de Prevenção de Doença Renal Crônica, este evento faz parte do calendário oficial da Sociedade Brasileira de Nefrologia. 

É comum ouvir dos especialistas que a doença renal crônica é uma das epidemias do século XXI ao lado do diabetes, obesidade entre outras morbidades. Estima-se que apenas no Brasil há atualmente dez milhões de portadores de doença renal, considerando todos os estágios da doença. No mundo, dados aproximados indicam que há mais de um milhão de pessoas em tratamento renal substitutivo por falta de uma política pública de prevenção que minimizasse esse quadro. 

O último censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia, relativo ao ano base de 2009, registra 90 mil pessoas em diálise. Números de tal dimensão parecem assustadores e, no entanto, mal conseguem revelar o crescimento exponencial da doença, pois se considera que é expressiva a quantidade de pessoas que ou não sabem que tem a doença e ainda se trabalha com subregistros. 

No Brasil, a prevalência da doença renal crônica no último estágio, é de 41 casos por cada cem mil habitantes. Como se este dado não fosse suficientemente grave, associam-se a ele em equivalente nível de registros alarmantes, o Diabetes Mellitus com 8 milhões de portadores, 33 milhões de portadores de hipertensão arterial, 17 milhões de idosos e 16 milhões de pessoas obesas, todos eles fatores condicionantes e mesmo fundamentais no desenvolvimento da doença renal. 

Considerando este quadro, há urgente necessidade de se estabelecer parâmetros epidemiológicos mais confiáveis no Brasil ou pelo menos mais aproximados da realidade para cujo desafio nossa estrutura de saúde, neste particular, não consegue atender pelo menos para minorar o problema. 

Todos os envolvidos com este tema concordam que as causas são multifacetadas e com forte componente sócio-econômico, daí a oportuna temática a ser desenvolvida pela 9ª Conferência, que tanto a doença renal como as comorbidades associadas enquadram-se, não como doenças da pobreza, mas que atingem de maneira especialmente relevante às classes menos favorecidas, em virtude de terem menos acesso ao sistema de saúde, alimentação adequada, educação de alta qualidade, fator que é um aliado poderoso nas políticas de prevenção. Vários estudos têm mostrado a forte relação de fatores econômicos, incidência de DRCT, quantidade e qualidade dos serviços ofertados para tratamento como forma de controle de contenção da doença. 

Somos a sétima economia do mundo e acostumamo-nos a ouvir que o Brasil é um país rico, o que é verdade, mas, ainda que se considere a recente ascensão social de milhões de brasileiros, mal nos deslocamos da indigência. Ainda estamos na 84ª posição no índice de desenvolvimento humano entre os 178 países que participam deste ranking. O Maranhão, figura na penúltima colocação entre os estados brasileiros no quesito desenvolvimento humano. Estamos, desta forma, irmanados duplamente àqueles que são o alvo dos debates deste evento. Nosso desafio é duplo, pedirá mais criatividade, dedicação e gestão administrativa e econômica regida pela ética e, por que não dizer, amor ao serviço público. 

O Brasil tem hoje, o maior serviço público de saúde do mundo. E tem conseguido, a despeito dos grandes desafios que incluem suas dimensões continentais e a frágil distribuição e renda interregional, melhorar muitos dos índices de qualidade de vida. A Política Brasileira de Atenção ao Portador de Doença Renal, estabelecida a partir de junho de 2004, organizada de forma articulada entre o Ministério da Saúde, as Secretarias de Estado e Município da Saúde, é um exemplo de grande avanço, contudo, ainda há muito trabalho a ser feito. 

Para os países em desenvolvimento, o fator econômico tem especial relevância na implantação de serviços suficientes e com qualidade. As estimativas sugerem que os custos com terapia renal substitutiva, entre os anos de 1991 e 2000, foram de US$ 470 bilhões, em todo o mundo, enquanto as projeções de gastos para a primeira década do novo século, chegaram a US$ 1,08 trilhão. Os custos com as diferentes modalidades de tratamento, também se apresentam como um fator impactante na economia dos países, comprometendo a disponibilidade da TRS para todos os pacientes. 

Em muitos casos, a solução parece ser reduzir custos para poder ofertar mais procedimentos, o que na maioria das vezes compromete a qualidade do tratamento. Estudos brasileiros mostram que um paciente em hemodiálise custa R$ 54 mil reais, enquanto a diálise peritoneal não passa de R$ 51 mil reais. Esta economia depende da melhoria da gestão, esclarecimentos e política pública específica. Os gastos com tratamento da DRC no Brasil superaram R$ 1 bilhão no ano de 2004; esse valor representou quase o dobro do que foi gasto em 1999 (aproximadamente R$ 574 milhões). Por ano, o Ministério da Saúde gasta cerca de R$ 2 bilhões de reais apenas com o tratamento renal substitutivo e 89,4% dos recursos para tratamento dialítico são provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Estamos diante de um enorme desafio. Medidas urgentes para o controle do avanço das Doenças Renais precisam ser tomadas. A formação de profissionais de saúde, capazes de responder às demandas da coletividade, jamais deve ser esquecida em debates tais como os que serão realizados neste Encontro, e nada melhor do que fazê-lo dentro de uma Instituição Universitária, local onde este processo de formação se inicia. 

Assim, medidas de prevenção devem sempre ser norteadas na qualificação da assistência e educação permanente dos profissionais da saúde envolvidos com o atendimento dos portadores de doenças renais ou populações de risco, em acordo com os princípios da integralidade e humanização. De tal forma que não poderíamos deixar de mencionar a importância da abordagem multidisciplinar em saúde, junto à população de risco, por meio de medidas que possam retardar a progressão da doença e, mesmo depois da evolução para estágios avançados da disfunção renal, ajudar o paciente a desenvolver uma auto-imagem positiva, a descobrir maneiras novas de viver dentro de seus limites e a desenvolver um estilo de vida que lhe permita assumir a responsabilidade por seu tratamento e auto-cuidado, enfim, ser um indivíduo ativo na sociedade em que vive.

Desejo pleno sucesso aos trabalhos que hoje se iniciam e espero que dos debates que serão desenvolvidos nasçam propostas para a solução dos problemas aqui trazidos. Um excelente encontro para todos!

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento