Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A ordem natural das coisas

Todos nós assistimos, na semana que passou, incrédulos, a um tétrico sepultamento de corpos jovens na pacata cidade gaúcha de Santa Maria. Foi um abafar de sorrisos seguido de um rio de lágrimas derramadas por parentes, amigos e por pessoas que, mesmo distantes, se emocionaram com a dor daqueles que foram surpreendidos por um destino tão cruel.

Entre as centenas de moças e rapazes agora enterrados, havia um sonho em comum: o de concluírem a graduação universitária que levaria cada um a exercer as profissões que abraçaram. A festa realizada tinha justamente como objetivo a arrecadação de recursos que proporcionariam a tão desejada formatura em grande estilo. E, diferentemente do poema de Drummond, no meio do caminho não havia uma pedra, mas o desespero, o horror, a morte.

Penso sobre quais são as palavras adequadas para expressar a dor que todos sentimos por esse desastre. Como Milton Nascimento diz em “Coração de Estudante”, também “quero falar de uma coisa”, mas tateio o sentido e a razão, procurando ajuda. Busco respostas na experiência de vida, na paternidade e, também, no fato de estar Reitor de uma universidade para que minha fala signifique e traduza meu próprio sentimento e o sentimento alheio, com o qual me solidarizo de todo o coração.

É na condição de Reitor que tenho a alegria de conviver todos os dias com milhares de jovens que, como aqueles de Santa Maria, também percorrem uma longa jornada em busca da conquista do diploma universitário que lhes determinará não apenas o sucesso profissional como também a realização pessoal e a de suas famílias.

Redescubro-me nesses estudantes e em suas “folhas de juventude”, e revejo a mim mesmo em meu período de estudante universitário, época em que somos feitos de sonhos e esperança. Olhamos para o futuro com certa sensação de onipotência, estamos certos de que tudo é possível, nada pode nos deter. Traçamos vários destinos porque somos flexíveis, plásticos, porque há riso e força, alegria e destemor.

“Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade”, assim diz o autor do livro bíblico de Eclesiastes, pois é nessa fase que a vida corre ao lado e, com ela, conversamos como se fosse companheira de viagem e não senhora de nossos destinos, que resulta, afinal, de inimaginável quantidade de escolhas que nós mesmos fazemos ou não.

Emparedados na impotência diante do fato consumado, perguntamo-nos o que poderia ter evitado a catástrofe. E se a boate não estivesse superlotada? E se tivesse havido fiscalização? E se não tivessem usado fogo pirotécnico? E se existissem portas de emergência? Consumimo-nos com versões de fatos que nunca aconteceram, daí o resultado nefasto.

De repente, como se nunca houvesse acontecido algo parecido no mundo, com casos aterradores similares nos Estados Unidos e na Argentina, veem-se autoridades serem arrancadas de seu torpor determinando fiscalizações que deveriam ser rotina. Talvez esta mesma, a rotina, tenha o dom de cegar, acostumar ao perigo e proporcionar a negligência, o que nos desafia a todos os dias renovar o compromisso com nossas obrigações. Renovar nossa disposição de fazer o que esperam de nós, pois cada ato nosso, por mais banal, afeta o outro. Nem sempre percebemos isso. Mas estamos todos tecidos na mesma trama de vida.

No holocausto santamariense, imperou a negligência e a desídia.  Quanta justiça será necessária para amenizar o irreparável? Talvez Cecília Meireles nos guie no que nos falta de respostas: “Já não se morre de velhice/ nem de acidente nem de doença,/ mas, Senhor, só de indiferença”.

Outros clamores ecoarão, além daqueles que são a exata expressão do desamparo e angústia dos que tiveram suas perdas, tudo isso em nós refletido. Pedir-se-ão regras duras para a liberação de funcionamento destas casas. Gritos reverberarão por justiça, indenizações, prisões. Será a catarse de todos nós. Aos poucos os choros diminuirão, a vida invadirá novamente a Universidade de Santa Maria, as casas, a cidade, o país, e retomaremos nossas urgências e pequenos dramas cotidianos. Esquecidos pela demora da execução da lei, restará apenas o sofrimento infinito enquanto durar.

Calamidades nem sempre são inesperadas. Fatalidades – palavra que se usou muito neste episódio, mas que pode soar como atenuadora de culpas – muitas vezes estão diante de nós e avisam quando chegarão. Mas não se viu que os momentos daqueles jovens seriam podados. Desviaram seu destino e seus sorrisos de meninos e meninas que se esconderam em meio à fuligem e à escuridão.

A Igreja Católica escolheu, para Campanha da Fraternidade, que será aberta na próxima Quaresma, o tema “Juventude e Fraternidade”. Um momento mais do que propício para que reflitamos sobre a necessidade de proteger nossos jovens dos males conhecidos e dos descasos perigosos, que os cercam todos os dias, às vezes, disfarçados de inocente alegria, esta também merecedora de cuidados para que possa ser desfrutada sem maiores consequências.

Que Deus nos proteja de assistir novamente a uma violência tão brutal como essa que inverte até a própria natureza. É atribuída a Heródoto, um grande historiador e geógrafo grego, a frase: em tempos de paz os filhos sepultam seus pais e em tempos de guerra os pais têm que enterrar os seus filhos. Que Deus nos conceda sempre tempos de paz, pois essa é a ordem natural das coisas, a de que são os filhos que devam enterrar seus pais.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 03/02/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento