Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

No famoso romance O Leitor, do escritor alemão Bernhard Schlink – que foi adaptado às telas com a atriz Kate Winslet, ganhadora do Oscar em 2009 por esse trabalho –, um drama se instala a partir do analfabetismo da personagem Hanna, que, envergonhada dessa condição, sofre consequências terríveis.

 

Assim como ela, milhares de maranhenses enfrentam o drama diário de se sentirem excluídos de um mundo de possibilidades que a leitura proporciona, seja no aspecto pessoal, seja no profissional. Os números de 2011, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram o quanto o nosso Estado precisa avançar mais nessa luta, pois revelam que ainda existem aqui cerca de um milhão de analfabetos. De acordo com esses dados, entre as cidades com o maior número de analfabetos no Estado estão Belágua (36,64%), Marajá do Sena (36,58%), São João do Sóter (36,04%) e Aldeias Altas (35,1%).

 

São números alarmantes, principalmente quando se sabe que, aliado ao analfabetismo, invariavelmente está presente a pobreza. Não por acaso, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado/MA, deputado Arnaldo Melo, citou em seu discurso, na sessão solene de abertura dos trabalhos legislativos, no último dia 4 de fevereiro, que “(...) não podemos mais suportar que a região leste, que não é diferente das outras, mas se agrava um pouco mais na regional de Caxias, que abrange São João do Sóter, Caxias, Aldeias Altas, Afonso Cunha, Coelho Neto, naquela região, enfim, que tenhamos mais de 71% do nosso povo rural na extrema linha de pobreza recebendo menos de R$ 70,00 por mês”.

 

Diante desse quadro, a UFMA – fiel à sua missão de ser uma instituição inclusiva e preocupada com as grandes questões que dizem respeito ao crescimento de nosso Estado – irá lançar, no próximo dia 18, o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), com a participação também de representantes dos governos Estadual e Municipal. A iniciativa do Pacto partiu do Ministério da Educação, que estabeleceu como meta que o Maranhão alfabetize todas as crianças até os oito anos de idade que estejam no terceiro ano do ensino fundamental.

 

Os detalhes do lançamento do evento foram acertados durante a semana que passou, numa grande reunião realizada na reitoria da UFMA, na qual o secretário de educação estadual, Pedro Fernandes, declarou à ocasião que o Maranhão ainda tem 19,1% de analfabetos e que sua meta é reduzir esse índice para 9,1% até 2015.

 

Quanto ao Pacto, cabe destacar o papel dos professores da UFMA que atuarão na formação dos professores orientadores. São estes que terão a responsabilidade, numa segunda fase, para capacitar os formadores que vão desenvolver as atividades de ensino nos moldes atualizados do processo de ensino-aprendizagem.

 

No Maranhão, o PNAIC envolve 6 (seis) polos: Imperatriz (34 municípios), São Luís (43 municípios), Pinheiro (42 municípios), Caxias (17 municípios), Presidente Dutra (32 municípios) e Bacabal (33 municípios). Os números são gigantescos: estarão envolvidos 938 professores orientadores e 32 professores formadores para alfabetizar 22 mil e 571 alunos de 201 municípios maranhenses.

 

Afora esse grande pacto, a UFMA trabalha ainda com a formação dos professores do ensino básico e com os programas PARFOR, Educação no Campo, PRONERA e PROEB. Em seis câmpus – São Bernardo, Bacabal, Pinheiro, Codó, Grajaú e Imperatriz –, nas mais diversas licenciaturas, com duração de dois e quatro anos, já alcançamos quase mil alunos em capacitações que envolvem as ciências da natureza, ciências humanas e linguagens, códigos e suas tecnologias.

 

Temos a preocupação ainda de inserir os nossos Professores Doutores nas realidades de cada uma dessas regiões, valorizando o modo de viver e a cultura de sua gente. Desenvolvemos, em parceria com o IPHAN, uma formação que abrange duas turmas de professores em Alcântara, que já vai para o terceiro ano, da 5ª à 8ª série do Ensino Fundamental, cujo foco é a identidade cultural, que beneficia a região com melhoria da autoestima de seus moradores, gerando ainda oportunidade de emprego e renda.

 

Trata-se de um projeto ímpar no Brasil, pois estimulamos as crianças a conhecerem mais de sua realidade e a valorizá-la com cartilhas educativas, preparadas por uma equipe multidisciplinar de professores das áreas da Sociologia, Arte, História e Geografia.

 

Os dados aqui já expostos e avaliados na reunião para o Pacto que será lançado precisam ser vistos à luz do momento pelo qual passa o país e mais precisamente o Maranhão. Mais do que nunca, a educação foi tão necessária como insumo primordial ao desenvolvimento. Vivemos, ao mesmo tempo, a era industrial plena e a pós - industrial. Em ambas as situações, pede-se um tipo particular de trabalhador, aquele que mais adquiriu experiência em sua formação acadêmica. O prejuízo social e econômico, que a situação do analfabetismo maranhense causa, terá repercussões por gerações, se não for enfrentado agora.

 

Fala-se em apagão de mão de obra no país, e este é um dos mais perversos “Custo Brasil” que se pode relacionar, mais graves que os estruturais e fiscais, dos quais se fala tanto. O Maranhão vive um período de descobertas de gás e petróleo, xisto e ouro, explorações que tendem a, em poucos anos, se estabelecerem numa cadeia industrial extensa, catalisadora de investimentos em grande proporção, ampliação da infraestrutura das cidades, promotora do desenvolvimento de serviços com grande geração de empregos.

 

Acredito que o Pacto é um bom começo, pois uma sociedade em que inexistam analfabetos é o sonho de todos aqueles que amam e valorizam a educação, e deve ser o alvo do máximo de instituições no Estado, por vários anos, independente das mudanças políticas e democráticas naturais e necessárias em suas administrações.

  

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 10/02/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento