Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Exemplo de abnegação e altruísmo

Em plena segunda-feira de Carnaval no Brasil, 11 de fevereiro, uma notícia que ecoou por todo o mundo surpreendeu não apenas o rebanho católico como também religiosos de todos os timbres: em uma atitude imprevisível e, ao mesmo tempo, corajosa, o Papa Bento XVI tornou público que vai renunciar ao seu pontificado, iniciado em 19 de abril de 2005. Em seu anúncio, registrou que, a partir de 28 de fevereiro, às 20h, a cadeira papal estará vaga, sendo necessária a realização de um conclave para eleição do novo pontífice.

 

Passado o espanto, verifica-se que a decisão não foi repentina, tampouco inesperada. Em escritos e falas ao longo dos últimos três anos, Bento XVI apontou, para aqueles que o antecederam, pistas que apenas agora vieram a desaguar em seu comunicado no consistório que reuniu cardeais do mundo inteiro.

 

Há quase 600 anos não ocorria um ato de renúncia ao trono de São Pedro. O último Papa a renunciar, segundo Richard McBrien, autor do livro “Os Papas” (ed. Loyola), foi Gregório XII, em 1415. Foi um ato conciliatório, pois naquele momento a igreja estava em crise com o que ficou conhecido na história como “O grande cisma do ocidente”.

 

Estranho ato, muitos disseram, mas que se coaduna com esta época em que a velocidade é o substantivo primordial. Ou, como lembra o sociólogo polonês Zigmunt Bauman, vivemos tempos líquidos, em que nada é feito para durar. Mal nos acostumamos com o teólogo Joseph Ratzinger a levar sobre si a missão petrina, deparamo-nos com seu perfil sereno a explicar que este seu radical ato é antecedido de demorada meditação e exame de consciência diante de Deus. Ou seja, a despeito da curta duração de seu papado e das atitudes enérgicas e rápidas que lhe exigem uma disposição hercúlea, a intensidade de sua fé foi seu sustentáculo para que tivesse a paz necessária a fim de tornar predicado o que acalentava em seu coração.

 

E é justamente pelo imenso respeito para com sua missão que o Papa reconhece que a direção da igreja, nesta época conturbada, exige grande energia intelectual e física, e assim justifica em suas palavras: “(...) vigor este que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado.” Alega ainda que, além de entender a gravidade desta decisão, ela a toma em total liberdade.

 

Reconhecer limites, quaisquer que sejam, longe de ser um abandono do seu ministério, denota humildade, amor e comprometimento pela causa à qual se dedicou durante os últimos oito anos. Apesar de pouco tempo ministerial, o mandato de Bento XVI pode ser considerado como um dos mais intensos da história, dada a quantidade de desafios que teve que enfrentar. Associe-se a isso seu decantado saber teológico que o levou a escrever, além de muitos textos técnicos na área, três livros sobre a vida de Jesus que foram sucesso de vendas entre o público leigo.

 

Os desdobramentos da renúncia papal e as especulações que a imprensa fez ao longo da semana servem de cenário também para se destacar a importância do tema adotado pela Igreja Católica para a Campanha da Fraternidade deste ano, aberta na quarta-feira de cinzas, que traz o tema “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, envia-me”. Essa é a segunda vez que a Igreja adota essa temática, pois, em 1992, o tema "Juventude, Caminho Aberto" já havia discutido e refletido sobre a inclusão dos jovens na evangelização.

 

No momento em que o avanço da idade e a saúde debilitada são componentes do enredo da repentina saída de um Papa, o chamado para servir a Deus – ainda na juventude – foi alvo da fala do Santo Padre em sua segunda aparição pública após a renúncia, quando pediu que os líderes eclesiásticos trabalhassem para a realização da verdadeira renovação da Igreja.

 

E mais uma coincidência quanto ao tema da juventude deu-se quando da visita de Bento XVI ao Brasil durante a Conferência Episcopal da América Latina e do Caribe, celebrada na cidade de Aparecida, São Paulo. Naquele momento, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil solicitou que a próxima Jornada Mundial da Juventude fosse realizada em nosso país. A de 2011 já estava definida, seria em Madri. Na reunião final deste encontro, o Papa anunciou que o evento seguinte seria realizado em julho de 2013, no Rio de Janeiro. Houve grande alegria na igreja brasileira por esta decisão da Santa Sé. A jornada teve início em 1985 – eis aqui outra grande coincidência – e esse foi o ano internacional da juventude declarado pela ONU.

 

Os símbolos da jornada foram recebidos no Brasil em 18 de abril de 2012 e, desde então, a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora – ambos doações feitas por João Paulo II, o idealizador dessa jornada – percorrem o país. Em São Luís, os símbolos desse evento estiveram presentes no período de 27 a 29 de abril de 2012. Um episódio que muito alegra a todos nós que fazemos a Universidade Federal do Maranhão é que parte das atividades da Acolhida foram realizadas nas dependências do campus em São Luís, com grande participação dos estudantes e de jovens oriundos de várias partes do Maranhão.

 

É do Papa João Paulo II, que antecedeu a Bento XVI, a seguinte frase: A juventude não é apenas um período de vida (…), mas uma qualidade de alma que se caracteriza precisamente por um idealismo que se abre para o amanhã”.

 

A despeito da honrosa e lamentada saída de Bento XVI, esta e as próximas gerações nunca devem esquecer que ele foi um homem que dedicou os melhores anos de sua vida para servir à causa de Cristo. Que neste período da Campanha da Fraternidade seu exemplo de amor pelas sagradas escrituras e pelo serviço à igreja sirva de inspiração para todos nós e, em especial, para aqueles que estão ainda nos tenros anos de suas vidas.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 17/02/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento