Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A educação que movimenta o desenvolvimento

O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha e é o 6º maior PIB do mundo, ou seja, a sexta maior riqueza do planeta. O PIB, como se sabe, é a soma de todos os bens e serviços produzidos por uma nação. Neste ano, o PIB nacional chegará a US$ 2,52 trilhões. A revelação foi feita pelo Centro de Pesquisas para Economia e Negócios (CEBR), sediado em Londres. À frente do Brasil estão França, Alemanha, Japão, China e Estados Unidos, o primeiro colocado. 

O governo brasileiro, a julgar pela fala do ministro da Fazenda Guido Mantega, mostrou-se prudente e minimizou a questão com a declaração de que ainda levaremos de 10 a 20 anos para atingir o padrão de vida dos europeus e, sobretudo, dos britânicos. Eis o X da questão. Esta posição na lista de nações ricas não altera em nada o que mais interessa a um país, que é a qualidade de vida de sua população. Em nosso caso, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), conquanto tenha melhorado lenta e gradativamente nas duas últimas décadas, ainda revela uma enorme disparidade entre montante de riqueza e o bem-estar de nossa população. 

No ranking do IDH mundial, o Brasil, comparativamente a 2010, melhorou míseros 0,003% e subiu apenas uma posição, ocupando agora o 84º lugar entre os 187 países considerados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O IDH é uma medida compilada anualmente e compara os dados entre os países de riqueza, alfabetização, educação, esperança de vida e natalidade e, nesta perspectiva o Brasil ocupa a 21ª posição América Latina. 

O sexto lugar em relação ao PIB é uma posição muito relativa e deve ser vista num contexto maior porque geração de riqueza não significa necessariamente distribuição de renda. Por exemplo, na Inglaterra, que foi ultrapassada por nós, a renda per capita (o PIB dividido pela população) é de US$ 32 mil, enquanto no Brasil é de US$ 13 mil, isto é, um terço disso. Naturalmente, perdemos para os ingleses em todos os itens considerados no IDH. 

Em relação ao chamado milagre brasileiro dos anos 70, em plena ditadura, o paradigma de crescimento hoje, pelo menos no discurso, mudou. Porém, a prática continua a mesma: concentração de renda e má gestão dos recursos públicos. Naquela época, Delfim Netto, economista que ocupou vários postos nos governos militares, dizia que era preciso primeiro fazer o bolo crescer para depois dividi-lo. De fato, o bolo cresceu, mas ficou nas mãos de poucos. Ainda lutamos contra essa herança e mal logramos remediá-la. 

Um dos parâmetros para o julgamento do desenvolvimento humano é a alfabetização/educação. No primeiro item, dados da pesquisa do IBGE apresentados neste ano em relação a 2010, revelam uma situação vergonhosa: há 13,9 milhões de brasileiros analfabetos - e esse dado considera pessoas que não sabem ler a partir de 15 anos. Este contingente representa quase 10% da população. Em dez anos, este índice caiu apenas 4 pontos percentuais. A maioria dos analfabetos se encontra no Norte/Nordeste. Entre a população acima de 60 anos o valor percentual chega a 26% nesta condição. 

Por evidente, este dado não toca noutro grave problema que envolve a educação, que é a qualidade do ensino. É certo que o país atingiu bons índices de escolaridade infantil. Mais de 97% das crianças de 7 a 14 anos estão na escola, mas ainda falta melhorar, e muito, o sistema de ensino e parar de gerar analfabetos funcionais. Os países que conseguiram vencer esta dificuldade aumentaram o percentual do PIB no ensino e melhoraram a capacitação dos professores, o que inclui salários, e mais horas de aulas/dia para os alunos. No Brasil, no entanto, os dias letivos são aumentados, mas as escolas diminuem as horas/aula diárias para satisfazer esta condição. Ainda são tímidos os sistemas de avaliação da qualidade das escolas públicas. E, a construção de escolas não traduz, necessariamente, melhoria na qualidade de ensino porque os parâmetros são outros. 

Em 2010, em competição realizada pelo Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), instituição ligada à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que acontece a cada três anos, o Brasil ficou apenas em 53º lugar entre os 65 países participantes. Os testes avaliam jovens de 15 anos nas habilidades de leitura, matemática e ciências. Nosso país ficou atrás de México, Chile, Uruguai e Colômbia. O primeiro lugar ficou com a China. 

Também em 2010, o governo encaminhou ao Congresso o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) que prevê metas até 2020. A meta de investimento na educação em relação ao PIB é de atingir 7% até 2015. Atualmente, aplica-se apenas 5% e, com grandes discrepâncias na distribuição de recursos entre a formação básica e o ensino superior. Organizações, estudiosos do tema e professores entendem que estes percentuais não são suficientes considerando as metas de melhoria dos índices de qualidade e a ampliação da cobertura educacional. 

Pesquisas indicam que o ideal seria o Brasil aplicar agora 10% do PIB em educação, sendo 8,5% na formação básica e 1,5% no ensino superior. Em recente pesquisa do professor Nelson Cardoso do Amaral - do programa de pós-graduação em educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG) - foi constatado que dobrar o atual patamar de investimento nos colocaria ainda abaixo da maioria dos países da OCDE com um investimento de apenas US$ 2,3 mil ano/aluno. A título comparativo, o Canadá investe US$ 7,7 mil, EUA US$ 8,8 mil, França US$ 7,8 mil, Portugal US$ 5,5 mil e Botswana US$ 2,2 mil. 

Como se vê, um longo caminho ainda temos a percorrer. Entretanto, a Universidade Federal do Maranhão comemora o fato de contribuir para a valorização do conhecimento, do incentivo à pesquisa e a extensão, do aprimoramento de seu corpo funcional, tudo isso com olhos voltados para as necessidades deste Estado, para os sonhos de milhares de pessoas que todos os anos buscam uma vaga em nossos cursos com o objetivo de garantir uma vida melhor. Como lembra o grande mestre Paulo Freire, a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Mas, uma certeza nos leva para frente: a de que temos de ser ousados; virtuosos no sentido dado a esta palavra pelo sociólogo Pierre Bordieu. Ousados, com os olhos voltados para o futuro, com os pés fincados no presente e sem repetir os erros do passado. Um bom virtuoso! 

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 01/01/2012

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento