Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

O Admirável mundo da química

São Luís sedia, a partir deste domingo e até o dia 26, o XXXI Encontro Nacional de Estudantes de Química, um magnífico evento de repercussão nacional cuja temática principal tem um viés democrático: química, uma ciência ao alcance de todos. Trata-se de uma proposição inclusiva, que abre uma porta para que suas descobertas e múltiplas possibilidades estejam ao alcance de tantos quantos delas queiram se apropriar. 

É do professor português João Paiva o poema "Densidade" - que integra o livro "quase poesia quase química", lançado por ocasião do centenário da Sociedade Portuguesa de Química, no ano passado - no qual ele brinca com a poesia intercalada de elementos químicos, e que aqui cito apenas um trecho: Quando me centro em mim/ cresce a minha densidade. Mais massa no mesmo volume/ das minhas possibilidades.

Essa é apenas uma amostra, ainda que em forma de poesia, do admirável mundo de possibilidades que a química oferece ao ser humano, posto que se confunde com sua própria essência e sua forma de existir na terra e quiçá, fora dela.

Basta lembrar dos elementos químicos que, em medida perfeita, proporcionam a este planeta as condições de habitabilidade. E é a química a guia das primeiras ações humanas de sobrevivência: o domínio do fogo e sua utilização na confecção de artefatos para caçar ou cozinhar os alimentos; a produção de cerâmicas para guardar sementes, farinha de trigo e líquidos; os processos de confecção de tecido ou o curtimento de couros. Muito depois - como aprendemos nas aulas de química no ensino médio - Tubalcain desenvolveu as primeiras ligas metálicas que abriram novas possibilidades para a agricultura, a construção de veículos e as guerras.

Em todas as profissões, a presença da química é indispensável. A medicina, carreira da qual faço parte, se organiza e ganha o status de ciência agregada ao saber da química. O peso deste conhecimento hoje ainda é muito importante na formação de um médico, mas no século XIX, período em que a medicina se estabelece em padrões científicos modernos - conforme nos ensina Foucault em "O nascimento da clínica" -, o médico era também farmacêutico, o que exigia conhecimento abrangente de química para a produção de medicamentos.

O século XX assistiu a quatro das maiores revoluções científicas e todas inevitavelmente passam pela química: a primeira é sua contribuição na produção de medicamentos, cujo marco histórico é a penicilina; a segunda foi a descoberta do DNA que sugere horizontes de verdadeira ficção científica, mas que já temos resultados concretos agora, especialmente na agricultura e pecuária; a terceira revolução - destaco a produção dos plásticos a partir de 1950 - trouxe um enorme impacto na indústria, na cosmética, na medicina, o que foi capaz de criar toda uma nova economia, além de novas profissões e áreas de pesquisa; e, em quarto lugar, uma inovadora forma de produção de alimentos, através de adubos, fertilizantes e defensivos agrícolas que permitiram ao mundo produzir, em espaço cada vez menor, o suficiente para alimentar toda sua população.

A história da química no Brasil é jovem como nosso país. Apenas no século XIX apareceram as primeiras escolas, assim mesmo precárias. Somente nos anos de 1910 começam as escolas técnicas de química em São Paulo. De lá para cá, o avanço é assombroso, tendo esta ciência alcançado seu espaço em tudo o que o país produz de tecnologia. Por isso mesmo, devido a tantas conquistas, a química brasileira está devendo um Nobel. Somente dois prêmios Nobel nesta área foram conferidos em toda a América abaixo do Rio Grande: um é da Argentina (1970) e o outro do México (1995). Acredito que está na hora do Brasil conquistar essa honraria, pois talento e capacidade são ingredientes fartos entre os profissionais e estudantes da área, incontestavelmente.

E sem estes homens e mulheres abnegados que atendem ao chamado dos elementos, fórmulas e cálculos fascinantes, nenhum país pode alcançar independência e bem estar para sua população. Por isso mesmo, aqui no Maranhão, a Universidade Federal valoriza esta área ao oferecer os cursos de Química nas modalidades Bacharelado e Licenciatura, Química Industrial, Engenharia Química e ainda o curso de Química na modalidade à distância, o que tem contribuído de maneira eficaz para este mercado deveras promissor e que está a exigir não apenas o conhecimento da matéria em si, mas a técnica e a sensibilidade de seus profissionais a aplicá-la no avanço tecnológico conciliado com o bem estar do ser humano.

Há ainda os novos desafios que envolvem nosso país e mais que isso, dizem respeito às questões globais como as mudanças climáticas: a produção de energia renovável e o desenvolvimento sustentável. O tema deste encontro em São Luís atende à visão do Ano Internacional da Química em 2011. E este é um desafio em si. Aproximar as pessoas da química é desfazer equívocos que foram construídos pela sua má utilização em conflitos - caso do agente laranja lançado nas florestas do Vietnã como arma de guerra, ou ainda a utilização indiscriminada de defensivos agrícolas que resultaram em impactos danosos ao meio ambiente e às pessoas-. Felizmente, a química tem muito mais a mostrar em favor do ser humano do que o contrário.

Estudantes, profissionais e apaixonados pela química se deparam com novas fronteiras de descobertas, espaços em que concentram os esforços da pesquisa básica e aplicada e configuram os temas mais importantes para nosso futuro próximo. Foram, inclusive, frutos de recentes acordos internacionais, envolvendo questões ligadas à produção agrícola, conservação de recursos naturais, conversão de biomassa, segurança alimentar, diagnósticos para a saúde humana e qualidade da água, química verde com foco na preservação ambiental e criação de produtos sustentáveis.

Conta a fábula do rei Midas que este tinha o poder de transformar tudo o que tocava em ouro. É a lenda de um processo químico mágico, sem dúvida. Mas hoje os estudantes e profissionais da Química podem ir muito além do que um dia foi Midas: podem tocar vidas, transformar histórias, moldar o mundo.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 20/01/2013

 

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento