Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Tão perto, tão distante

A Revista Isto é, em reportagem especial no dia 21 de dezembro passado, abordou um tema que revela uma verdadeira revolução no mundo da prática da espiritualidade: as igrejas cristãs no Brasil – católicas e protestantes – estão investindo nas várias possibilidades que a internet oferece hoje. Num mundo em que apenas uma rede social agrega mais de um bilhão de pessoas, e a educação, comércio, comunicação, serviços de toda sorte se realizam de forma virtual – ressaltando que grande parte da vida atualmente se dá neste meio –, é natural explorá-lo também no aspecto da fé.

Essas possibilidades, que a internet oferece, são imensas. Basta lembrar que qualquer serviço ali estará disponível 24 horas, todos os dias do ano, a custos relativamente menores que nas versões físicas que, por natureza, exigem espaço, deslocamento e gasto muito maior com energia e pessoal.

É impossível imaginar o mundo atual sem a internet. Trata-se de mais um presente da tecnologia oferecido a nós, homens e mulheres desta época, algo nunca sonhado por aqueles que nos antecederam. Segundo o sociólogo espanhol Manuel Castells, a internet é mais do que uma tecnologia, é um meio de comunicação, de interação e de organização social.

O impacto dessa tecnologia é tão grande que não há uma única área da atividade humana que não tenha sofrido alguma transformação. Cito duas, ainda que incipientes no Brasil: o judiciário, principalmente após a lei 11.419/06 – que trata da informatização do processo judicial –, numa tentativa de aproximar-se do ideal de Norberto Bobbio que pregou a efetivação/concretização dos direitos humanos; e a medicina, cujos avanços permitem unir médicos em cirurgias a distância. Considerando as dimensões continentais de nosso país e a desigual distribuição de serviços de saúde de qualidade, a utilização dessas ferramentas contribui para a diminuição dos atuais entraves enfrentados pela saúde pública.

Entretanto, a despeito desses feitos dignos de reconhecimento, acredito que a tecnologia associada à virtualidade do ciberespaço também tem seus limites, particularmente no que tange à espiritualidade. Em todas as eras, a fé cristã se materializa na relação com o outro, fisicamente falando. Por definição, ela sempre é comunal. Isso não quer dizer que seja errado o uso dos meios disponíveis para a divulgação da fé. Dilemas semelhantes também foram levantados em relação à telefonia, ao rádio e, posteriormente, à televisão. Porém, essas formas de comunicação são infinitamente limitadas em comparação com a internet, pois esta sugere e simula uma presença que, de fato, não supre aquilo que é a pedra de toque no cristianismo: o contato.

As redes sociais, que são o exemplo mais aproximado da participação em um serviço religioso, considerando aqui o fator relacionamento (a despeito da defesa apaixonada de milhares de pessoas), são acusadas de produzir uma geração de indivíduos isolados, cujas vidas se passam na virtualidade, distantes das trocas humanas reais que não podem ser substituídas.

Ouvir/ver uma pregação ou homilia via internet, até mesmo assistir a um serviço religioso, tem o seu lugar desde que não haja a pretensão de substituir a boa e fraterna relação entre os fiéis que têm sua realização na materialidade. Nesta relação, exercita-se, de fato, a tolerância, a paciência, o cuidado. Esboça-se a humildade, pratica-se o serviço no contato, na presença real ao adoecido e ao carente de afeto.

São Tiago, em sua carta no Novo Testamento, defende que a fé sem obras é morta. A certa altura, desafia: “Alguém poderia dizer ainda: ‘Você tem a fé, e eu tenho as obras.’ Pois bem! Mostre-me a sua fé sem as obras, e eu, com as minhas obras, lhe mostrarei a minha fé”.

Obras aqui significam trabalho com as mãos, algo artesanal, produto do esforço mental e físico. Pode-se inferir, sem considerar a objeção de que é preciso contextualizar a afirmativa do apóstolo – com a qual é preciso concordar –, que há dois mil anos era discutida a virtualização da fé que não supõe o envolvimento com o próximo. O apóstolo exemplifica seu ponto de vista dizendo que se uma pessoa pede algo – portanto uma necessidade concreta – e apenas se diz “ vai em paz, seja abençoado”, de fato, nada foi feito. A religião cristã, à parte de sua verticalidade – que é a relação íntima com Deus –, tem, necessariamente, como fruto da primeira, a dimensão horizontal.

Lembro que, entre os dez maiores avanços científicos do ano de 2012 citados pela revista Science, é fascinante verificar o quanto já alcançamos com a tecnologia: em primeiro lugar, a revista cita a descoberta do Bóson de Higgs, partícula que explica o mistério da massa, intitulada por alguns como ‘partícula de Deus’; elenca o trabalho de cientistas que, na Alemanha, conseguiram sequenciar o genoma completo de um grupo de humanos denominado denisovanos, com uma nova técnica; e, ainda, aponta a demonstração do projeto ENCODE, que constatou a possibilidade de oitenta por cento do genoma humano ser ativo e de ajudar a ligar e desligar genes, o que pode auxiliar cientistas a compreender os fatores de risco genéticos para doenças. São feitos impressionantes, que atestam que a humanidade tem caminhado a passos largos para tornar o mundo cada vez menor, mais interligado e, consequentemente, menos misterioso. Essas informações, num clique de computador, estão disponíveis a todos em qualquer lugar do planeta.

É fato: nunca estivemos tão próximos virtualmente e, ao mesmo tempo, tão distantes fisicamente. Todos têm algo para dizer, para exibir, para compartilhar, mas há coisas na relação entre os seres humanos que não precisam e nem podem ser substituídas por máquinas, nem bits e hiperlinks: o abraço fraterno, a mão amiga, o olhar compreensivo, o sorriso cúmplice. Defendo que se utilize o mundo virtual, que nele se divulguem notícias, informações úteis e que até se propaguem as Boas Novas como vêm fazendo os mais diversos grupos religiosos, contudo a vivência da fé, em sua essência, pede, por sua forma e conteúdo, a experiência material.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 13/01/2013

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento