Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

A luta continua

O título, embora pareça um jargão, retrata uma triste realidade: embora várias reportagens tenham destacado que o Brasil entrou num processo de decréscimo da pandemia, ainda nos deparamos com algumas comparações epidemiológicas que não parecem favoráveis ao nosso país. Segundo dados mais recentes, o Brasil saiu de um pico de mais de mil mortes diárias, especialmente entre junho e agosto, para cerca de 490 mortes, no momento, considerando as duas últimas semanas.

Os estados mais afetados têm demonstrado consistente queda nos óbitos e, até o momento, em que pese o Brasil já ter passado por várias fases da pandemia, dentro de seu território, os números apontam para uma situação de resolução da pandemia, ainda que qualquer afirmação de seu fim seja prematura. A questão que deve ser observada é a comparação entre o Brasil e a União Europeia. A UE teve cerca de 151 mil mortes, enquanto aqui, aproximadamente, 153 mil.

 Os mesmos dados apontavam que nosso país era o terceiro com mais mortes por 100 mil habitantes, atrás da República Tcheca e Romênia, ambos os países do Leste Europeu, mas não membros da União. Dentre os países mais afetados no bloco europeu, Espanha, Itália, Alemanha e França que, no momento, vivem uma segunda onda, comparativamente nosso país ainda tem mais mortes por 100 mil habitantes. A questão é que comparações desse tipo precisam definir se vão relacionar o Brasil com o bloco inteiro ou com países da Europa, individualmente.

Se observamos apenas os números da população, o bloco tem quase o dobro de nossa população brasileira (213 mi para o Brasil contra 447 mi para os europeus). Então, em números absolutos de mortes, perdemos, mas devemos ficar abaixo deles pois estão no inverno e o vírus está na segunda onda. As dimensões continentais do Brasil e a diferença substancial na distribuição regional de serviços médicos, bem como de profissionais, calamidade contra aqual ainda lutamos, não nos dá a consistente uniformidade que o bloco europeu possui, na questão da assistência à saúde.

A comparação entre as populações, a qual leva em consideração o fato de os europeus terem um perfil demográfico de faixa etária mais velha, não parece ser um argumento persuasivo, quanto ao perfil de mortes, pois, em nosso país, além da questão idade, pesquisas revelam que o perfil socioeconômico foi importante marca entre aqueles que morreram pela Covid-19. 

Assim, considerando as diferenças acentuadas entre países desenvolvidos e o Brasil, deve-se relativizar, em função das estratégias adotadas, o perfil social, a população e distribuição de serviços, associando tudo isso à condição econômica desigual entre os brasileiros. De qualquer forma, vemos uma clara diminuição da infecção, no Brasil, e não se vislumbra, no momento, uma segunda onda em nosso país. Ainda assim, cautela e bom senso não fazem mal a ninguém. 

Sofri diversas pressões e resistências, quando, em março deste ano, decidi, com apoio do corpo universitário, suspender o calendário acadêmico da Universidade Federal do Maranhão. Muitos acharam prematura a decisão, mas o tempo provou que estávamos na direção correta e nossa medida evitou uma série de tragédias. 

Como médico, soube, desde logo, da gravidade da situação e irmanei-me aos meus colegas que, pelo menos em relação à comunidade universitária, não ficaram ainda mais sobrecarregados. Como pai e professor, pensei no presente e no futuro das famílias pois, porque nos mantivemos vigilantes, nos está sendo reservado menos cruel destino. É preciso um pouco mais de paciência e resiliência de nossa parte diante dos novos tempos. Nossas vidas pedem de nós extremo cuidado e, também, sacrifício. Todas as outras pendências, por mais caras e urgentes, podem esperar. O essencial são as vidas e a consciência de tentar salvá-las.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, Academia de Letras do MA e da Academia Maranhense de Medicina

Publicado em O Estado do MA, em 24/10/2020

Mais opções
Copiar url

As lições das cicatrizes

Sobre o insubstituível

A ciência e o impossível

A luta continua

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento