Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Porque a vida não espera

Atualmente, o Hospital Universitário (HUUFMA) está aparelhado para as cirurgias de transplantes de córnea, rim e de fígado. Em duas décadas, foram realizados 2.838 transplantes, sendo 5 de fígado, 646 de rim e 2.187 de córnea. Dados atualizados de setembro deste ano dão conta de que existem 270 pessoas na fila de transplante no Maranhão. Mesmo com esse avanço, ainda há muita desinformação e é preciso um grande esforço conjunto do governo, instituições e população, para melhorar nosso índice de doação. 

As doações vinham crescendo exponencialmente em nosso país e, em 2019, conseguimos atingir o índice inédito de 18,1 pmp (por milhão de população). Entretanto, o Ministério da Saúde revelou dados preocupantes que têm relação direta com a Covid -19: a redução no número de voos comerciais impactou diretamente a logística de transporte de órgãos, equipes e tecidos entre os estados; e ainda há a dificuldade ao acesso do consentimento dos familiares do falecido, uma vez que o protocolo relativo aos óbitos ocorridos nos hospitais foi radicalmente alterado.

As regiões que mais sofreram com o impacto da queda do número de doações foram o Nordeste, o Norte e o Sul. Para se ter uma ideia, em abril do ano passado, foram realizados 617 transplantes; e, em abril de 2020, apenas 410. De acordo com o Ministério da Saúde, apesar desse cenário, a taxa de recusa familiar para a doação de órgãos vem diminuindo: em 2019, a taxa caiu de 39,9%, no intervalo de janeiro a julho daquele ano e, no mesmo período deste ano, para 37,2%. 

Sem dúvida, o Brasil tem o maior programa público de transplantes de órgãos do mundo, sendo que 95% das cirurgias são feitas pelo SUS e, em números absolutos, estamos em segundo lugar no mundo inteiro, logo atrás dos Estados Unidos. Só que os números mundiais também são alarmantes: nos primeiros meses da pandemia, as cirurgias transplantadoras na França, inicialmente, caíram 50% e, na Inglaterra, mais de 50%. A Espanha, que é referência mundial em doação de órgãos, no mês de março, chegou a 90%, de acordo com dados da ABTO.  

No último domingo, 27, Dia Nacional de Doação de Órgãos, participei de uma carreata capitaneada pelo Hospital Universitário, HUUFMA, vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), como iniciativa da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) e do Banco de Olhos, com apoio da Universidade Federal do Maranhão. A realidade apresentada confirmou de quão vital importância foi esse evento, para a continuidade da vida de milhares de pessoas que aguardam, nas filas, por uma chance que pode tirá-las do sofrimento cotidiano e reforça que, infelizmente, essa foi outra área da vivência humana profundamente afetada pela pandemia que atravessamos. Dados divulgados, em agosto de 2020, pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos, dão conta de que o número de doadores caiu 6,5%, no Brasil, no primeiro semestre de 2020, em relação ao ano passado; e de que, até o final de julho deste ano, havia mais de 40 mil pacientes na lista de espera de doação de órgãos. 

Vale enfatizar que é necessário e digno de reconhecimento o trabalho feito pelos meios de comunicação nacionais e, em especial, os locais, que nos ajudam a afastar preconceitos, a aproximar doadores e a formar uma imensa corrente do bem e da solidariedade.  Comunidades bem orientadas tornam-se mais saudáveis, doam mais e, naturalmente, sabendo o que fazer para ajudar, diminuem as alarmantes taxas de morte. Por isso também a campanha de doação de órgãos deve continuar na pauta de nossas prioridades.

Se ouvirmos o relato de uma vida prolongada em razão da bondade alheia, talvez aprendamos com Drummond, a não ser nem de um mundo caduco, nem do mundo futuro, mas do tempo presente, dos homens presentes, da vida presente. Ao aprender os sentimentos do mundo, que aceitemos o convite do poeta: o presente é tão grande, não nos afastemosvamos de mãos dadas. Viver não retrocede e a vida não espera. O presente tem sua urgência e precisa de esperança.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, Academia de Letras do MA e da Academia Maranhense de Medicina.

Publicado em O Estado do MA, em 03/10/2020

 

 

Mais opções
Copiar url

As lições das cicatrizes

Sobre o insubstituível

A ciência e o impossível

A luta continua

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento