Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Quando as pestes nos assaltam

José Osmar Medina Pestana, ao ciceronear os participantes do Simpósio A Pandemia e A Literatura, promovido pela Academia Nacional de Medicina, conduziu-nos a pensar esta realidade, por meio da leitura de A Peste, de Albert Camus. Sintetizou a obra como aquela que ‘versa primariamente sobre a morte, mas transcende o ser, aplicada, de maneira metafórica, a muitas situações e relações sociais’ e como aquela que é ‘um livro de cabeceira para ser lido muitas vezes, pois, em cada momento de leitura, o drama, ali narrado, encaixa-se em algum momento de nossa vida’.

Era o surto da peste Negra – a peste Bubônica - que assolou a Europa, no séc. XIV, e matou milhões de pessoas. ‘A cidade argelina de Orã foi o palco do drama. De repente, ratos aparecem mortos em vários lugares da cidade e, aos poucos, pessoas começam a apresentar sintomas da doença e os mortos se acumulam. E, de repente, não mais que de repente’, tomando de empréstimo a frase repetida de Vinícius de Morais, as pessoas se viram vítimas dos roedores e perderam suas identidades, passando a meros números à espera de um futuro incerto e indefinido, no qual impera a morte e o desespero.’ 

‘A cidade foi posta em quarentena rígida e, então, os personagens, moradores e visitantes – presos - sofreram por quase um ano as consequências e os problemas que a situação desencadeara. O padre entende que é um castigo divino e faz um sermão inflamado, mas, por ironia, ele mesmo morre alguns dias depois. O discurso do castigo se desvanece logo quando a primeira criança morre. Eis que esta é alguém que todos têm como inocente, sem pecados a serem purgados’.  Este episódio pode ter parâmetro na destruição bíblica de Sodoma e Gomorra, em que morreram inúmeras crianças que, por princípio cristão, não tinham nada a ver com a depravação.  O certo é que, no livro, Camus traça um cenário muito familiar: ‘Já não havia então destinos individuais, mas uma história coletiva que era a peste e sentimentos compartilhados por todos. O maior era a separação e o exílio, com o que isso comportava de medo e de revolta”. Depois de uma angustiante narrativa do momento em que ‘as famílias são separadas, o pânico se instala, as almas mesquinhas se revelam, o campo de futebol vira hospital improvisado, alguns enriquecem à custa da venda de produtos de primeira necessidade a preços estratosféricos e eis que, repentinamente, assim como começou, a doença desaparece’. 

Porém ‘os homens já não são mais os mesmos, depois que perdem seu senso de segurança’, constata o confrade Osmar Pestana. O personagem principal de A Peste é um médico, Dr. Rieux, homem lúcido que, ao lado de outros personagens masculinos, luta de forma renhida para salvar vidas, aliviar males. Impossível não se identificar com ele, nós, os que escolhemos a senda hipocrática. Assemelhamo-nos quanto à forma de enfrentar o drama, quanto às escolhas difíceis, quanto à constatação de que a humanidade perde algumas vezes, quando assaltada pelas doenças advindas das pragas.

O romance, além de tratar da responsabilidade pessoal de cada um, das escolhas que fazemos, é uma crítica à opressão e aos regimes opressores e, principalmente, ao nazismo, embora Osmar nos tenha lembrado de que Camus nunca tenha assumido tal metáfora. Vale lembrar, entretanto, que Camus foi membro ativo da resistência francesa contra a ocupação alemã na França.

Lembra-nos o confrade que, ao lermos A peste, de Albert Camus, se abstrairmos o cenário e o nome da peste, onde a história se desenvolve, poderemos nos encontrar facilmente neste 2020, na travessia da Covid-19. ‘As semelhanças são impressionantes, à exceção do avanço tecnológico e do pouco que já aprendemos da prevenção e disseminação do mal, principalmente porque ainda não há nem vacina, nem remédios apropriados’, como no séc. XIV.

É clara a relação entre o cenário da obra e o momento da pandemia provocada pela Covid-19, mas também deve ser claro o sentido de nossas escolhas e decisões diante dessas circunstâncias. Nesse ponto, a literatura nos recomenda mais humildade. A peste desaparece, mas continua à espreita, pronta para nos assaltar no inesperado de nossa altivez que ousa, muitas vezes, ignorar a importância da ciência para encontrar saídas que se escondem no labirinto criado pelo caos, durante o assalto das pestes.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado em O Estado do MA, em 29/08/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento