Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

E se deixasse de haver ciência?

Entre obras universais, no Simpósio sobre Pandemia e Literatura da ANM, chegou a vez de o confrade J JCamargo fazer a projeção destes tempos, na obra Ensaio sobre a Cegueira. Camargo pensou a incerteza sob o “se” de três obras de José Saramago: se todos ficassem cegos -de Ensaio sobre a cegueira; se todos votassem em branco- de Ensaio sobre a lucidez; e se ninguém morresse mais -de As Intermitências da morte.

Único escritor português com o Nobel de Literatura, Saramago produz a parábola moderna, por meio da qual Camargo refletiu sobre este mundo tão convulsionado pela Covid-19 e ameaçado, desde muito antes, por outras pestes, consequência de nossos atos destrutivos, amainados, de quando em vez, por algum ato de bondade. Por que cegamos, não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, diz, Penso que não cegamos, penso que estamos cegos, cegos que veem, cegos que, vendo, não veem (José Saramago).

O confrade começa a contar o que aconteceu “num dia comum qualquer, em uma metrópole qualquer, quando um homem, em seu carro, enquanto aguarda que o semáforo lhe permita seguir, tem os olhos inundados por uma luz leitosa e pegajosa que lhe deixa completamente cego. Esse é o ponto de partida de uma jornada kafkiana”.

E continua: “a cegueira que atravessa a obra, insidiosamente, atinge a todos, à exceção da esposa de um oftalmologista - vejam só a fina ironia – e exacerba o pior e o melhor de cada um. O que era uma dádiva, vira maldição. O que pode fazer alguém que enxerga em meio à escuridão que obnubila a vista de todos”?

Eis o convite à reflexão: a cegueira branca é altamente contagiosa, assim como a Covid-19. “E logo o mundo inteiro fica cego com as consequências clássicas de uma pandemia. Instala-se o caos econômico e social. O governo apressa-se em criar o isolamento dos contaminados, que são jogados à própria sorte”. A única pessoa que enxerga ocupa um lugar solitário e aterrorizante: os demais não veem a devastação ou um cachorro de rua comendo um cadáver.

É estabelecida a semelhança com o agora: “os problemas são (re)dimensionados, novas formas de humilhação são criadas, a adaptabilidade ao caos e um torto senso de justiça se sucedem nas páginas, e na vida, para aflição e angústia de quem viveu ou continua vivendo essas histórias. Em meio a tantas situações bizarras, desencadeadas por uma cegueira também moral, Nêmesis vem requerer seu quinhão. A vingança mora depois do medo, alerta-nos o confrade. E infere: intriga alguém cegar por excesso de luz. Este é um aspecto genial da ideia saramaguiana, a meu ver.”

Ensaio sobre a cegueira fala de enxergar de uma determinada maneira e permite leituras em várias direções. A que me ocorre é esta, diz o confrade: a jornada das personagens que se tornam cegas é um caminho para enxergar de verdade. Por isso, toda tragédia, de algum modo, revela as pessoas em sua verdadeira natureza tão submersa nas coisas aceitáveis como a cultura, os bons modos, o status e tudo aquilo que nossa sociedade valoriza. Mas [...]se decides não ver, cegarás.

Por meio da leitura de  Ensaio sobre a cegueira, experimentamos vendas e vimos exposta nossa natureza indiferente ao outro. “Em meio ao caos, os lobos humanos, como bem previu Hobbes, logo saem de suas peles, nem tão disfarçados assim, e atacam. O primeiro a cegar, logo encontra uma boa alma que o ajuda a chegar em casa. Mas a boa alma rouba seu carro”. Será que estas consequências da Covid-19 - fome, desemprego, exclusão, confinamento, morte - não nos servem para ver diferente, com um olhar mais compassivo, que reconheça, no caos, o protagonismo de nossa desumanização?

Surpreendido por uma espécie de cegueira estética, com lampejos de entendimento sobre visão e conhecimento, fui percebendo, no decorrer da reflexão do confrade JJ Camargo, que a humanidade, ao ousar saber tudo, tem sido recolocada no lugar de não saber. Será a ignorância uma forma de cegueira? Será a presunção de tudo saber outra forma de cegueira? Ali, naquela tarde, a literatura ofereceu a experiência das vendas para que, ao nos sabermos não enxergando, pudéssemos nos perceber, vendo estes tempos pandêmicos, inspirados na obra de Saramago.

Confesso que tenho me perguntado, diante do que tenho visto em meio à escuridão pandêmica: e se não houvesse mais a ciência para descobrir as vacinas contra as pestes? 

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM

Publicado no jornal O Estado do MA, em 15/08/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento