Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Para sempre afetuosos

O confrade da Academia Nacional de Medicina, J. J. Camargo, em mensagem gravada em podcast e repercutida num grupo de whatsApp, definiu a sensação de muitos, nestes dias de assolação pela Covid-19, como inanição de afeto. Ele se referia ao que acompanha, ou deveria acompanhar, todos os atendimentos que nós prestamos aos nossos pacientes, numa consulta, em procedimento ou cirurgia: o caloroso aperto de mãos, o abraço sincero, o ombro amigo. De repente, a quarentena nos retirou essa possibilidade. E os pacientes sentem falta da proximidade com seu médico ou médica.

Como profissional da Medicina, há mais de 40 anos, estou acostumado a lidar com dados epidemiológicos. Mas a geração de profissionais, da qual faço parte, jamais viveu algo semelhante ao que estamos enfrentando. Os números - além de representarem pessoas, vidas, famílias, emoções - são despejados sobre nós, diariamente, sob a instantaneidade do famoso tempo real das tecnologias virtuais. Gráficos e curvas sobem como foguetes em direção ao infinito, ignorando a vida paralisada, mas frenética, dentro dos centros de saúde.

Em contraposição à avalanche de informações, as condições materiais se mostram aquém do desafio. O que temos no front dos hospitais são profissionais que assumiram um lugar de heróis que resistem, a despeito de suas próprias fragilidades. Sob a urgência destes tempos, homens e mulheres, aprendendo as lições do poeta Djavan, guerreiam para superar suas próprias dificuldades e desafiam o ter-que-ter-pra-dar.  E aqui me refiro não só à carência material, ou à expertise técnica de cada um; aos necessários artigos que valem quase tanto quanto uma vacina ou medicação específica para a doença, mas também à esperança, ao otimismo e à resiliência ante o brutal desafio. Refiro-me, também e principalmente, ao necessário afeto.

Nossa cultura, certamente, está sofrendo muito. Nós, que somos definidos pela expansividade afetiva, passamos a sofrer de inanição de afeto. Gostamos de abraços e beijos, expressões carinhosas de afeição. Estamos acostumados com aqueles pequenos toques durante uma conversa. Mas este tempo de desafios extraordinários se agrava com os afastamentos recíprocos e com a atitude imprescindível de isolamento social.

Entretanto, não estamos alijados das palavras, da capacidade de manifestação de interesse e da boa preocupação com aqueles que amamos, respeitamos e queremos bem. Precisamos de palavras agora mais do que nunca, para marcarmos presença onde não podemos estar. Um dos mais cultuados pensadores da atualidade, o filósofo sul coreano Byung-Chul Han, alerta para a necessária proximidade, item que apenas os seres humanos podem desfrutar em sua plenitude, o qual já vem correndo risco com os likes do mundo virtual.

Na verdade, uma palavra não é igual ao abraço físico. Mas o silêncio do esquecimento ensina que ser lembrado por alguém é um bálsamo. Então, se os corpos não podem se tocar, os intermediários da tecnologia podem e muito nos ajudar neste momento. As ligações, mensagens, lives podem ser utilizadas de maneira a preservar a relação de amizade e companheirismo; as consultas por telemedicina, já regulamentadas, e o trabalho remoto têm efeitos muito positivos para alimentar a presença do outro nos diversos âmbitos.

Quero destacar aqui o rico espaço de interação disponibilizado pela Academia Nacional de Medicina, nesta época de ausência de contato físico. Os debates virtuais, a troca de reflexões têm nos aproximado ainda mais, numa corrente invisível de fraternidade e as intenções que a movem são verdadeiras e reais. O confrade da ANM Sérgio Novis, numa sensível fala disponível em podcast, lembrava-nos de qualidades que nunca devem ser esquecidas pelos que praticam a Medicina, sendo as mais importantes: a atenção e o interesse sincero pelo paciente.

Trabalho remoto, novas formas de praticar o comércio e de aprender um conhecimento; imersões culturais, adoção de estilo de vida menos perdulário, tudo nos indica que a pandemia pode ter estabelecido outras formas de vivermos o cotidiano, sem jamais esquecer o princípio que nos define como humanidade: médicos ou não, existimos para fazer o bem, espalhar a solidariedade e cultivar a compaixão.  Que essas sejam as marcas de um novo tempo para uma sociedade ainda melhor, mais justa e fraterna, onde cada um aprenda a se guiar nos arredores do amor, único lugar onde conseguimos, por meio do afeto, oferecer coragem, quando o que temos é medo.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento