Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Lá fora, sem sair de casa

O título desta crônica apenas parece um paradoxo. Mas é a prática que tem desafiado o impossível, em tempos de quarentena. Tenho lido e acompanhado, de perto, situações curiosas e reveladoras não só de novos heróis, mas também de almas egoístas, que compõem este cenário para o aprendizado de lições que nos servirão para viver o novo normal que nos aguarda.

Por um lado, há o grupo dos solidários: em alguns bairros da capital, os mais jovens se oferecem para fazer compras para os vizinhos idosos. Diversas costureiras, ao mesmo tempo em que estão lucrando com a confecção de máscaras de tecido, aproveitam a mesma máquina, para produzir peças para doação. Homens e mulheres se engajam para levar cestas básicas às periferias, bem como para distribuir refeições em vários abrigos.

Há poucos dias, em um voo para Manaus, que sofre, implacavelmente, pelos efeitos do coronavírus, o piloto leu o nome de cada um dos profissionais de saúde que estavam a bordo e pediu para que os passageiros os aplaudissem. Profissionais diversos têm feito lives nas mídias sociais para ensinar gratuitamente algum ofício, compartilhar conhecimento. Religiosos de todos os credos se esmeram em atenção, por telefone ou internet, para oferecerem palavras de conforto e de motivação aos fiéis. São os altruístas que, a despeito de tempo e circunstância, aprimoram o que já carregavam consigo: o exercício de bondade e misericórdia.

Por outro lado, há o grupo dos egoístas. Estes, também, são facilmente detectáveis: aproveitam a ocasião para lucrar o máximo e estocar o quanto puderem, seja comida, remédio e material de higiene, como se o mundo fosse acabar amanhã e nada mais importasse. O próximo que se vire, que aguarde, que espere. Relatos há de remédios que, há poucos meses, custavam um valor e que agora passaram a ser vendidos pelo triplo ou quádruplo do preço anterior. Item como oxímetro – vendido a pouco mais de 100,00 Reais - está sendo comercializado entre 450,00 e 600,00 Reais. E alimentos, entregues via delivery, chegam às casas pelo dobro do preço cobrado nas prateleiras dos supermercados.

Há também os patrões que não se dão o trabalho – e poderiam fazê-lo, tranquilamente, se o quisessem – de lançar mão dos mecanismos previstos nas diversas medidas legais/jurídicas que permitem suspensão de contratos, redução de salários, adiantamento de férias, com vistas à preservação dos empregos. Demitem seus trabalhadores sem se importarem com as consequências. Clientes que poderiam fazer alguma coisa para colaborar, esquecem, propositadamente, aqueles bons prestadores de serviço, que, neste momento, estão em casa, aflitos, pensando em como será o amanhã.

Eis uma situação digna de registro, nesse mesmo espectro: há poucos dias, fiquei sabendo que, em determinado edifício da capital, os moradores se reuniram com hostilidade contra alguns enfermeiros. Estes, sem poder voltar para casa em razão de estarem na linha de frente do combate ao Covid-19, foram alvos de manifestações raivosas, pelo fato de estabelecerem residência temporária naquele condomínio. Vejam só: os algozes sequer pararam para pensar que talvez viessem a precisar, ao chegar em qualquer hospital, dos mesmos alvos de seu ódio e incompreensão. “O inferno são os outros”, já alertava Jean Paul Sartre.

Entretanto, nenhuma conquista advém do egoísmo e da falta de empatia. Nenhuma vitória, por mínima que seja, surge de um sujeito isolado, sozinho, sem Deus, sem levar em consideração o outro e seu contexto. Podemos vencer a Covid-19, mas a quarentena, a que estamos submetidos, deixará profundas marcas – boas ou ruins - na alma de todos. Nunca foram tão precisas as palavras do poeta Caio Fernando Abreu: “[...] que nos falte egoísmo. Que nos sobre paciência. Que sejamos capazes de enxergar algo de bom em cada momento ruim que nos acontecer”.

A história de todos e minha experiência me autorizam a reafirmar que a humanidade tem uma capacidade incrível de se reinventar. De pensar e agir coletivamente. De fazer coisas extraordinárias. De avançar e definir novas formas de existir. Não sejamos egoístas. Façamos parte do grupo das pessoas melhores, solidárias, no novo cotidiano que está por vir.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado em O Estado do MA, em 13/06/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento