Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

Não bastasse o vírus que grassa em todos os cantos do planeta e acumula nefastas consequências, eis que nos deparamos, novamente, com a chaga exposta da intolerável e inaceitável violência racista, na cena recentemente projetada a todo o mundo. Refiro-me ao episódio de Derek Chauvin contra George Floyd. Nos Estados Unidos, o policial rendeu, covardemente, o ex-segurança de um restaurante e, com sua ação, causou-lhe a morte. Agravante: eles se conheciam há vários anos; trabalharam juntos como seguranças num estabelecimento comercial. Chauvin, branco; Floyd, negro.

Floyd estava empregado, até a pandemia se instalar e causar seu desemprego. Em decorrência do isolamento social, o restaurante em que trabalhava não teve mais como manter os funcionários. No dia de sua fatídica morte, ele havia sido detido, por tentar, supostamente, pagar as compras que fizera numa mercearia em Minneapolis, com uma nota falsificada de vinte dólares.

Diante desse fato, as reações ecoaram, imediatamente, por todo o planeta, como rastilho de pólvora. Manifestações e discursos se levantaram, mãos dadas, corações unidos. No Brasil, cursos preparatórios sortearam bolsas para pessoas negras. Manifestos foram publicados contra o que acontecia naquele país, palco dessa tragédia, onde, um dia, o pastor Martin Luther King discursou para uma multidão: “Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos julgados por sua personalidade, não pela cor de sua pele”. A frase ainda ecoa como um grito clamando por se realizar. Os EUA, a maior e mais antiga democracia do mundo, carrega essa chaga em seu âmago. E é uma dor social e humana.

Sempre achei o racismo odioso. Na condição de reitor da Universidade Federal do Maranhão, tenho a alegria de ser um dos incentivadores da criação do curso de graduação “Licenciatura Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros”, o primeiro a ser criado no país. Também fui o coordenador de um grande projeto que acompanhou as condições de saúde dos quilombolas em Alcântara. Conheci pessoas fantásticas e histórias de afirmação e superação de um passado marcado pela opressão, preconceito e exclusão de toda sorte.

É da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, uma das mais conhecidas intelectuais da atualidade, a triste constatação: “Racismo nunca deveria ter acontecido”. Mas, infelizmente, aconteceu e ainda acontece, em suas mais diversas e disfarçadas formas, e é um problema que pede contínua vigilância. A razão dessa permanência atende a uma condição social e psíquica do homem: um sentimento de tribo que inferioriza, anula e mata o outro, sobre quem, por algum tipo de razão racista, seja derramado ódio e perversidade. Racismo, eugenia, ideias supremacistas são como uma doença incurável que jamais se afasta do doente e sempre está à espreita para recidivar. A cura é suposta, pontual e momentânea, em situações particulares. A metástase aparecerá em outro lugar do corpo da humanidade.

Os grandes catalizadores são as carências, as vergonhas não elaboradas e superadas que pedem vinganças; as crises econômicas; os cataclismas, que fazem emergir o pior do homem e as colheitas históricas que alimentam os impulsos violentos contra aqueles que são eleitos como bodes expiatórios para o alívio das sombras da alma de certos grupos. Seus efeitos vão se mascarando entre a covardia e o olhar distorcido da cantilena infernal de que são superiores. É esta a natureza básica do racista.

O pano de fundo dessa história conta, também, com o coronavírus. Diante de um fato bárbaro como esse e de outros a que temos assistido, o vírus está lá, à espreita, como uma espécie de gatilho que dispara o contexto propício às cenas como essa de Derek Chauvin contra George Floyd, mais perigosas do que a Covid-19. Infelizmente, deixo impressões preocupantes sobre um trágico episódio de uma guerra cotidiana, entre cujos personagens destaco o vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado em O Estado do MA, em 27/06/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento