Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Tempos pandêmicos para secretas lições

Margareth Dalcolmo, médica e pesquisadora da FioCruz, surpreendeu a todos nós, participantes do Simpósio sobre Pandemia e Literatura, ao revelar que a leitura de A Montanha Mágica foi sua inspiração para a escolha da especialidade à qual tem se dedicado há quarenta anos: a Pneumologia.

Sendo um romance dos mais influentes do séc. XX, começou a ser escrito por Thomas Mann, antes da Primeira Grande Guerra, e foi interrompido pela tuberculose que sua esposa teve, tendo sido internada em um sanatório na Suíça. Estes dois eventos terão profundas consequências no enredo da obra, retomada em 1919. O romance contribuiu para Thomas Mann receber o prêmio Nobel, em 1929. O sanatório representou a Europa da época com seus personagens e com as diversas encarnações culturais e ideológicas daquele momento.

Acerca da tuberculose, Dalcolmo discorreu sobre a variação de nomes com os quais a doença já foi denominada ao longo da história e fez menção à imensa lista de vítimas da tísica.  No Brasil, dentro desse rol, está José de Anchieta, missionário na evangelização dos indígenas. Estão, também, além de uma infinidade de pessoas desconhecidas, intelectuais, poetas e escritores tais como Manoel Bandeira, Mário de Andrade, Ferreira Gullar, Martins Pena, Afonso Arinos, Álvares de Azevedo, Cruz e Souza, Euclides da Cunha, Casimiro de Abreu, Noel Rosa e Nelson Rodrigues. Mas é em Roland Barthes que a conferencista destaca pontos de intercessão com o personagem central de Mann, Castorp, em A Montanha Mágica.

Por um lado, para tratar uma tuberculose, Castorp, um jovem estudante de engenharia naval, atravessa sete anos no sanatório Berghof, em Davos, fato que irá mudar completamente sua vida. Esta radical mudança força-o a rever suas prioridades, a partir de outros temas que as regem, diante do tempo contado, porém indefinido. Curado, Castorp entra nas fileiras de soldados da guerra e se torna apenas um homem perdido entre milhares que guerreiam entre si. A individualidade é, aparentemente, perdida entre tantos outros que são meras armas. No dizer de Dalcolmo, é Hans Castorp “um personagem antiherói, anti-épico, pouco pathos, pouco ethos”. 

Por outro lado, Dalcolmo aplica à experiência do personagem o vivido por Barthes:  “deitado todo dia, dias e dias, conforme prescrito na norma sanatorial” e inscrito entre a “melancolia da amargura e o frenesi intelectual”, é exposto, nas palavras de Dalcolmo, a "experiências superponíveis da comunidade que a tuberculose cria: doença sem dor, incoerente, característica, sem odores e que não tem outros vestígios a não ser o tempo interminável e o tabu social do contágio."

Ao se propor a analisar o tempo na narrativa do escritor alemão Thomas Mann, Dalcolmo foi surpreendente e positiva na temática que ela escolheu para abordar a obra A Montanha Mágica, relacionando Pandemia e Literatura. Com um texto intitulado “Da peste branca e do tempo”, lembrou que as pestes acompanham o homem há milênios, citando o aviso divino no livro bíblico de Deuteronômio e referindo-se ao fato de ser a Covid 19 a primeira praga a receber o epíteto de digital.

Sim, Dalcomo captura de A Montanha Mágica o tempo explicado por Mann: “não aquele que marcam os relógios de estação, cujo ponteiro grande dá saltos bruscos”, mas “o tempo, à sua maneira silenciosa, imperceptível, secreta e, contudo, ativa, (...) continuando a trazer consigo transformações.” 

O tempo das pestes coloca a vida diante da doença e da morte. Não tem início nem fim. É de pausa e isolamento, propício a rever o sentido das coisas e a decidir pelas reais necessidades. É este também o tempo que vivemos na pandemia do Coronavírus: um período apropriado para a reflexão sobre nossas capacidades e sobre quem somos. A ameaça à nossa vida pode funcionar como um gatilho que desperta em nós a busca por um significado maior da nossa existência. Que os sobreviventes continuem abrindo espaço para “a passagem secreta do tempo” que nos ensina a procurar a cura para outros males.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado em O Estado do MA, em 01/08/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento