Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Medicina: um dom e uma missão

No dia 18 de outubro, comemora-se o dia do médico. Trata-se de uma data importante, e na condição de representante da área, creio que não há motivo para se sentir especial, pois sei que nossa humanidade, com todas as suas fraquezas e maravilhas, dá a nós a exata medida. Mas é inconteste a alegria de fazer parte de algo extraordinário que tem sido acompanhar o avanço da ciência médica ao longo deste breve tempo, o que tem permitido tratamentos e práticas mais eficazes nos serviços oferecidos em todas as especialidades.

Nos últimos trinta anos, o Brasil obteve avanços na área da saúde. O advento da Lei Orgânica da Saúde de 1990, fruto da histórica Constituição Cidadã de 1988, realizou uma pequena revolução na organização da saúde pública, agregando ferramentas modernas de gestão; fundamentando princípios de atuação em pesquisa; mudando o paradigma hospitalocêntrico em atenção básica, cujo principal foco é a prevenção; e, ainda, organizando as mais diversas formas de coleta de dados, o que possibilitou uma bem estruturada epidemiologia e os mais diversos programas de atenção à saúde dos cidadãos. Houve avanços, não se pode negar. Considerando o tamanho da população atendida, o nosso país é detentor do maior serviço de saúde pública do mundo.

Porém, ainda se vê dois grandes brasis separados por um fosso persistente. Um que tem oferta abundante de serviços de melhor qualidade e maior disponibilidade de profissionais médicos, com índices iguais aos europeus; e um outro com características africanas nos dois quesitos. 

O Brasil, curiosamente, ocupa o quinto lugar no mundo em número absoluto de médicos. São quase 400 mil profissionais. A pesquisa “Demografia Médica no Brasil” (CFM – 2011) constatou que o número de médicos cresceu 21,3% na última década, enquanto a população aumentou apenas 12,3%.

A mesma pesquisa registra que há dois tipos de concentração: uma nas regiões e a outra, talvez mais grave, no espaço de trabalho. O setor privado apresenta a relação de 7,6 postos de trabalho médico ocupado para seus clientes, enquanto o SUS, insignificantes 1,95 postos ocupados. A situação é grave e requer planejamento e projetos inovadores para o profissional da carreira médica, incluindo sua melhor qualificação. É preciso olhar também o Sistema Único de Saúde como organização e criar mais dispositivos que possibilite sua fiel execução por parte dos gestores. A exemplo da Lei de Responsabilidade Fiscal, uma Lei de Responsabilidade Sanitária atenderia aos itens de metas, qualidade dos serviços e aplicação dos recursos.

Além disso, é preciso, por parte das autoridades, em todas as esferas de governo, destinar uma atenção especial para o profissional médico. Tal atenção pode ser viabilizada tanto na adoção de uma estratégia e desenvolvimento de um plano de carreira, cargos e salários que oferte uma remuneração justa, o que muito contribuiria para resolver o problema de contratação, manutenção e fixação de médicos nos estados e municípios mais longíquos; quanto no gerenciamento de recursos públicos em materiais e nas condições de trabalho dignas nas unidades de saúde pública. Acima de tudo, investimento na qualificação constante para que o profissional esteja em sintonia com as inovadoras tecnologias que hoje cercam a medicina de forma muito mais rápida.

Tomo como exemplo o Hospital Universitário da UFMA que, no tocante à qualidade de serviços, tem desenvolvido políticas de valorização e permanência dos seus profissionais. Isso acontece em razão de investimento de recursos que tem recebido nos últimos anos. Por isso, é hoje, no Brasil, um hospital de alta complexidade em cirurgias de coração, transplantes, neurocirurgia e pesquisa.  Além de ser o maior centro formador de recursos humanos na área da saúde, a exemplo da graduação, residência médica e multiprofissional. Vale também destacar a Universidade Aberta do SUS, que atende quase 3 mil alunos atualmente, os quais são capacitados nas especialidades materno infantil, saúde da família e saúde mental, sendo este último o único curso no país.

Reconheço, entretanto, que existem enormes desafios a serem superados. Mas acima da árdua batalha contra recursos escassos de toda natureza, também se faz mister invocar, como alento, exemplos a serem seguidos por todas as gerações, como o do médico Evangelista Lucas, que teve o privilégio de acompanhar São Paulo e narrar os feitos dos apóstolos no livro de Atos e de escrever sua versão do evangelho; o de Hipócrates, que todos nós que vivemos a Medicina conhecemos, pois ficou eternizado como aquele que subiu o monte e teve a visão de que, para além das explicações místicas dos males que acometiam as pessoas, o castigo dos deuses ou apenas a sua ausência de cuidados de seus adoradores, as interações entre o homem e o meio eram outras formas de explicar as doenças.

Ao longo dos séculos de existência da medicina, um caminho de descobertas e feitos extraordinários nos alumbra. Que tenhamos a sabedoria e prudência necessárias de seguir os passos dos verdadeiros praticantes de um humanismo necessário    ainda hoje    em cada prescrição, em cada escuta, na perda e na alegria da recuperação.

Enfim, a todos que abraçaram a medicina como sacerdócio e que se esforçam em desenvolver o dom que lhes foi confiado por Deus, o meu reconhecimento e sentimento de felicitações mais sinceros.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 21/10/2012

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento