Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Saúde e educação nas entranhas da cidade

As impurezas já deveriam estar sendo completamente depuradas nas entranhas da cidade.  Entretanto, em muitos lugares, não há nem banheiro.  Isso me faz lembrar Poema Sujo do poeta Ferreira Gullar. Ele disse, em outras palavras, que as necessárias impurezas de toda espécie que o mundo precisa escoar para o mais profundo, por meio dos ralos, permanecem no raso das cidades. Por isso, é preciso sujar esta crônica com as entortas subterrâneas: algumas, invisíveis; outras, inexistentes, que, por nunca terem sido construídas, sonegam, por exemplo, o direito dos cidadãos à água potável.

Esse subterrâneo que toda cidade tem como órgão excretor é o que, no urbanismo, é chamado de saneamento. Recentemente, o novo marco legal do saneamento básico trouxe uma esperança num setor carente de diversos investimentos e pretende garantir a milhares de brasileiros o acesso à água tratada e a uma rede eficiente de serviços de coleta de esgoto.

Esse fato é de suma importância, porque a falta de iniciativa, nesse setor, reflete-se, inclusive, em resultados para a educação. Em debate virtual, a engenheira Teresa Vernaglia, Chief Executive Officer (CEO) de uma grande companhia, compartilhou que meninas sem banheiro em casa têm notas 25% menores no ENEM.[1] A constatação assusta, porque o Brasil se ressente de regras mais claras para a infraestrutura. É preocupante a relação que essa falta faz aos estudos.

O blog Trata Brasil[2] dá conta de que, “em 2010, a escolaridade média sem saneamento foi de 6,81 anos, enquanto em 2017 quem não tinha saneamento estudava por volta de 7,32 anos. Cerca de 0,41 anos a mais em um período de 8 anos. Mesmo ocorrendo avanços, a diferença ainda é mínima para um período de tempo tão longo”. Em 2019, o Instituto Millenium, em parceria com a Eight Data Intelligence, divulgou, na revista EXAME, dados ainda mais alarmantes: “o Brasil também tem 11,6 milhões de pessoas que chegaram aos 18 anos analfabetas, o equivalente a 7,4% da população dessa mesma faixa etária.[3]

O problema se agrava pelo fato de o Brasil ter se comprometido com o Objetivo do Milênio das Nações Unidas de minimizar, até 2015, o número de pessoas desassistidas de saneamento básico. Quem vive em locais onde há infraestrutura, sequer imagina que, numa mesma cidade, o número de crianças, jovens e adultos que padecem da falta desse direito revela uma espécie de barbárie.

Se a Constituição Federal preconiza a dignidade da pessoa humana, e se, no artigo 225, estabelece que “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida”[4], a falta de respeito a esse princípio e a falta de garantia ao direito à qualidade de vida - com saúde - passa por um saneamento básico que contemple todas as áreas desse nosso imenso país. Esta é a grande esperança que o novo marco legal nos traz. Em meio ao protocolo de higiene rigoroso que passamos a adotar nesta época de coronavírus, a disponibilidade de àgua e de saneamento básico interfere diretamente no sucesso do combate à doença disseminada de forma pandêmica.

Retorno aos versos do poeta que pensou mais longe do que a água potável conseguiria chegar, quando os escreveu para esta cidade de São Luís: “Me reflito em tuas águas recolhidas:/ no copo d’água/no pote d’água/na tina d’água/no banho nu no banheiro/vestido com as roupas de tuas águas/que logo me despem e descem/diligentes para o ralo/como se de antemão soubessem/ para onde ir/Para onde foram essas águas de tantos banhos de tarde?/rolamos com aquelas tardes/ nos ralos do esgoto/ e rolo eu /agora/no abismo dos cheiros”.(1975)

Gullar escorreu intensamente as impurezas do mundo e das pessoas por meio do poema que provoca agora a necessária lição do escoamento por meio desta crônica. É preciso mais que a realidade do saneamento para entender que os resultados para todo tipo de saúde e de educação dependem de como são tratadas as entranhas da cidade.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publica em O Estado do MA, em 18/07/2020

 

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento