Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Entre linhas de luz

Poeta, letrista, roteirista de teatro, cinema e televisão, ocupante da cadeira de número 24 da Academia Brasileira de Letras, Geraldo Carneiro foi um dos que, em sessão especial da Academia Nacional de Medicina, inspiraram-se em clássicos da literatura, para refletir que é possível enxergar, apesar da escuridão destes tempos de Covid 19.

Naquela tarde, Carneiro nos conduziu a reflexões sobre o que se colhe de nossas escolhas. De início, citou Édipo Rei, de Sófocles. Governante sob terrível praga, o solidário rei envida esforços para saber a origem do castigo e descobre que já estava previsto no oráculo. Por sua vez, os cidadãos clamam ao deus Apolo para que os livre do mal. Além de parricida, Édipo cometeu o desatino de ter casado com a própria mãe, Jocasta. Ela prefere a morte, ao se dar conta de seu infortúnio. Resignado com maldita sorte, Édipo fura os olhos e deixa a cidade.

O poeta explica: “hybris é o humano comportamento caracterizado pela desobediência aos ditames dos deuses, o que dá lugar a Nêmesis – deusa da vingança e da justiça distributiva”. Passa a relacionar a tragédia de Sófocles à de Shakespeare, por meio da mitologia grega e coloca a humanidade como protagonista da hybris, que assola a natureza e é castigada por Nêmesis.

Carneiro afirma ter sido Shakespeare quase um especialista em pestes: ele viveu numa época castigada pelas epidemias, sendo uma das piores a de 1593, quando chegou a dizimar cerca de mil pessoas por semana – numa Londres de apenas duzentas mil pessoas. Fecharam-se os teatros e toda espécie de diversão. Por experiência própria, Shakespeare escreveu em O rei Lear: “é o mal dos tempos, quando os loucos guiam os cegos”.

Nessa atmosfera sombria, Carneiro introduz a “Verona imaginária de Shakespeare”. Naquela tarde, como num roteiro de cinema, foi relembrada a universal história de Romeu e Julieta, “um romance trágico e composto de vários dos mais belos diálogos de amor de todos os tempos”, na ambivalência entre luz e escuridão, quando o amor mata ou a peste surpreende.

Naquele momento, a Literatura reproduziu para a Medicina uma fala de Romeu que pergunta a certa altura da obra: (...) “Que luz surge lá no alto, na janela? / Ali é o Leste, e Julieta é o Sol./ Levante, Sol, faça morrer a Lua Ciumenta/que já sofre e empalidece/ Porque você, sua serva, é mais formosa.”  Ao que Julieta responde: (...) “O que há num nome? /O que chamamos rosa teria o mesmo cheiro com outro nome;/ E assim Romeu, chamado de outra coisa/ Continuaria sempre a ser perfeito com outro nome/ Mude-o, Romeu, /E, em troca dele, que não é você/ Fique comigo”.

E o poeta continua dizendo que, em Romeu e Julieta, vemos duas espécies de epidemias: a primeira, da violência do ódio entre duas famílias. A segunda, do amor proibido e seus graves efeitos: a morte dos amantes das duas famílias ricas e inimigas, cada qual com um único filho: Romeu, um Montecchio; Julieta, uma Capuleto. O amor impossível causa várias tragédias à volta, a exemplo da morte dos primos de ambos: Mercúcio e Teobaldo. O primeiro, ao ser mortalmente atingido, lançauma maldição: “Que a peste caia sobre vossas duas casas!”.

As tragédias nos despertam do sono da indolência e nos convidam a  novos desfechos em nossas curtas histórias: foi preciso que Romeu e Julieta morressem, para que a paz fosse restabelecida, assim como tem sido necessário o isolamento social neste tempo pandêmico de tantas mortes, para ressignificar nossa existência, com nossos amores e até com nossos infortúnios.

Assim como foi necessária a Lua na noite escura para Romeu se dar conta do Sol – sua Julieta;  assim como é necessária a noite para se esperar o dia renascer, também  este momento de Covid19, quando nos sentimos cegos guiados por loucos, há um evento arrebatador que nos acorda. O amor de Romeu e Julieta, as pestes, a pandemia do coronavírus têm uma espécie de condão que nos arranca da vida banal e nos faz valorizar coisas pequenas, mais iluminadas na escuridão das dores, do que na paisagem cinzenta dos dias normais.

 

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado no jornal O Estado do Maranhão, em 08/08/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento