Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Medicina e Literatura: mais que a vida

A Academia Nacional de Medicina lançou mão de uma iniciativa genial: um Simpósio sobre Literatura e Medicina, no dia 16 de julho, de 15h às 20h. O simpósio, proposto pelo Acadêmico Gilberto Schwartsmann, será coordenado por ele e pelo acadêmico Ricardo Cruz. Serão relatores três membros da Academia Nacional de Medicina: Gilberto Schwartsmann, José de Jesus Camargo e José Osmar Medina; três membros da Academia Brasileira de Letras: Geraldo Carneiro, Domício Proença, Nélida Piñon; uma representante da FioCruz/PUC-RJ,  a Dra. Margareth Dalcomo.

Foi compilada a lista sugerida para o simpósio que será realizado pela Academia Nacional de Medicina. Trata-se de algumas das mais importantes obras literárias que interligam vivências e experiências – seja pelos relatos verídicos, seja pelas ficções, expondo alguma face das pestes que assolaram a humanidade. São as seguintes: Moby Dick de Herman Melville; A montanha mágica de Thomas Mann; Romeu e Julieta de William Shakespeare; Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago; Chão de Ferro (Memórias/ 3) de Pedro Nava; A Peste de Albert Camus e Decameron de Giovanni Boccaccio. As mudanças são o fio condutor entre elas. Algumas graduais, causadas por uma nova forma de pensar ante às experiências marcantes da vida; outras avassaladoras, causadas pela tristeza, doença e morte; outras, ainda, duradouras: as que impõem uma guinada radical de comportamento, ocasionada por fatores externos.

Diante da verossimilhança própria da literatura, acredito ter sido esta escolha uma difícil tarefa, porque são diversas as obras que favorecem o pensar sobre estes tempos pandêmicos. O que dizer de Dom Quixote, clássico de Cervantes, que narra a trajetória de um cavaleiro e seu fiel escudeiro a combater o mal, este na forma de moinhos de vento? O que pensar, ao ler o brilhante romance de Gabriel García Marquez, sobre sentimento e doença, em “O amor nos tempos do cólera”? O que sentir diante da história futurista, The Last Man (“O Último Homem”, de 1826), escrita por Mary Shelley, a qual se passa na Grã-Bretanha dos anos 2070 e 2100 e que tem uma praga como cenário?

Mais exemplos:  Desta Terra Nada Vai Sobrar, a Não Ser o Vento que Sopra sobre Ela, de Ignácio de Loyola Brandão; A Aranha Negra, de Jeremias Gottheld e Um Diário do Ano da Peste, de Daniel Defoe. E ainda: A Dança da Morte, de Stephen King, que trata, vejam só, dos desdobramentos sociais ocorridos a partir da falta de controle de um governo em lidar com as pragas.

Enfim, como disse nosso conterrâneo Ferreira Gullar, “a arte existe porque a vida não basta”. Ler é viajar por mundos desconhecidos, onde tudo, mesmo que antigo, parece novo, por nunca termos vivido. Como, por exemplo, a experiência das sensações e aprendizados de uma vida sem aglomeração, sem estradas perigosas, sem engarrafamentos, sem rodoviárias e aeroportos superlotados e sem o risco de contaminação. Pelo livro, a viagem vale mais pela reflexão do que pelo deslocamento. Viajando pela leitura, ir é muito menos do que pensar. A literatura serve como aríete. Por ela, a humanidade também revive as crises e responde a elas. Por meio do que perpetuou o genial romancista Machado de Assis, qual realidade, além daquela, é evocada pela crise narrada em O alienista, em que a população se divide entre apoiar e atacar Simão Bacamarte, psiquiatra de métodos não ortodoxos?

Sem dúvida, a literatura inscreve na imortalidade não só a breve existência de poucos mortais, mas também seus tempos, suas épocas, suas crises e enfrentamentos, de um modo particular. Os fatos têm um sentido a mais do que a informação. A realidade que portam é dispersiva, quase um objeto de contemplação, quase as paisagens que compõem os sentidos mais profundos da viagem.

A Literatura é necessária, porque só a vida não é suficiente. Quando a Medicina lê obras literárias, está se alimentando não das doenças, mas da lição das dores; não da morte, mas da transitoriedade da carne; não das pragas, mas do que elas podem ensinar sobre existência e poder, quando o que surpreende nas pandemias é a fragilidade humana e os limites das egoístas e ambiciosas sociedades.

 

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Publicado no jornal O Estado do Maranhão, em 11/07/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento