Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Ciência a serviço da vida

Tive a alegria de participar, no último dia 18 de junho, de um simpósio virtual realizado pela Academia Nacional de Medicina, em homenagem aos 120 anos da Fundação Oswaldo Cruz. O evento teve o incentivo do presidente da Academia, Rubens Belfort Jr, e a condução do coordenador do simpósio e das Relações Internacionais da Fundação, Paulo Buss, além da participação de diversos acadêmicos, integrantes de órgãos ligados à ciência, reitores e pesquisadores. Destaco, ainda, a participação da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, primeira mulher a ocupar a presidência daquela instituição. Nas falas e manifestações, diversas reflexões importantes foram expostas sobre essa que é a única instituição do mundo com multidisciplinaridade científica, abarcando ações plurais, com foco no desenvolvimento médico, sanitário e, sobretudo, humano.

As duas décadas, acrescidas ao centenário da Fundação Oswaldo Cruz, desafiam quaisquer palavras de merecido reconhecimento. Orgulho nacional, a instituição tem marcado a história do povo brasileiro nas mais diferentes faixas etárias e, principalmente, tem atendido ao chamado da coragem, em épocas de crise e desafios. Sempre olho para a Fiocruz como uma instituição que paira entre passado e futuro, de forma privilegiada. A instituição é, não só guardiã de memórias relevantes, mas também profeta de inovações. Essa imagem institucional me remete à metáfora de Jano, figura mitológica a quem foi dado por Saturno o dom de enxergar, ao mesmo tempo, passado e futuro. Sua estátua o reproduz como alguém que tem nas mãos uma chave e uma vareta, simbologia daquele que abre portas e aponta caminhos.

Os tempos denominados pandêmicos são propícios para que se confirme a resistência dos bravos. Sabe-se que a Fundação Oswaldo Cruz nasceu em meio a outra grave crise sanitária que se abateu sobre a humanidade. Nos idos de 1900, a peste bubônica ceifava vidas com ferocidade semelhante à Covid 19 e coube a Oswaldo Cruz, jovem médico, o papel de Dom Quixote, numa cruzada pela adoção de um protocolo de enfrentamento sanitário. No lugar dos imaginários moinhos de vento da literatura de Cervantes, Cruz deparou-se com os reais moinhos de revoltas e resistências de toda sorte. Mas os visionários são, por natureza, indesistíveis.

As histórias da Academia Nacional de Medicina e da Fundação Osvaldo Cruz se interligaram de diversas formas: primeiro, quando do ingresso de Oswaldo Cruz, na ANM e, depois, pela presença, nos quadros da ANM, de diversos integrantes da Fiocruz.

Neste 2020, a instituição continua dando mostras de sua grandeza: em menos de dois meses, construiu, em Manguinhos, uma gigantesca unidade hospitalar destinada a pacientes graves contaminados pela COVID 19 que, diferente de outros hospitais de campanha, ficará como um legado para o SUS e para a sociedade brasileira. Diante dessa grande história institucional, achei oportuno citar os conhecidos versos da Canção do Tamoio do poeta maranhense Gonçalves Dias que, em sábio conselho, proclama: "No passo da morte/ Triunfa, conquista/ Mais alto brasão. (...) Viver é lutar. Se o duro combate/Os fracos abate/ Aos fortes, aos bravos/Só pode exaltar”.

Em Manguinhos, arcabouços físicos sustentam e promovem a expansão da ciência, da tecnologia e da inovação. Ali, mentes privilegiadas assumem compromissos diários com a erradicação de desigualdades sociais, com o fortalecimento do SUS e com a pesquisa séria e dedicada. Tendo como berço uma crise sanitária, a Fiocruz cresceu, engrandeceu. Às voltas com o cenário semelhante ao seu nascedouro, esta centenária instituição vê seu nome ultrapassar fronteiras, a ponto de merecer da Organização Mundial de Saúde o epíteto de laboratório de referência das Américas, no enfrentamento à praga da Covid 19, uma ratificação de seu já conhecido papel de promotora de saúde e qualidade de vida em seus mais diversos aspectos.

Em meio aos tempos tenebrosos, temos o regozijo de ver a forte e brava Fiocruz resistindo às lutas e batalhas, enquanto alça voos mais altos nos céus do orgulho nacional, pela valorização da ciência. A Fiocruz, assim como Jano, é nosso repositório não só de história sanitária e científica, mas também a precursora de uma profícua produção tecnológica, neste novo amanhã que já começa hoje.

Natalino Salgado Filho
Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

 

Publicado no jornal O Estado do Maranhão em 27/06/2020

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento