Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

O cenário das pragas na vida e na literatura

Como nossos descendentes lerão a respeito de nós, quando procurarem informações sobre esta que já é considerada uma das maiores pragas de todos os tempos? Que julgamentos serão formados, que entendimentos serão estabelecidos? Material já existe às fartas: ficção e realidade se encontram nestes dias que teimam em não acabar. Enquanto esperamos, os jornais guardam registros de grandes epidemias e a literatura encena os dramas, um dia vividos, por causa das pestes.

Os jornais do início do século passado nos revelam que, no Brasil, houve um surto de febre amarela, que remonta a 1685; que houve, também, uma grave peste que se instalou na então província de Pernambuco, em 1855, e a tão famosa gripe espanhola, surgida em 1918, causada por um vírus influenza, a qual vitimou o então presidente do Brasil, Rodrigues Alves, que morreu em decorrência da doença, em 1919. De 1970 a 1974, uma escondida epidemia de meningite fez diversas vítimas em São Paulo e, mais recentemente, foram registrados surtos menores da chamada gripe suína e H1N1.

Quanto à literatura, que opera por verossimilhança, um dos clássicos mais lembrados nos últimos tempos é do argelino Albert Camus, cuja obra universal, intitulada A peste, tem muito a nos dizer sobre os mesmos sentimentos aflitivos e a solidariedade descoberta pelos trabalhadores da cidade de Oran, na Argélia. “Já não havia destinos individuais, mas uma história coletiva que era a peste e sentimentos compartilhados por todos”. E a lição é esta: que aqui a praga do coronavírus também nos abandone, assim como, naquele lugar, um dia os ratos, inexplicavelmente, deixaram os moradores em paz.

Outra obra – Decamerão - de Giovanni Boccaccio mimetiza os efeitos da praga em Florença, na Itália do século XIV, quando a peste negra varria as cidades da Europa. Um compilado de histórias surreais é criado por um grupo de jovens, que se exilou para fugir daquele cenário avassalador. Chama a atenção, no livro, a descrição da peste, que, guardadas as devidas proporções, mostra-nos uma realidade que já nos parece familiar: “(...) E, dentre esses que tinham tão variadas opiniões, embora não morressem todos, também nem todos se salvavam: ao contrário, adoeciam muitos que pensavam de modos diversos, em todos os lugares; e esses doentes, que, quando estavam sãos, tinham dado exemplo àqueles que agora continuavam sãos(...).”
Machado de Assis, por sua vez, inscrito no panteão mundial dos melhores escritores de todos os tempos, comenta, no romance A mão e a luva: “a Corte divertia-se, apesar dos recentes estragos do cólera; bailava-se, cantava-se, ia-se ao teatro” e, mais adiante, nomeia a praga, quando justifica o receio de alguns em viajar: “era o perigo de afrontar o cólera-morbus que por aquele tempo percorria alguns pontos do interior”.

O Bruxo do Cosme Velho voltaria a fazer citações às doenças pestilentas em outros momentos. Os conhecedores de suas obras certamente hão de lembrar. Mas, aos que ainda não as leram, recomendo que aproveitem a quarentena para conhecê-las.
Outro exemplo da literatura, tão marcante quanto os já citados, é O amor nos tempos do cólera, escrito pelo colombiano Gabriel García Marquez. É a narrativa do amor guardado, por mais de 50 anos, de Florentizo Ariza e Fermina Daza, o qual refloresce num navio, em meio à epidemia. Outro ainda, levado às telas por nosso conterrâneo Fernando Meirelles, é Ensaio sobre a cegueira, obra de José Saramago, que nos atormenta com a ideia do sofrimento de alguém com visão em plena terra de cegos. Era uma cegueira coletiva que, insidiosamente, instalava-se e, da mesma forma, esvaía-se. Mas as lições deixadas na alma dos atingidos, essas perdurariam.
Sem dúvida nenhuma, os relatos que herdamos nos servem muito de lenitivo, a despeito do número de mortos, das dores, do medo, da crise econômica e dos novos modos de existência a que temos, forçosamente, que nos adaptar. Escrever é uma das formas de reinventar e antecipar o futuro. Que estes dias reais, agora vividos, logo sejam transpostos da realidade para a ficção. E que, assim como houve o cessar das pestes que inspiraram os cenários de terror das obras literárias aqui comentadas, nosso coração se anime no aguardo do fim destes dias igualmente tenebrosos.

Natalino Salgado Filho

Reitor da UFMA, Titular da Academia Nacional de Medicina, de Letras do MA e da AMM.

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento