Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Dia Internacional da Mulher

Para elas

(...) tende piedade, Senhor, de todas as mulheres
Que ninguém mais merece tanto amor e amizade
Que ninguém mais deseja tanto poesia e sinceridade
Que ninguém mais precisa tanto de alegria e serenidade. (Desespero da piedade, Vinicius de Moraes)

A propósito do Dia Internacional da Mulher, celebrado neste 8 de março, vale a pena destacar uma excelente notícia na área da ciência. Em fevereiro deste ano, o projeto Open Box da Ciência identificou 250 pesquisadoras mais influentes em diversas áreas de conhecimento, numa forma de dar maior visibilidade aos trabalhos dessas mulheres.

Escolhi essa excelente notícia para ratificar a importância e relevância que a mulher vem conquistando em diversos espaços, à proporção que, pouco a pouco, vão vencendo uma série de barreiras que por muitos anos impediram esse reconhecimento. Elas já são maioria no país, de acordo com os números fornecidos pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C) 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somos hoje no Brasil 48,4% de homens e 51,6% de mulheres. A despeito de serem maioria e das conquistas alcançadas, reconheço que ainda resta um longo caminho a ser percorrido rumo à sonhada igualdade de gênero, onde haja equivalência de oportunidades e direitos.

Mas hoje é dia de celebrar todas as mulheres, primeiro  pelo dom da maternidade que confere à mulher o sinônimo de amor. São corajosas, inteligentes, realizadoras, e, nos versos de Vinícius, são seres que merecem dádivas especiais.

Como todos nós estamos cercados por mulheres, sejam mães, irmãs, filhas, netas e amigas, entendo de grande relevância celebrar o que essas mulheres reais representam, cada qual com seu imenso valor, não só humano, mas também afetivo. Por serem pessoas que fazem a diferença em nossas vidas – para melhor – pensei neste tema como um modo de homenageá-las com este artigo.

Uso a expressão “mulheres reais” porque são as que, como milhões de outras, estão na vida cotidiana, dando conta de tantas atividades e que, neste mister, tornam a nossa vida mais plena, mais feliz e realizada. Celebro este dia porque reconheço a bênção de ser um homem de uma geração que aprendeu a reconhecer que caminhar ao lado das mulheres nos dá não só a inteireza de nós mesmos, mas também contribui de forma inestimável para a vida, porque elas agregam, alimentam e ensinam, com sua verve feminina criativa; com sua expertise afetiva, filosófica e também técnica, a lidar tantas vezes com problemas complexos.

Muito antes de nossa geração, mulheres corajosas tiveram que enfrentar um mundo hostil e preconceituoso contra a simples emancipação como direito inerente à condição humana, que lhes era, entretanto, negado por princípios que só empobreciam nossas sociedades. Mas a ousadia daquelas mulheres criou um mundo diversificado e esperançoso; deu lugar e voz à mulher e então nossas filhas podem almejar voos altos porque sua liberdade pode enfim ser vivida e experienciada nas mais diversas situações. As expectativas para uma menina hoje é de que ela seja aquilo que seus dons e talentos ditarem. Aquilo que sua vocação mandar, o que seu coração ditar, ao contrário do passado ou de tempos em que à mulher não era concedida a própria voz para seus questionamentos.

 

A escritora Adélia Prado, em sua “Licença poética”, parafraseando o poeta Carlos Drummond de Andrade, cunhou em poesia um pouco do ser mulher: “Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou: vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. (...), mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina. Inauguro linhagens, fundo reinos — dor não é amargura. (...) Mulher é desdobrável. Eu sou.” Diz também Clarice Lispector, em “A hora da Estrela”: “O destino de uma mulher é ser mulher”.  Ser várias, sem perder a singularidade; ser forte, sem perder a delicadeza – eis o desafio.

A todas as mulheres – e aqui incluo minha amada mãe (que já partiu desta existência), esposa, filha, nora, irmãs, primas, tias, sobrinhas, netas, amigas, colegas e em especial minhas confreiras dos mais diversos sodalícios que tenho a honra de integrar – meu reconhecimento hoje e minha gratidão diária por expandirem meu horizonte e tornarem meus dias mais significativos.




 

Natalino Salgado Filho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

__________________________________________________________

* Médico, doutor em Nefrologia, Reitor da UFMA, membro da ANM, da AML, da AMM, Sobrames e do IHGMA 

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento