Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Novos cenários para a inovação tecnológica

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou no dia 9 do mês de julho o Projeto de Lei 2177/11, de autoria do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), que institui o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, o qual seguiu para votação pelo Senado e já é considerado o marco legal da ciência, tecnologia e inovação do país. O projeto de lei tem o mérito de possibilitar que pesquisadores ligados a instituições públicas possam atuar também em projetos de pesquisa que são realizados em parceria com a iniciativa privada.

Além disso, a recente lei prevê o apoio, por parte do poder público, à instituição que possa desenvolver ainda mais a inovação, a exemplo de parques e polos tecnológicos e das incubadoras de empresas. Em outras palavras, a lei regula de forma mais ampla o assunto, abrindo mais possibilidades e cooperação entre as universidades brasileiras e as empresas ao tratarem de pesquisa científica e tecnológica. Essa questão também está amparada pela novíssima Emenda Constitucional de número 85, promulgada este ano, que acrescentou ao texto da Carta Maior uma série de dispositivos com o fito de incentivar a ciência, a tecnologia, a pesquisa e a inovação.

O projeto de lei 2177, de 2011, também prevê, no lugar das atuais 240 horas/ano remuneradas, o aumento para 416 horas/ano ao professor das instituições federais de ensino superior, quando dedicadas à pesquisa. Já no tocante aos discentes, eles ficam autorizados a receber bolsas de fundações privadas de apoio credenciadas junto às instituições públicas.

Entre as principais mudanças, está a possibilidade de o pesquisador público – mesmo aquele com regime de dedicação exclusiva –, sob anuência de seu órgão de origem, vir a desenvolver atividades ligadas à pesquisa e inovação em outros ambientes, como, por exemplo, empresas das quais a instituição seja parceira. A lei também dispõe acerca de bolsas a serem concedidas a alunos de graduação, pós-graduação e até de cursos técnicos. Vale ressaltar que a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência muito se empenhou para que essa realidade acontecesse.

Na condição de atual Reitor, e amparado na minha longa trajetória de professor e pesquisador, sempre fui um incentivador de um dos tripés de uma universidade de qualidade – a pesquisa. Nossa gestão foi uma das que mais apoiaram e incentivaram os pesquisadores, porque é sabedora da importância que a pesquisa tem não apenas para o ambiente universitário, mas também para a sociedade que o cerca.

Na edição número 1 do ano 67 da revista Ciência & Cultura, editada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que circulou de janeiro a março deste ano, o engenheiro Célio Bermann, professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (USP), cita em entrevista a Universidade Federal do Maranhão como integrante do ranking das universidades que mais cresceram em número de pedidos de patentes nos últimos quatro anos. Na entrevista, o professor afirma que a UFMA passou de 03 (três) para 14 (catorze) pedidos de registros de patentes nesse período.

Ocorre que os números citados pelo professor estão desatualizados: dados compilados já deste ano revelam que nossa instituição figura no rol das cinco nordestinas que mais cresceram quando o assunto é registros de patentes nos últimos cinco anos. Só o Departamento de Apoio a Projetos de Inovação e Gestão de Serviços Tecnológicos (DAPI) contabilizou 49 patentes. Este departamento foi criado, em 2009, justamente para assegurar aos inventores ou responsáveis pela produção do intelecto a segurança necessária para que eles pudessem desenvolver com tranquilidade a criatividade, na certeza do respeito à propriedade intelectual de produtos e processos. Nossa universidade também conquistou a aprovação de recursos para diversos financiamentos significativos. Só no ano de 2013, a UFMA recebeu quase 7 milhões de reais para serem utilizados em construções e ampliações de laboratórios e centros de pesquisas da Instituição.

Também acreditamos na importância das parcerias com diversos setores, sejam públicos ou privados, para fomentar a inovação.  No final do ano passado, inauguramos o Centro de Empreendedorismo da UFMA, construído em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Desenvolvimento Tecnológico (Sectec), dispondo de espaços para a implantação das empresas juniores e incubadoras, em uma iniciativa que visa aproximar a Academia e o Mercado.

A UFMA, definitivamente, alcança um novo patamar de maturidade como instituição da ciência, formadora de mão de obra especializada e produtora de conhecimento. 

 

Doutor em Nefrologia, Reitor da UFMA, membro da AML, do IHGM e da AMM.

Publicado em O Estado do MA, em 09/08/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento