Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Dunas e saudade

Meu pai é quase um centenário. Em Cururupu, interior do estado, viveu seus verdes anos entre as reentrâncias, que é a forma de o mar beijar o continente na baixada ocidental do Maranhão. As dunas branquíssimas movediças desenham paisagens que se modificam de um dia para o outro. O oceano flui pelos milhares de igarapés marinhos que serpenteiam o mangue. As ilhas, centenas que se aglomeram como um enxame verde, estão marcadas tanto na vida de meu pai quanto na do povo da região. O ar, o vento e os cheiros que ele carrega impregnaram de tal forma a memória que, associada a uma infância livre e feliz, despertou em meu pai um pedido que para mim não foi de todo inesperado. Outro dia ele me disse: "Meu filho, antes de morrer, eu quero voltar à minha terra. Quero sentir de novo a areia da praia sob meus pés. Quero tocar aquele chão sagrado novamente".

O tempo não volta, é uma seta que corre para frente em uma velocidade estonteante e só nos damos conta depois que ele passa. A partir dessa ordem-desejo de meu pai, pude imaginar os lugares vinculados a lembranças que estão meio borradas, esmaecidas pelas muitas vidas em uma só que vivemos. Mas sei que basta uma única pisada na areia e sentir a sensação dos grãos afagarem a sola dos pés, para tudo voltar vivo e pulsante, como se o tempo tivesse aberto uma janela e pudéssemos espiar, sentir novamente emoções e ver a saudade se transformar na mesma alegria.

Por coincidência, esta semana o canal Globo News apresentou o documentário de Fernando Gabeira sobre a ilha dos Lençóis, talvez a mais mítica das ilhas maranhenses, localizada próximo à região de Cururupu. Histórias sobre suas areias e sua gente têm sido contadas há gerações. Ali o rei dom Sebastião, desaparecido quase de forma mágica da batalha de Alcácer Quibir, no século XVI, nas areias do Saara, passeia montado num touro negro e renasce das dunas à luz da Lua. Não é difícil encontrar quem conte ter se deparado com o rei como se fosse uma assombração. Na ilha, os filhos da lua dos Lençóis, como é denominada uma curiosa comunidade de albinos, andam pelas areias e navegam pelo mar nas mesmas noites de dom Sebastião.

Filho orgulhoso que sou de Cururupu, deixei-me levar pelo olhar atento do documentarista que gravou não só imagens bucólicas da região, mas também percebeu a vida cotidiana do lugar. Pescadores e suas frágeis embarcações que enfrentam a fúria do mar aberto com a mesma serenidade que navegam as línguas de mar que formam a gigantesca teia de vida feita de pássaros, peixes e mangues, com suas raízes que abrigam crustáceos, sustentam o chão lodoso contra as ondas. Ainda há fartura e as pessoas podem sobreviver com relativa tranquilidade, mesmo que os recursos mais modernos ainda não estejam de todo disponíveis. Neste aspecto, destaco uma iniciativa da Universidade Federal do Maranhão, que instalou geradores eólicos para a comunidade da ilha dos Lençóis, provendo uma melhor qualidade de vida com a energia limpa, renovável e gratuita.

Gabeira não esqueceu e registrou a beleza e diversidade das manifestações folclóricas nos vários sotaques de boi - costa de mão, orquestra e zabumba. Sons que ecoam histórias e vivências ancestrais que ainda ali, na festividade popular, representam a identidade de um povo. O boi reflete a vida que corre na faina diária, mas de uma forma encantada, despreocupada, irreverente e que irmana a todos.

As reentrâncias maranhenses fazem um sistema complexo e rico em biodiversidade. Acredito que toda a riqueza ali oculta só poderá ser preservada e explorada de forma sustentável com o conhecimento. Pensando assim, envidamos esforços para que a UFMA instalasse um campus avançado de engenharia de pesca, prestes a iniciar suas aulas. Por gerações, as pessoas sustentaram suas famílias nas labutas pelo mar. Até hoje é dele que saem os recursos que movimentam parte da economia local. Com esse campus, pretende-se que futuros profissionais da pesca com diploma universitário, talvez filhos de pescadores (estes possuem outro tipo de diploma adquirido pela experiência, enquanto aqueles serão capacitados pelo conhecimento empírico), deem, juntos, o novo e o experiente, uma nova perspectiva a toda a região.

Por essa minha ligação tão forte com Cururupu e com a baixada é que recebi, com alegria e orgulho incomensuráveis, no início deste mês, o convite para integrar o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (o qual aceitei prontamente), quando também a mim foi outorgada uma placa de menção honrosa. Por outra coincidência, lembrei que o poeta Raimundo da Mota Azevedo Correia, patrono da cadeira de número 16, que ocupo na Academia Maranhense de Letras, emprestou seu nome à travessa onde vivi alguns anos de minha vida em Cururupu. O poeta, nascido na baía de Mangunça, a bordo do vapor San’Luiz, navio da Companhia de Navegação a Vapor do Maranhão, já reservava a mim o destino da paixão por aquela terra.

Quanto ao pedido de meu pai, não sei se Deus me permitirá atender. Mas, com certeza, minha ligação com a baixada me impulsionará todos os dias de minha vida a não só desejar seu crescimento, como também me esforçar e trabalhar para que ela seja valorizada e sua gente reconhecida. E eu sei que, assim, também estarei sendo fiel ao coração de meu genitor.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro da AML, do IHGM e da AMM

Publicado em O Estado do MA, em 26/07/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento