Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Um poeta, um estadista e um sacerdote

O título deste artigo faz menção à aprovação, pelo Conselho Superior da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), da criação de títulos de Doutor Honoris Causa a serem conferidos em vida ao poeta Nauro Machado e a outros dois in memoriam: o médico, ex-prefeito de São Luís e ex-governador do Maranhão Jackson Lago e Dom José Delgado, personagem fundamental para a existência dessa Instituição de Ensino, sobre quem tive a oportunidade de discorrer em uma série de quatro artigos.

Saliente-se que fiz questão de indicar para apreciação do Conselho o nome desses três homens ilustres por acreditar que cada um, a seu modo, não só engrandeceu, mas também dignificou nossa terra. Essa indicação foi importante porque, como bem diz o enunciado non in solo pane vivit homo (ou seja, nem só de pão vive o homem), é preciso mostrar, lembrar e elevar seus feitos que influenciam positivamente a sociedade maranhense. 

Por esse motivo, começo a falar de Nauro Machado, que é ícone da literatura do Maranhão, pois as ruas de São Luís já o viram milhares de vezes desfilar sua inconfundível figura de chapéu, sempre com um guarda-chuva e olhos atentos, como se quisesse decifrar tudo e todos à sua volta. Premiado, referenciado e reverenciado, o poeta é dono de cultura vastíssima, fruto de um sem-número de estudos, e chegou a arrancar de Drummond de Andrade a frase: “Alta e impressionante poesia”.

Tema de tantos estudos e comparações, Nauro é nosso patrimônio, isto é, a fonte que aponta que nesta terra de palmeiras os versos que aqui se fazem não são feitos como em qualquer lugar. Ele é autor de obras renomadas e traduzidas e assim se (auto) define: “Sofro o futuro na ideia de ser hoje” (Soneto número 70). Nauro Machado com certeza é digno desta augusta distinção e somos nós, a Universidade, que nos orgulhamos de finalmente acordar para esse reconhecimento.

Quanto àqueles que não estão mais entre nós, inicio por Jackson Kepler Lago, natural do município de Pedreiras, que, além de ter inscrito seu nome na história política do Maranhão por comandar a prefeitura de São Luís por três vezes e ter sido governador do Estado, foi professor do curso de Medicina de nossa universidade, destacando-se como um dos melhores expoentes do corpo de docentes. Ele ainda fez escola, inspirando toda uma geração de médicos por seu pioneirismo em cirurgias torácicas. Ademais, foi membro do Partido Democrático Trabalhista (PDT) e militante aguerrido, sua trajetória política foi lembrada este mês de junho na exposição “A Vida é Combate”, exibida na Assembleia Legislativa.

Se vivo estivesse, Jackson Lago teria feito 80 anos neste ano de 2015. Foi também Secretário de Saúde do Município de São Luís, Secretário de Saúde do Estado, deputado estadual – tendo marcado seu mandato por discursos contra a violência no campo e a grilagem. Quem conviveu de perto com Jackson sabia de sua afinidade com questões sociais, da admiração que ele tinha a Leonel Brizola (de quem foi amigo pessoal), do respeito aos companheiros de militância de décadas e da simplicidade com que encarava a própria vida.

E, por último, o que dizer de Dom Delgado? Na série de artigos que publiquei, procurei traçar, ainda que de forma breve, um retrato desse grande sacerdote, a quem chamei de um homem visionário. Não por acaso, recentemente, o Conselho Universitário também aprovou o batismo do Campus do Bacanga de Cidade Universitária Dom Delgado. Paraibano de nascimento e com fortes raízes em terras norte-grandenses, Dom Delgado passou menos de 10 anos no Maranhão (1951-1963), onde, na condição de arcebispo e homem profundamente engajado em causas sociais, promoveu uma verdadeira revolução no ensino.

A justificativa para que seu nome possa referenciar a Cidade Universitária, dentre outros fatos relevantes e meritórios por mim discorridos na série de artigos mencionada, remonta a um artigo seu, publicado, em agosto de 1960, no Jornal do Maranhão, quando Dom Delgado profetizou a existência da Cidade Universitária. Nesse artigo, o sacerdote vaticina: “A Cidade Universitária (...) terá de consumir uns 50 anos de trabalho. Alguns Arcebispos passarão pelo Maranhão. Isto a terceira geração, a contar d’agora, virá contemplá-la realizada”. Mesmo sem estar vivo para ver o resultado de seu denodado trabalho, tenho a certeza de que Dom Delgado tinha em seu coração a antevisão desta grandiosa obra que é hoje nossa Universidade.

Na epístola de São Paulo aos Filipenses, o autor da missiva recomenda a respeito de Epafrodito, um cooperador do Evangelho, o seguinte: “(...) honrai sempre a homens como esse”. Não tenho elementos para comparar Epafrodito aos homens aqui mencionados, mas reconheço que a outorga do título de Doutor Honoris Causa a Nauro Machado, Jackson Lago e Dom Delgado primeiramente honra nossa instituição e, por extensão, a cidade de São Luís assim como todo o Maranhão.

Ao honrar a memória e a vida de cada um dos agraciados, não se faz por qualquer razão que não seja o ato meritório, pois cada qual, com seu trabalho e arte, coragem e significativas ações que motivaram seus ideais, cumpriu seu papel e nos lega o exemplo que é para nossa geração e para as que ainda hão de vir.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 28/06/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento