Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Encerramos o último artigo falando da trajetória percorrida pelo então diretor da Faculdade de Ciências Médicas, Pedro Neiva de Santana, em busca do reconhecimento do curso. Ele teve que perfazer um longo caminho nos gabinetes das autoridades do governo federal (quando a capital do país ainda era o Rio de Janeiro), empreitada esta que contou com o apoio de conterrâneos, a boa vontade de diversos políticos do Maranhão e a determinação dos jovens médicos que necessitavam do diploma reconhecido.

Não é demais relembrarmos que a Faculdade de Ciências Médicas fora criada por Dom Delgado em 1957 e sua autorização de funcionamento se deu logo no ano seguinte, em 03 de julho de 1958, mediante o Decreto nº 43941.

Com a Faculdade de Ciências Médicas, já somavam quatro as faculdades no Maranhão: a Escola de Enfermagem São Francisco de Assis, a Faculdade de Filosofia e a Faculdade de Serviço Social. Entretanto, não era o bastante para a instalação de uma universidade. Havia dificuldades de toda sorte. A quantidade de recursos era insuficiente para colocar em funcionamento essa almejada instituição de ensino e, por isso, se fazia urgente e necessário arregimentar mais recursos.

Foi então que Dom Delgado idealizou e colocou em prática, no ano de 1958, em âmbito nacional, uma grande tômbola (uma espécie de jogo beneficente cujos prêmios são apenas objetos), para arrecadar recursos em outros estados, e isso foi noticiado nos jornais da época.

Outro obstáculo surgido no meio do caminho foi o fato de que só existiam quatro faculdades e eram necessárias pelo menos cinco para atender à exigência da lei em relação ao processo de fundação de uma universidade. Dom Delgado, mais uma vez, saiu na frente e criou a Faculdade Católica de Direito, em 1961, que infelizmente ficou só no papel, pois não chegou a existir de fato. Mesmo assim, a estratégia deu certo: o presidente Jânio Quadros assinou o Decreto nº 50832, concedendo a essa reunião de faculdades o título de Universidade do Maranhão, sob a responsabilidade da Sociedade Maranhense de Cultura Superior (SOMACS). Era, na sua essência, uma universidade católica.

A mestra Paula Brito revela que foi precisamente no dia 25 de agosto de 1961 (dia dedicado a São Luís Rei de França) que se deu a instalação da Universidade do Maranhão, momento este que se caracterizou por reunir as faculdades de Filosofia, a Escola de Enfermagem, a Escola de Serviço Social e a Faculdade de Ciências Médicas, agregando, posteriormente, as faculdades de Direito, de Farmácia e Odontologia, e de Ciências Econômicas.

Acerca dessa universidade católica, o mestre Márcio de Souza Porto, ao escrever, em 2007, a dissertação “Dom Delgado na igreja de seu tempo (1963-1969)”, para obtenção do título de mestre em História, pela Universidade Federal do Ceará, informa que seu primeiro reitor foi o então bispo auxiliar de São Luís, Dom Antônio Fragoso, e que essa universidade fora criada também com o intuito de encontrar soluções para os problemas existentes no interior do Maranhão, sendo a falta de médico um dos principais.

Outro dado histórico importante que merece destaque nessa dissertação de mestrado é a menção a um artigo escrito pelo Padre João Mohana ao jornal cearense O Povo (datado de 27 de junho de 1975, com o título “Pelo Maranhão passou um homem preocupado com o Maranhão”), no qual ele elencou uma série de ações de Dom Delgado em terras maranhenses, como, por exemplo, a Cooperativa Banco Rural do Maranhão. Além disso, citou uma das maiores missões de Dom Delgado em solo maranhense, a qual foi definida por este da seguinte forma: “Educar o homem rural para que este possa tomar nas mãos o próprio destino”.

Ainda em relação a esse trabalho científico, uma curiosidade que vale a pena ser citada é a questão de que Dom Helder Câmara havia sido nomeado em 1963 pelo Papa Paulo VI, para substituir Dom Delgado no Maranhão; contudo, com a morte do então Arcebispo de Pernambuco, a história mudou, e Dom Helder teve que partir para a cidade de Recife.

A Universidade do Maranhão, conhecida como uma universidade católica, não duraria muito tempo. Uma série de fatores contribuiu para seu fim, dando origem à atual Universidade Federal do Maranhão. Em 1963, Dom Delgado parte para Fortaleza, deixando aqui um legado de fé e desvelo pela causa da educação. Todavia, meu caro leitor, este assunto não será tratado neste artigo, discorreremos mais detalhes sobre os seus últimos anos em nosso Estado e sua partida em uma próxima edição.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 14/05/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento