Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Dom Delgado, um homem visionário (III)

No artigo anterior, narramos que o sonho de o Maranhão ter sua própria universidade remonta aos tempos de Sousândrade, no final do século XIX (época em que a instituição receberia o nome de Atlântida). Infelizmente, o intelectual não chegou a realizá-lo.

A retomada da história universitária em solo maranhense remete à primeira metade do século XX. Em sucinto texto, porém muito bem elaborado, o padre João Dias Rezende Filho descreve sobre a instalação da Faculdade de Direito no Maranhão em 1918. A respeito desse assunto, já mencionamos detalhes no aniversário do curso de Direito da UFMA.

No ano de 1922, surge a Faculdade de Farmácia e, três anos depois, a Faculdade de Odontologia. Juntas, elas formaram a Escola de Farmácia e Odontologia do Maranhão. João Dias Rezende Filho relata ainda que, em 1948, foi criada, numa iniciativa de dom Adalberto Accioli Sobral, a Escola de Enfermagem. Essas instituições seriam, podemos assim dizer, os embriões da nossa Universidade Federal do Maranhão.

Conforme havíamos adiantado, em fevereiro de 1952 aporta no Maranhão o arcebispo dom José Medeiros Delgado, que aqui chegou para substituir o falecido dom Adalberto. Em pouco tempo, ele promoveu uma pequena revolução na área da educação e retomou a formalização da Faculdade de Filosofia de São Luís. Foi autorizado o funcionamento da faculdade em 23 de abril 1953, por meio de decreto assinado pelo presidente Getúlio Vargas e ministro Simão Filho. Uma vez instituída e em pleno funcionamento, sua primeira direção coube ao Cônego Ribamar Carvalho.

Acerca da Faculdade de Filosofia, importante lembrar que a criação desta instituição de ensino já havia sido idealizada e iniciada pela Academia Maranhense de Letras (AML). No ano de 1951, houve uma reunião em que foi discutida a implantação dessa faculdade entre os imortais da AML e os professores integrantes da então Fundação Paulo Ramos, destacando-se o papel ativo da igreja católica. Nessa oportunidade, os acadêmicos Clodoaldo Cardoso, Mário Meirelles e Odilon Soares também louvaram o empenho da AML na criação da Faculdade de Filosofia.

Segundo o padre João Dias Rezende Filho, a meta de dom Delgado era ambiciosa: criar uma universidade católica que juntasse a recém-criada faculdade de Filosofia às já existentes faculdades de Farmácia e Odontologia, de Direito e à Escola de Enfermagem. Em 29 de janeiro de 1955, este homem visionário deu mais um passo nesse sentido, ao instituir a Sociedade Maranhense de Cultura Superior (SOMACS). O objetivo dessa sociedade era criar uma biblioteca, um teatro, um museu e faculdades superiores que culminariam numa grande universidade católica. Uma curiosidade é que o presidente da SOMACS, conforme o Estatuto, na parte de Administração, art. 2º, § 1º, seria o arcebispo Metropolitano. Lembra também o mencionado padre que, em todas estas iniciativas em prol da educação superior no Maranhão, a Igreja sempre teve o apoio da Academia Maranhense de Letras.

Ainda em outubro de 1955, dom Delgado, representando a Arquidiocese, cede, de forma gratuita e sem prazo definido, o Palácio Cristo Rei para abrigar a Faculdade de Filosofia. No contrato de comodato firmado entre a Arquidiocese e a Fundação Paulo Ramos, coube a esta última a manutenção da Faculdade de Filosofia e àquela a cessão do prédio e a indicação de cinquenta por cento dos professores. A mesma divisão se daria com o Conselho Administrativo, cujos membros seriam indicados pela Arquidiocese e Fundação Paulo Ramos, em caráter paritário. Esse mesmo acordo teria sido inicialmente feito com dom Adalberto e posteriormente retomado por dom Delgado.

Embora o Maranhão já contasse com a Escola de Enfermagem, de nível superior, era necessária a criação de um curso de Medicina. Mais uma vez, ficou a cargo de dom Delgado o protagonismo dessa missão: em 20 de fevereiro de 1957, ele criou Faculdade de Ciências Médicas do Maranhão, cujo decreto de autorização de funcionamento, número 43941, foi publicado em 3 de Julho de 1958. Entretanto, com quase três turmas formadas, não havia o reconhecimento por parte do Ministério da Educação. Por esse motivo, o dirigente da instituição, o professor Pedro Neiva de Santana, partiu para o Rio de Janeiro com a finalidade de resolver a questão. Os desdobramentos dessa história e os outros passos de dom Delgado na busca da realização do sonho de criar uma universidade no Maranhão narraremos no próximo artigo.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 17/05/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento