Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

VIII Encontro de História da Educação

Senhoras e Senhores,

Boa noite.

O tema escolhido por este VIII Encontro Maranhense de História da Educação, que coloca em destaque os sujeitos silenciados pela história da educação, não é só pertinente como também chama a atenção para a necessidade de reparações históricas e sociais às quais nós, como sociedade e como universidade,  também temos o compromisso de fazê-las efetivas. Como lembra Boaventura Sousa dos Santos, devemos lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos discriminem e  lutar pelas diferenças sempre que a igualdade nos descaracterize.

Foi de maneira multiétnica que se deu a construção da sociedade brasileira, formada por recortes de cor, de cultura, de religião e de posição social. Nesse amálgama de interesses, as posturas discriminatórias e os conflitos de toda sorte se instalaram, contrapostos inicialmente por incipientes movimentos sociais que aos longos das décadas ganharam força e protagonizaram uma série de conquistas.

Uma das áreas onde mais a discriminação com sua face perversa e cruel se instalou foi justamente a educação, direito que é para ser de todas e de todos, uma vez que insculpido tanto na longa lista dos direitos e garantias individuais preconizados no artigo quinto da Constituição Federal de 1988 como inserto na Ordem Social de que trata o artigo sexto dessa mesma Constituição, bem como no Estatuto da Criança e do Adolescente.  

Mulheres, negros, pobres, índios, deficientes, integrantes de determinadas religiões e pessoas que assumiram com liberdade suas opções sexuais diferentes das assumidas pela maioria da sociedade,  bem como todos aqueles considerados inferiores, uma vez que estigmatizados por suas diferenças, sentiram na pele os percalços da jornada para alcançar o que na teoria deve estar ao alcance de todos, pois se entende o direito a uma educação como princípio basilar por ter o pressuposto de garantir os demais direitos sociais e políticos.

Uma educação que não inclui, que não agrega, que se fecha em guetos e que mantém a postura discriminatória que por anos imperou no Estado brasileiro é bem definida nas palavras de Gilberto Freyre: o saber deve ser como um rio, cujas águas doces, grossas, copiosas, transbordem do indivíduo, e se espraiem, estancando a sede dos outros. Sem um fim social, o saber será a maior das futilidades.

E o que era para ser um direito quase natural teve que ser foco de luta e resistência. Desde a exclusão pura e simples como a adoção de mecanismos que dificultaram o acesso de determinadas categorias à sala de aula, à construção do saber, a história da educação possui diversos capítulos que atestam a necessidade de haver mais abertura e mais inclusão como forma de legar ao esquecimento um passado de segregação. Afinal, como lembra o Mestre Paulo Freire: se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.

Quero aproveitar para desejar a todas e a todos dias de ricos debates e aprendizados, na certeza de que as palestras e trabalhos que aqui serão expostos muito contribuirão para o crescimento profissional e pessoal de cada uma de cada um.

Aproveito a ocasião para externar minha alegria pela outorga por parte de nossa universidade do Título de Doutor Honoris Causa à Professora Doutora Mirian Jorge Warde, graduada em Pedagogia, Mestra em Educação e Doutora em Filosofia da Educação e que detém um invejável currículo de experiências profissionais e conquistas pessoas.

O título de Doutor Honoris Causa é a mais alta honraria concedida a personalidades eminentes e aqui deixo registrada a satisfação de tornar a Professora Mirian Warde integrante de nossa augusta instituição, que acredita e valoriza a educação, na certeza de seu papel emancipador da sociedade.

Agradeço ainda o reconhecimento ao meu nome como um dos homenageados especiais por conta dos 10 anos do Núcleo de Estudos e Documentação em História da Educação – NEDHEL, distinção que muito me honra e me enobrece e que vem a somar com outros reconhecimentos que sequer imaginei no início da trajetória de minha vida como educador. Faço minhas as palavras de Riobaldo, o personagem de Guimarães Rosa em Grandes Sertões Veredas: “A gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar numa outra banda é num ponto muito mais em baixo, bem diverso do que em primeiro se pensou”.

Desejo um excelente congresso a todas e a todos.

Muito obrigado!

Em 14/05/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento