Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Este artigo é o primeiro de uma pequena série de escritos que apresentarei sobre a vida e a obra de um dos homens mais importantes para a história da Universidade Federal do Maranhão. Trata-se de José de Medeiros Delgado, que foi arcebispo deste Estado durante o período compreendido entre 1950 e 1960. Era um paraibano apaixonado pelo conhecimento e pelo sacerdócio, pois construiu, em pouco mais de 10 anos nas terras maranhenses, de onde ele partiu para Fortaleza em 1963, um sólido legado que ainda é desfrutado pelas gerações atuais.

Antes de narrar as suas realizações e a sua profecia acerca da Cidade Universitária - que de fato veio a se cumprir -, é necessário descrever alguns detalhes de sua história pessoal. Dom Delgado nasceu em 28 de julho de 1905 na Fazenda Timbaúba, município de Pombal, onde hoje é a cidade de Condado, no interior da Paraíba, mas foi em Serra Negra, no Rio Grande do Norte, que fez seus primeiros estudos.

Em apurado trabalho para a escrita de dissertação de mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a historiadora Paula Sônia de Brito debruçou-se sobre alguns aspectos curiosos relacionados à trajetória de vida de Dom José de Medeiros Delgado, que passo a compartilhar neste artigo. Conta a mestra que ele foi alfabetizado em casa, sob instrução de uma tia, e desde muito cedo teve contato com leituras religiosas. Ainda menino, tomou uma decisão: haveria de ser padre.

Todavia, antes da realização do sonho, foi preciso vivenciar uma dura realidade. Àquela época, era necessário investir num elaborado enxoval para que o aspirante a sacerdote pudesse ingressar no seminário. De família humilde, o jovem Delgado trabalhou seis meses com o propósito de conseguir levantar o dinheiro necessário para financiar o sonho. Segundo a pesquisadora Paula Sônia de Brito, que ouviu o relato da sobrinha dele, Iracema Persivo, o trabalho consistia em cortar e vender lenha com auxílio de um burro. Tratava-se, conforme o depoimento, de uma forma encontrada pelo pai de Dom Delgado, Manoel Porfírio, de testar a vocação do filho. A lida fortaleceu o chamado. Com abnegação, o então menino aspirante ao ministério sacerdotal realizou a tarefa que iniciaria sua trajetória rumo à ordenação.

No dia 04 de março de 1918, com apenas 13 anos, ele entrou para o Seminário Arquiepiscopal de Nossa Senhora da Conceição da Paraíba do Norte, em João Pessoa, com o objetivo de estudar o que hoje corresponde ao Ensino Fundamental I. Em 1919, dividiu seus estudos no curso preparatório do Colégio Pio X e no Seminário Menor, tendo acesso tanto ao ensino secular quanto aos estudos religiosos. Em 1923, ingressou no curso de Filosofia do chamado Seminário Maior. Em 1925, com 20 anos, seguiu para Roma, capital da Itália, onde fez os primeiros anos de teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, permanecendo nesse país até 1927.

Dom Delgado teve que voltar da capital italiana para o Brasil devido a problemas de saúde, terminando os estudos de teologia em sua terra natal, no Seminário da Paraíba, para ser então ordenado padre pelo bispo Dom Adaucto Aurélio de Miranda Henriques, um de seus mentores espirituais, em 02 de Julho de 1929, quando já estava com 24 anos. Era a época do pontificado de Pio XI.

Como sacerdote, a sua primeira experiência ligada às causas da educação ocorreu na cidade de Bananeiras, interior da Paraíba, onde atuou como Capelão do Colégio das Irmãs Dorotéias. De lá partiu, em 1931, para Campina Grande, também no interior paraibano, ficando dez anos nessa cidade na função de vigário da igreja de Nossa Senhora da Conceição. A semente já estava plantada: preocupado com a educação de crianças e jovens, fundou diversos estabelecimentos de ensino e descentralizou as atividades da igreja católica, aproximando-se de comunidades na zona rural, estimulando leigos a se engajarem nas causas a favor da educação, coordenando práticas comunitárias e de ação social.

Seu trabalho influenciou a cidade e chamou a atenção do sumo Pontífice Pio XII, que o designou, em 15 de março de 1941, para ser o bispo de Caicó, no Rio Grande do Norte. Foi o primeiro bispo da cidade e contava à época com apenas 36 anos de idade. A cidade o recebeu com festa, pois sua fama já havia percorrido toda aquela região. Para figurar no seu brasão eclesial, escolheu a frase "Ita, Pater" (Sim, pai). Nessa cidade, coube a esse jovem líder espiritual fundar o Ginásio Diocesano Seridoense (1942), a Casa do Pobre (1943), a Escola Doméstica Popular Darci Vargas (1943) para mulheres, a Escola Pré-vocacional de Caicó (1944) para crianças e o Seminário Santo Cura D'Ars (1946). Em Caicó, ele ficou até janeiro de 1952, quando foi transferido para o Maranhão, assumindo posteriormente a Arquidiocese de São Luís em 03 de fevereiro desse mesmo ano. Assim, passou a ser o quarto arcebispo do nosso Estado. Contudo, esse é um assunto para o próximo artigo.

 Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 26/04/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento