Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Uma reparação histórica

Após décadas de mora, coube à nossa gestão, numa iniciativa apoiada pelo Conselho Diretor, o reconhecimento da dívida histórica que a Universidade Federal do Maranhão possuía para com os moradores dos bairros Sá Viana, Jambeiro e Vila Embratel. Essa gente, ao longo de anos, construiu seus lares, sedimentou famílias, relações de amizade e escreveu suas histórias naquela região, que abriga atualmente 250 mil pessoas, muitas das quais são lideranças comunitárias, donas de casa, operários, estudantes e universitários, alguns destes inscritos nos nossos mais diversos cursos de graduação.

Para formalizar esse reconhecimento, foi editada em 20 de março deste ano a Resolução n.º 1182-CD, que atesta a condição da população e a luta de movimentos civis dos bairros adjacentes, com o propósito de atender à regularização fundiária dos terrenos habitados. Dessa forma, a UFMA passa a ter um papel ativo no sentido de favorecer todos os meios legais disponíveis para que o objetivo proposto seja alcançado, declarando, como consta na Resolução supra, que não tem interesse jurídico nas terras que um dia pertenceram ao seu domínio.

Localizada no espaço onde nos idos de 1960 existia o Sítio Sá Viana (área doada para a Fundação Universidade do Maranhão) e o Sítio do Justino, onde hoje está instalada a Vila Embratel, a Universidade Federal do Maranhão não poderia mais permanecer silente quanto à realidade que gradualmente foi se estabelecendo. Uma das primeiras medidas quando assumimos o reitorado foi delimitar o espaço da UFMA, com a construção do muro em todo o entorno, como forma de não apenas gerar segurança, mas também de demarcar fronteiras entre o que de fato entendíamos nos pertencer e o que pertenceria àquelas comunidades.

Foi pensando nisso que, não obstante bens públicos não poderem ser usucapidos, encontramos uma solução jurídica na principal lei que rege as licitações no país, a 8.666 de 1993, e adotamos todos os procedimentos legais e éticos para concretizar o sonho há muito tempo embalado por homens e mulheres em relação à propriedade de suas moradias. 

No capítulo dos Direitos Sociais, artigo sexto, a Constituição Federal consagrou entre vários direitos do cidadão, o de moradia. A casa, lugar arquetípico da proteção, abrigo, calor humano, recôndito da família, referência de bem-estar, é, em nosso país, um sonho distante para muitos cidadãos. Aquilo que nossa Constituição garantiu não se traduziu, desde então, num direito realizado para grande parte da população brasileira.

O déficit habitacional brasileiro está ao redor de 7 milhões de casas, sendo que 85% desse número (já por si mesmo desafiador) se concentram nas áreas urbanas, onde predominam as chamadas habitações subnormais. Essas moradas se caracterizam por arranjos construcionais sem qualquer segurança, seja física ou jurídica, uma vez que foram construídas em locais inapropriados, áreas de proteção ambiental, invasões de propriedades particulares e públicas e, em sua maioria, sujeitas a todo tipo de acidentes, particularmente em períodos chuvosos. Além da carência de moradias, o IBGE estima que quase 50% das habitações brasileiras não têm qualquer tipo de serviço de saneamento – abastecimento de água, esgoto ou fossa séptica, coleta de lixo. O quadro é delicado, urgente e pede ações mais amplas, criativas e menos burocráticas.

O Maranhão tem mais de 25% de suas residências consideradas impróprias, segundo o IPEA em 2013. O déficit de moradias chega a mais de 400 mil, o terceiro maior do Nordeste. Entre os dez piores municípios com carência habitacional do país, estão incluídas seis cidades do nosso estado. São Luís, segundo a Caixa Econômica, possui necessidade de construção de 85 mil casas. Nos bairros situados ao redor da universidade, aos quais me referi no início deste artigo, instalou-se um processo longo e irreprimível, resultado da tímida política de construção de habitações para pessoas de baixa renda.

A não legalização do espaço da moradia acarreta diversos problemas jurídicos e óbices a questões práticas. Desse modo, com a iniciativa de reconhecer o direito dos moradores à propriedade das terras que eles ocupam há décadas, não só cumprimos nosso papel enquanto uma instituição que prima pelo ensino, pesquisa e extensão, como também nos tornamos protagonistas de um novo capítulo na história de nossa universidade, em que impera a democracia e o respeito pelos direitos de todos.

Mais uma vez volto meu pensamento a Dom Delgado, que um dia profetizou a existência da Cidade Universitária, hoje uma realidade. Com o apoio de diversas lideranças e incentivo da nossa Academia Maranhense de Letras, esse homem empenhou-se por legar ao Maranhão uma instituição de renome que valorizasse o conhecimento e, sobretudo, o ser humano. Tenho certeza de que ele muito se orgulharia ao constatar que hoje somos mais que um templo do saber: somos uma casa que valoriza e reconhece o direito do próximo.

 Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 

Publicado em O Estado do Maranhão em 18/04/2015

 

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento