Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Investir em esporte para gerar campeões

As Olimpíadas encerradas no último domingo em Londres - independente da posição que nosso país ocupou no quadro de medalhas - evocam uma singela esperança de que, a despeito dos problemas monumentais pelos quais passa o mundo, particularmente na economia, pode-se, afinal, conviver com o outro, respeitar regras, aceitar diferenças, tudo num clima de paz.

Esse clima é particularmente intenso nas festas de abertura e encerramento dos Jogos, papel que Londres, em 2012, desempenhou com louvor. Na dura realidade das competições, entretanto, e seus resultados medidos em medalhas, as mais diversas análises mostram um Brasil com resultados melancólicos. A 23ª posição está longe de refletir a importância econômica, política e cultural do país sede das próximas Olimpíadas.

É de se conjecturar que o resultado pífio, sem desmerecer as conquistas de muitos atletas - especialmente as gratas revelações no pentatlo moderno e na ginástica, os mais notórios nesta competição -, seja fruto de uma política de estado errática que, muito bem organizada no discurso, ainda não se traduz em conquistas porque não criou uma cultura do esporte no país. Exceção ao futebol, cujos salários astronômicos de poucos jogadores, acenam com uma rota de escape das condições de pobreza e de pouca educação para muitos jovens. Os demais esportes sofrem de deficiências crônicas de apoio. No país do Carnaval, o investimento exclusivo, nesta festa, sobrepassa os recursos destinados à formação ou à simples manutenção de estruturas que produzam atletas para renovar os resultados daqueles poucos que conseguiram se destacar pelo talento individual.

Há de se empreender um esforço coletivo em prol do sucesso do país que será vitrine desportiva nas Olimpíadas de 2016. A esse chamado, devem atender as Universidades, em vista de proporcionarem não apenas infraestrutura esportiva, mas também de oferecerem um quadro de profissionais altamente especializado, que pode iniciar um novo ciclo de formação de atletas. Nesse sentido, as repercussões seriam positivas para as próximas, compatibilizando os resultados esportivos com o perfil de um país em ascendência no cenário mundial.

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA) faz parte desse desafio. O seu processo de modernização e ampliação inclui, em fase avançada de investimento, o parque esportivo e, também, o laboratório de fisiologia - o único no Estado do Maranhão -, além da construção da pista olímpica, atendendo aos requisitos da Associação Internacional de Federações de Atletismo, a mesma que referendou os parques das Olimpíadas de Londrina. Ainda na Cidade Universitária, foram construídas duas quadras poliesportivas e outras duas nos campi do interior.

Estamos na fase de licitação para a construção da base de instalação da pista olímpica, bem como para a reforma e ampliação do campo de futebol, com drenagem e iluminação. Avançamos na área do ensino e da pesquisa em esporte, com a aprovação do Bacharelado em Educação Física na Assembléia Departamental. Está em nosso planejamento a constituição do Mestrado em Educação Física, com o incentivo ao desenvolvimento da área “Ciências do Esporte”.

Na área de extensão, em parceria com o Instituto Airton Senna, Fundação Sousândrade e a Suzano, temos o projeto “Jovens com a bola toda”, que atende cerca de 300 pessoas no entorno da Cidade Universitária, proporcionando lazer e perspectivas de um futuro melhor.

Sendo a inclusão um dos eixos prioritários de nossa gestão, também cabe destacar o Centro de Excelência em Paradesporto, que oferece modalidades como basquete e atletismo adaptados para cadeirantes, futebol para deficientes visuais, golbol e vôlei adaptados, com o objetivo de revelar campeões na paraolimpíada de 2016.

É sugestivo que o Brasil possua um Ministério do Esporte e que apresente tão tímidos resultados nas competições mundiais. Países que alcançam melhores performances nestes eventos têm uma característica comum: a base de tudo é a prática de esportes nas escolas e universidades. É deste enorme celeiro que surgem aqueles atletas com talento acima da média. Daí em diante, seja por meio da estrutura estatal ou privada, o trabalho não sofre solução de continuidade, porquanto há previsibilidade administrativa e de investimento, além de planejamento de longo prazo com metas específicas a serem atingidas. Sem estes pré-requisitos, serão condenados a repetir a frustração do governo brasileiro, que aplicou 2 bilhões de reais.

Seria coincidência que, justo quando fizemos uma colheita tão magra e decepcionante de medalhas nas Olimpíadas, o Ministério da Educação, através do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), revele uma situação no mínimo constrangedora nesta fase crucial da educação?. De 5.357 municípios brasileiros que tiveram o ensino fundamental avaliado nos anos finais, apenas dez conseguiram “nota” igual ou superior a 6 no IDEB. Esse índice avalia o ensino fundamental e médio. Explique-se que essa nota 6 é a média entre os países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que reúne 34 dos países mais ricos e desenvolvidos. Coincidência ou não, a relação entre desempenho desportivo e educação acompanha perfeitamente os dez primeiros lugares na classificação de medalhas.

A UFMA está fazendo a sua parte para que os atletas maranhenses também possam realizar o sonho de colocarem a medalha olímpica no peito.

 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

Publicado em O Estado do Maranhão em 19/08/2012

 
Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento