Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

O legado de Darwin

Sigmund Freud, o criador da psicanálise, denominou de três grandes feridas os acontecimentos que golpearam profundamente a natureza narcisista da humanidade. O psiquiatra austríaco quis dizer com isso que nosso ego autoindulgente foi abalroado, primeiro, pela descoberta de Nicolau Copérnico, que nos tirou do eixo e da órbita quando asseverou que a Terra não estava no centro do universo. Em nosso lugar ele colocou o Sol, afirmando que o cosmo era heliocêntrico, e não geocêntrico como se imaginava.

Faço uma pequena inversão no tempo das ocorrências desses eventos catastróficos ao ego humano. O próprio Freud, longe de qualquer pudor ou modéstia, atribuiu a terceira ferida às suas descobertas psíquicas, mostrando que a férrea construção de controle e o conhecimento de si mesmo não passam de mera ilusão, pois somos habitados e muitas vezes comandados pelo desconhecido (inconsciente), o qual é movido pelo princípio do prazer, por desejos e sentimentos que provocam comportamentos estranhos e irracionais, que não conseguimos compreender nem controlar.

Finalmente, falarei da segunda ferida narcísica desferida por Charles Darwin, porém, antes, quero esclarecer que, de propósito, fiz a inversão da ordem dessas três chagas, que abalaram o narcisismo do homem, para me dedicar a falar sobre esse naturalista inglês, o qual, no dia 12 passado, se vivo estivesse, teria completado 206 anos. Morreu aos 73 anos. Pois bem, como qualquer aluno do ensino médio sabe, ele foi o autor da Teoria da Evolução. Esta teoria, aparentemente, deslocaria Deus de seu lugar de Criador e nos lançaria nas mãos de uma natureza indiferente, ou seja, seríamos apenas um elo numa cadeia infinita de evoluções entre primatas impulsionados pela lei básica deste processo: a seleção natural.

Darwin levou muitos anos de estudo. Realizou uma célebre viagem de quatro anos e nove meses no navio HSM Beagle com passagem pelo Brasil (duas vezes na Bahia, uma na ida, que incluiu uma parada no Rio de Janeiro, e outra no retorno), onde colheu muitos espécimes de plantas e insetos. O paradigma evolucionário sustenta a biologia até hoje. À parte das delicadas questões que levanta, ele mesmo sofreu o dilema que suas ideias implicavam.

É inatacável, contudo, sua estratégia de pesquisa. Não que Darwin tenha inaugurado o modelo do cientista explorador, mas, seguindo uma máxima sua, “para ser um bom observador é preciso ser um bom teórico”, e isso ele vivenciou com muita intensidade. Formou-se em Medicina, Teologia e, além disso, como ele próprio afirmou, aprendeu tudo o mais porque se considerava um autodidata, embora tenha ficado conhecido como um naturalista.

Nesse sentido, ele é um modelo para as novas gerações. A curiosidade, o método e as perguntas certas movem e continuarão movendo a ciência. As descobertas são frutos de conclusões cevadas há muito tempo de embate com os dados. Desse modo, só para registrar, o livro “Origem das Espécies” foi publicado apenas em 1859, quase 25 anos depois de iniciadas as pesquisas.

O cientista foi um autor prolífico, ao discorrer sobre plantas, animais, geologia, entre outros assuntos. Uma de suas obras quase tão famosa quanto a “Origem das Espécies” é “A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais”, em que estabelece um paralelo entre a psicologia de homens e animais na tentativa de fundamentar e explicar suas conclusões sobre a evolução e a seleção natural.

Darwin foi, acima de tudo, persistente, curioso e audaz, características essas que devem ser imitadas por todos aqueles que amam e valorizam o conhecimento. Não por acaso, ele cunhou a frase: “A atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana”. Seu legado o inscreveu entre os grandes da humanidade e volta e meia deparamo-nos com observações e estudos que se dispõem a revelar a multidiversidade de seus escritos.

De forma propositada, trouxe à baila esse tema com a finalidade de lembrar a solenidade de formatura realizada, nesta última semana, para os alunos dos campi de Chapadinha e Imperatriz. No rosto de dezenas de homens e mulheres, estava estampada a alegria de chegar ao final de mais uma etapa de suas vidas e a ansiedade pelo desafio de uma nova caminhada. Em minha fala, eu os estimulei a continuar superando obstáculos e a colecionar vitórias. A paixão pelo conhecimento incluiu o nome de Darwin na história. Que essa mesma chama se irradie no coração dos recém-formados. Sendo assim, não só a UFMA mas também a sociedade agradecem.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 22/02/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento