Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Contra a intolerância

“Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”, essa frase atribuída a François-Marie Arouet (conhecido pelo cognome Voltaire), mas que, segundo o professor Ivan Bilheiro, nunca foi dita por ele, é perfeita para este momento. Voltaire se tornou um ícone da defesa da liberdade de expressão por um erro em uma de suas biografias escritas no início do século XX, conforme explica o mencionado professor. Seja lá de quem for a autoria, o importante é que o princípio contido na frase jamais foi tão atual e necessário.

Passado o impacto inicial da horrenda matança dos jornalistas do Charlie Hebdo, crime esse perpetrado por dois irmãos fanáticos, vieram as reações públicas e governamentais unidas num único ato que reuniu quase quatro milhões de pessoas na Praça da República em Paris. O espetáculo democrático teve o condão de fortalecer um princípio caríssimo à democracia: a liberdade de expressão e de manifestação.

O espaço de convivência democrática é, por natureza, dialético. Ideias se opõem num embate sem armas, exceto as retóricas e as lógicas. Regras legais, culturais e de urbanidade medeiam esta guerra sem fuzis e, ao fim e ao cabo, novas ideias, novos paradigmas surgem. A divergência é fundamental na democracia, necessária mesmo à sua existência. Quanto mais o exercício da democracia se dá, mais forte ela se torna e não há como aperfeiçoá-la, senão na possibilidade do manifesto de todos.

Há um termo muito usado na área da biologia que se presta para entendermos o processo democrático. Trata-se da alostase (do grego allos = diferente; stasis = estabilidade). O vocábulo designa uma condição em constante modificação. É o equilíbrio dinâmico. É essa busca contínua retroalimentada pela inclusão de grupos, os mais diversos inclusive, que bem descrevem o que, desde os gregos, se tenta construir nas sociedades ocidentais.

Por este raciocínio, é possível, como é o caso da França, EUA, que ainda enfrentam problemas de violência, mas com democracias absolutamente consolidadas, realizar a inclusão de todo e qualquer grupo, mesmo aquele cujos membros são pessoas praticantes da religião muçulmana. Infelizmente, apenas nas sociedades ocidentais, dentre as quais está a nossa, o Islã mostra sua faceta pacífica e tolerante.

O que significa dizer que, dentro de regras claras, plurais, respeitosas, resistentes ao preconceito e ao racismo contra os quais nunca se deve baixar a guarda, é possível a convivência entre os diferentes. O sentido da expressão “diferentes” inclui, sem tergiversação ou desculpas, aqueles que discordam das ideias estabelecidas, sejam elas religiosas, filosóficas, políticas.

A democracia admite, sim, um jornal como o Charlie Hebdo. O devoto de qualquer religião, se se sentir ofendido, pode reagir tanto na França como no Brasil. Há mecanismos legais e democráticos que permitem a discordância e, no limite, reparação. Esta é a glória da República democrática que deve ser defendida como os franceses fizeram, eles foram às ruas para se manifestarem e compraram o jornal que saiu em edição recorde de cinco milhões de exemplares.

Também na esteira dos eventos impactantes e merecedores de todo repúdio tenho ouvido e lido muitos posicionamentos que deploram o ato selvagem, mas, em seguida, expõem razões que justificam os terroristas, afinal, os chargistas desmereceram a religião alheia, defendem. A lógica desse raciocínio leva a um beco sem saída que mata a própria liberdade cujo valor não é possível aquilatar. Qual seria a solução? Autocensura? Aceitar como válido o fato de que aqueles que, ao se manifestarem, mesmo de forma desrespeitosa e com humor ácido, podem ser mortos ou agredidos?

A liberdade de expressão não é um dogma, não é uma desculpa que permite que as pessoas agridam umas as outras. Ela fundamenta a democracia e não existe num vazio de normas. Existe em função de todos e, como há diferenças, há discordância. O sagrado de um é o banal de outro. As pessoas podem se expressar e não precisam concordar, mas podem chegar a um termo ou até mesmo se posicionar pela indiferença em relação ao jornal satírico, como sabiamente se manifestaram muitos muçulmanos.

Esse episódio de grande repercussão cria uma oportunidade preciosa para fortalecer a democracia, promover o diálogo, criar mais políticas de integração da comunidade muçulmana e, no caso da França, ensinar a tolerância. Diante desse estado de comoção mundial, é preciso que a humanidade se una, para que nenhuma fraqueza, nenhuma leniência com as forças do terror, do radicalismo e do fundamentalismo desinteligente se torne vitoriosa.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 18/01/2015

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento